(11) 96358-9727

 

1958 1990 1997 1998 1999 2000 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013 2014 2015 2016 2017 2018

 

 Arca do Barata Cinematec'A Barata Contos Crônicas  Entrevistas  Facebookianas  Fal'A Barata! Livrari'A Barata  Micrônic'As Baratas



DURVAL DISCOS
Barata Cichetto
barata.cichetto@gmail.com

Durval Discos

Título Original: Durval Discos
Produção: Dezenove Som e Imagens e África Filmes
Ano de Produção: 2001
Roteiro: Ana Muylaert
País: Brasil
Direção: Ana Muylaert
Duração: 93m
Atores: Ary França (Durval), Etty Fraser (Carmita), Marisa Orth (Elizabeth), Isabella Guasco (Kiki), Participação Especial: Rita Lee, Theo Werneck, André Abujamra, Letícia Sabatella.
Resenha
“Durval e sua mãe Carmita vivem há muitos anos na mesma casa onde funciona a loja Durval Discos, que já foi muito conhecida no passado mas hoje vive uma fase de decadência devido à decisão de Durval em não vender CDs e se manter fiel aos discos de vinil. Para ajudar sua mãe no trabalho de casa Durval decide contratar uma empregada, sendo que o baixo salário acaba atraindo Célia (Letícia Sabatella), uma estranha candidata que chega junto com Kiki (Isabela Guasco), uma pequena garota. Após alguns dias de trabalho Célia simplesmente desaparece, deixando Kiki e um bilhete avisando que voltaria para buscá-la dentro de 3 dias. Durval e Carmita ficam surpresos com tal atitude, mas acabam cuidando da garota. Até que, ao assistir o telejornal, mãe e filho ficam cientes da realidade em torno de Célia e Kiki.”(Texto: www.adorocinemabrasileiro.com.br).
Crític'A Barata
"Durval Discos" é um filme sobre a modernidade. Não sobre a modernidade em si, mas sobre como ela entra na vida das pessoas, queiram ou não. Sobre os efeitos que a modernidade pode causar em quem resiste á ela. No roteiro, muito bem construído e alinhavado por Ana Muylaert, Durval é um quarentão que, junto com uma mãe possessiva e que o trata como uma criança, é dono de uma loja de discos de vinil, o título do filme. Moram em um sobrado com mobiliário antigo e decoração “kitsch”, têm uma vida aparentemente tranqüila e insossa. Durval usa camisetas de Janis Joplin e Raul Seixas, cabelos compridos e acredita que nada será capaz de substituir seus amados discos de vinil. É capaz de se enervar com um cliente que lhe peça por um CD e aparentemente sequer tem uma vida sexual. Assim vivem Durval e Carmita sua mãe, interpretada magistralmente por Etty Fraser. A monotonia só é quebrada eventualmente pela presença de Elisabeth, personagem de Marisa Orth, balconista de uma doceria ao lado da loja, que vai até ali para fumar e conversar com Durval. Além disso, nada no mundo parece poder quebrar a quietude daquela vida até que chega a modernidade na vida dos dois. E ela, a modernidade, faz sua entrada da forma mais cruel que existe: por intermédio do crime e da violência. A partir daí, o que parecia ser um filme simples sobre pessoas simples que aceitam e não discutem sua simplicidade, muda completamente de rumo. Ao contratar uma empregada, vivida por Leticia Sabatella, Durval e sua mãe começam a viver primeiro um sonho que aos poucos transforma suas vidas em um pesadelo com cores modernistas. A loucura começa a tomar conta das personagens e a modernidade, encarnada de início como uma rósea, ingênua e doce criança, passa ás cores vermelhas da violência absurda que nos deparamos diariamente, principalmente nos centros urbanos modernos. Isso a diretora mostra de forma muito clara em uma seqüência antológica em que a criança, montada sobre um cavalo branco pinta com sangue uma parede. É melhor cena do filme e Ana Muylaert consegue nesse ponto mostrar a loucura a que todos nós estamos sujeitos ao adentrar á modernidade. O filme conta com participações muito especiais, como a de Rita Lee, hilariante no papel de uma cliente que procura um disco de Caetano Veloso que tem “Irene” e fica perguntando do que Irene tanto ri. Theo Werneck no papel dele mesmo, André Abujamra de rastafari, um “doidão” que não abre a boca. A interpretação da garota Isabella Guasco também é digna de destaque. A trilha sonora do filme é um capitulo á parte e contém grandes clássicos da Música e Rock Brasileiros dos anos 70, como “Mestre Jonas” de Sá Rodrix e Guarabira”, “Pérola Negra” de Luiz Melodia, “London London” de Caetano com Gal Costa, “Alfomega” de Gilberto Gil, Tim Maia, Novos Baianos, Jorge Ben e outros. A direção de Ana é impecável e trás componentes extremamente interessantes como a própria abertura do filme com os nomes dos atores aparecendo em lambe-lambes de postes, tabelas de preço de lanchonetes, maquinas de fliperama e o nome da própria diretora em uma placa de nome de rua. A demolição da casa onde funcionava a “Durval Discos”, segundo informações é real e foi a base da idéia original do roteiro. Um ótimo mas simples filme sobre pessoas e sobre como apenas um fato pode desencadear uma seqüência de acontecimentos desastrosos.
Cotação:
Registro no E.D.A. da F.B.N. :513.861 - Livro 974 - Folha 209


1958 1990 1997 1998 1999 2000 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013 2014 2015 2016 2017 2018

CONHEÇA NOSSOS PARCEIROS

 

(11) 96358-9727

A Barata - O Site

A Barata Ao Vivo

Amigos & Livros

A Arca do Barata

Arquivos Abertos

Artesanato

As Faces d'O Corvo
Augusto dos Anjos

Ataraxia

Barata Cichetto, Quem É?

Barata Rocker

Biografi'As Baratas

Camisetas

Cinematec'A Barata

Coletâneas de Rock

Colunas Antigas
Conte Comigo, Conte Pra Mim
Contos d'A Barata
Convergências
Crom

Crônic'As Baratas

Depoimentos

Des-Aforismos Poéticos Baratianos

Discoteca d'A Barata

Download Free

Ensaios Musicais

Entrevist'As Baratas

Eventos

Facebookianas
Fal'A Barata!
Fotos
Gatos & Alfaces
Kakerlak Doppelgänger
Livrari'A Barata
Livros
Madame X
Memória A Barata
Micrônic'As Baratas

Na Mídia

O Anjo Venusanal
Pinturas
Pi Ao Quadrado

Poesi'a Barata

Ponto de Fuga
Pornomatopéias
PQP - Puta Que Pariu
Projeto Sangue de Barata
Psychotic Eyes
Renato Pop
Resenhas

Retratos e Caricaturas

Revist'A Barata Digital

Revist'A Barata

Seren Goch: 2332

Sub-Versões

Tublues

Versus

Videos

Vitória

Webradio

Todos os textos, exceto quando indicados, são de autoria de Luiz Carlos Giraçol Cichetto, nome literário Barata Cichetto, e foram registrados na Fundação Biblioteca Nacional. Não é permitida a publicação em nenhum meio de comunicação sem a prévia autorização do autor, bem como o uso das marcas "A Barata" e "Liberdade de Expressão e Expressão de Liberdade". Lei de Direitos Autorais: 9610/98.

 On Line

Política de Privacidade

Free counter users online