(16) 99248-0091

 

Apóie a continuidade deste trabalho, totalmente independente desde 1997. Saiba como participar clicando na imagem ao lado.

1958 1990 1997 1998 1999 2000 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013 2014 2015 2016 2017 2018

 Arca do Barata Cinematec'A Barata Contos Crônicas  Entrevistas  Facebookianas  Fal'A Barata! Livrari'A Barata  Micrônic'As Baratas Prefácios & Editoriais



MIMEÓGRAFO A ÁLCOOL, A "HOME PAGE" DA ERA PRÉ-INTERNET
Luiz Carlos "Barata" Cichetto
barata.cichetto@gmail.com

Sou sim da era do mimeógrafo a álcool, a “Home Page” da Era Pré-Internética. A maioria com menos de 40 anos sequer escutou falar. Um sistema de impressão arcaico, mas visceral. Simples e necessário, como tudo tem que ser na vida, o "equipamento" consiste em um "stencil", parecido a um papel carbono (Opa, também não sabe o que é isso? Ah, ta, digamos que o papel carbono era o precursor da impressora: uma espécie de filme colocado no meio de duas folhas para fazer cópia) onde era desenhado ou datilografado o que a gente queria, depois preso à "máquina" que era alimentada com álcool comum . Algumas folhas de papel sulfite e o milagre acontecendo depois de horas e horas de um braço cansado de girar uma manivela. Folha a folha, quando não amassava, nossos livros e "jornaizinhos" - era assim chamado o atual "fanzine" - que tinham saído de nossas cabeças e mãos tomavam forma. Estava pronta nossa "Home Page". Agora faltava o "browser" para chegar até os "users".

Depois de devidamente grampeados, nossos livrinhos ou jornaizinhos, impressos todos em azul, a única cor disponível nos mimeógrafos caseiros, saiam às ruas, portas de teatro, shows de Rock (shows de Rock era sempre em teatros na Era Pré-Internet, nada de botecos escuros, fedendo a cigarro, bebida e mjo). Poemas eram lidos e gritados pelas ruas e praças, ou enviados dentro de um envelope pardo pelo Correio. Era toda interatividade que tínhamos disponível: a resposta aos nossos bardos e brados sob a forma de uma carta escrita à mão ou datilografada que demorava dias, semanas até chegar ao seu destinatário.

Foi assim que brotaram centenas, milhares, quiçá milhões de combativos, criativos e ativos veículos da "Imprensa Nanica". “Semente”, “Cogumelo Atômico”,” A Mosca”, o meu livrinho “Arquíloco” e tantos outros eram estandartes de uma crise social, política e principalmente moral que a ditadura militar fingia não perceber, porque a criara.

O "Cogumelo Atômico", do Luís “Tout-Curt” de Brusque, foi ao certo o mais importante de todos. Luís foi um dos, senão "o", pioneiro na área da imprensa feita de desejo e resistência, como também o foi em construir, junto com Claudia Bia, bonecos de bolas de gude, que depois se transformaram em febre em São Paulo.

Também desta leva criativa existia o "Sarrumor" que deu nome, fama e muito dinheiro ao Laerte (claro que é brincadeira, né Laerte? Ao menos a parte da fama...) que também depois fundou a banda Língua de Trapo, até hoje na ativa.

Heróicos tempos, loucos tempos! Heróicos garotos éramos todos. Crescemos e nossos cabelos pararam de crescer ou foram cortados, muitos ficaram carecas, gordos e ricos. Outros piraram, outros morreram de overdose e tristeza. A rebeldia adolescente deu lugar à busca de necessidades mais claras e egoístas. Muitos temos filhos e nossos filhos já têm filhos e portanto muitos somos "vôzinhos". Muitos perderam ou se perderam em sonhos. Muitos os deixaram no fundo de uma gaveta do tempo, amarelado e empoeirado. Mas os sonhos "não aceitam nem pedem perdão" (eu não precisava colocar essa frase entre aspas porque é minha mesmo.) e eles, os sonhos, acabam nos acordando com "pancadas na cabeça", como no conto de um livrinho de Valdir Zwetsch, de "O Fabricante de Sonhos".

Nossa primeira viagem na máquina do tempo á Era Pré-Internética termina, mas agora todos sabem que existiu uma época em que as pessoas eram criativas, cultas e amigas apenas usando um mimeógrafo a álcool, a "Home Page" da Era Pré-Internética; E que nosso "Browser" (Navegador) eram o ônibus e as pernas, mesmo. E nós não deixamos de ser felizes, apenas esperamos que ela, a Felicidade, nos chegue por “E-Mail”.
18/10/2008
Registro no E.D.A. da F.B.N. : 513.861 - Livro 974 - Folha 209

(16) 99248-0091

A Barata - O Site

A Barata Ao Vivo

Amigos & Livros

A Arca do Barata

Arquivos Abertos

Artesanato

As Faces d'O Corvo
Augusto dos Anjos

Ataraxia

Barata Cichetto, Quem É?

Barata Rocker

Biografi'As Baratas

Camisetas

Cinematec'A Barata

Coletâneas de Rock

Colunas Antigas
Conte Comigo, Conte Pra Mim
Contos d'A Barata
Convergências
Crom

Crônic'As Baratas

De Poeta a Poeta

Depoimentos

Des-Aforismos Poéticos Baratianos

Discoteca d'A Barata

Download Free

Ensaios Musicais

Entrevist'As Baratas

Eventos

Facebookianas
Fal'A Barata!
Fotos
Gatos & Alfaces
Kakerlak Doppelgänger
Livrari'A Barata
Livros
Madame X
Memória A Barata
Micrônic'As Baratas

Na Mídia

O Anjo Venusanal
Pinturas
Pi Ao Quadrado

Poesi'a Barata

Ponto de Fuga
Pornomatopéias
PQP - Puta Que Pariu
Prefácios & Editoriais
Projeto Sangue de Barata
Psychotic Eyes
Renato Pop
Resenhas

Retratos e Caricaturas

Revist'A Barata Digital

Revist'A Barata

Seren Goch: 2332

Sub-Versões

Tublues

Versus

Videos

Vitória

Webradio

Todos os textos, exceto quando indicados, são de autoria de Luiz Carlos Giraçol Cichetto, nome literário Barata Cichetto, e foram registrados na Fundação Biblioteca Nacional. Não é permitida a publicação em nenhum meio de comunicação sem a prévia autorização do autor, bem como o uso das marcas "A Barata" e "Liberdade de Expressão e Expressão de Liberdade". Lei de Direitos Autorais: 9610/98.
 On Line

Política de PrivacidadeFree counter users online