Arca do Barata Contos d'A Barata Crônic'As Baratas Entrevist'As Baratas Fal'A Barata!Micrônic'As Baratas + Resenhas de Filmes + Resenhas de Livros +

UM SUJEITO DE MERDA (MICRO PEÇA DE TEATRO)
Luiz Carlos "Barata" Cichetto
barata.cichetto@gmail.com
CENÁRIO:
Um escritório moderno, com computadores, telefones, aparelhos de fax e demais atributos tecnológicos, a iluminação é cegante e o ar gelado. Ao canto uma cabine de privada, com papel higiênico e uma porta entreaberta.

TRILHA SONORA:
Um sax irritante de Kenny G.

PERSONAGENS:
SUJEITO SIMPLES, SUJEITO COMPOSTO, SUJEITO UM E SUJEITO DOIS

CORTINA ABRE:
(SUJEITO SIMPLES SENTADO Á FRENTE DE UM COMPUTADOR, OLHOS GRUDADOS AO MONITOR, SEMBLANTE TENSO, SUANDO, CLICANDO FRENETICAMENTE E ESMURRANDO HORA OU OUTRA O TECLADO. SUJEITO COMPOSTO AO SEU LADO EM PÉ, DE TERNO E GRAVATA, GESTICULANDO E GRITANDO)

SUJEITO COMPOSTO A SUJEITO SIMPLES:
- É, senhor Simples, o senhor é mesmo uma merda! Não consegue operar essa merda de computador, a merda do programa de última geração que a empresa comprou, nem a merda do fax inteligente, nem a merda da impressora a laser colorida...O senhor... o senhor é um merda, certamente!

SUJEITO SIMPLES A SUJEITO COMPOSTO
- É, senhor Composto, sou mesmo um merda mesmo! Um inútil... Afinal, que utilidade tem um sujeito que trabalha a 30 anos nesta empresa, portanto de antes que o senhor tenha nascido, que ajudou esta empresa a crescer desde que ela tinha dois funcionários, que deixou de lado a companhia dos filhos para trabalhar aos domingos sem ganhar sequer horas extras? Um merda que sempre foi pronto a colaborar, a prestar qualquer sacrifício acreditando que um dia teria a sua recompensa. É, senhor Composto, sou um merda mesmo!

SUJEITO COMPOSTO A SUJEITO SIMPLES
- Não vem com essa merda de que o senhor se dedicou a empresa. Sou formado em TI, TC, IT, CT e todas as siglas que o senhor nunca escutou falar. Aliás a única siga que o senhor escutou é WC, que é o lugar de merda.

(SUJEITO COMPOSTO SOLTA UMA GARGALHADA E DEPOIS SILENCIA. NESTE MOMENTO A LUZ ILUMINA OS ROSTOS DE SUJEITO UM E SUJEITO DOIS, QUE ENTÃO GARGALHAM ABUNDANTEMENTE.)

SUJEITO SIMPLES A SUJEITO COMPOSTO
- O senhor acaso sabe porque a merda do cabrito é redondinha?

SUJEITO COMPOSTO A SUJEITO SIMPLES
- E que merda tem a haver a merda do cabrito com a merda que o senhor cagou ai no computador?


SUJEITO SIMPLES A SUJEITO COMPOSTO
- Eu sei porque a merda do cabrito é redondinha e nem por isso o estou humilhando na frente de seus amigos.

SUJEITO UM
- É, ele sabe mesmo. Já me explicou direitinho isso uma vez. Tem todo uma merda cientifica...

SUJEITO DOIS
- É mesmo. A merda do cabrito é redonda porque...

SUJEITO COMPOSTO A SUJEITO UM E SUJEITO DOIS
- Calem as merdas das bocas. Não estou falando com vocês, seus merdas!

(SUJEITO COMPOSTO FALA ISSO E LEVA A MÃO AO ABDOME)
- Que caganeira de merda me deu agora. Não saia dai senhor Simples, temos muita merda pra conversar ainda.

(SUJEITO COMPOSTO SE DIRIGE RAPIDAMENTE Á PRIVADA, DESABOTOANDO E ABAIXANDO AS CALÇAS, SENTA-SE NA PRIVADA E SUSPIRA DE ALÍVIO. NA OUTRA PARTE DO CENÁRIO, OS OUTROS TRÊS SUJEITOS CONFABULAM)

SUJEITO UM AOS OUTROS DOIS SUJEITOS
- Que merda de sujeito esse Composto. Só porque entende de computadores, pensa que tem o Rei na Barriga. Mas sabem o que ele tem mesmo na barriga? Merda!!!

(OS TRÊS SUJEITOS GARGALHAM AO MESMO TEMPO, RISADAS DEBOCHADAS)

SUJEITO DOIS A SUJEITO SIMPLES
- Ele não tinha o direito de falar o monte de merda que ele te falou. Que merda, meu! E você, seu merda, deixou ele falar aquelas merdas...?!

SUJEITO SIMPLES A SUJEITO DOIS
- É, ele não tinha mesmo o direito de falar aquelas merdas pra mim, mas ele acha que a merda dele fede menos que a minha... que a nossa merda.

TRÊS SUJEITOS
(EM UNÍSSONO)
- Que merda de sujeito esse tal de Composto!!!

(NA PRIVADA, SUJEITO COMPOSTO GEME E URRA, EMPUBESCE E NUM MOMENTO GRITA)
- Que merda! Que Merda! Não sai essa merda!

(EM POUCOS INSTANTES, SUJEITO COMPOSTO CAI DA PRIVADA ROLANDO PELO CHÃO E SE CONTORCENDO COM A FACE DEMONSTRANDO DOR EXTREMA)

SUJEITO COMPOSTO
(ENTRE DENTES)
- Merda! Merda! Merda!

(REPENTINAMENTE SUJEITO COMPOSTO FICA INERTE, AS CALÇAS NOS JOELHOS. OS TRÊS OUTROS SUJEITOS CORREM ATÉ A PRIVADA E MEXEM NO CORPO INERTE.)

TRÊS SUJEITOS
(EM UNÍSSONO)
- Está morto. O Sujeito Composto está morto! Que merda!

(SUJEITO UM SE ENCAMINHA PARA A PORTA ENTREABERTA DO BANHEIRO E LÊ O QUE ESTÁ ESCRITO)

SUJEITO UM:
- Escutem isto aqui que está escrito na porta da privada: "Um dia em algum lugar dessa merda de cidade, a minha merda e a do dono dessa merda irão se juntar no esgoto e tudo será a mesma mer...". E ainda está molhada a tinta do pincel atômico vermelho.

(SUJEITO DOIS E SUJEITO SIMPLES OLHAM NA MÃO DE SUJEITO COMPOSTO. UM PINCEL ATÔMICO VERMELHO ESTÁ PRESO ENTRE SEUS DEDOS)

SUJEITO SIMPLES E SUJEITO DOIS
- Que merda! Foi ele quem pichou isso na porta do banheiro...

(PANO RÁPIDO)

(AINDA SE ESCUTA UM SOM (PRIVADA)

(DEPOIS DISSO AINDA A VOZ DE SUJEITO COMPOSTO ECOA POR TRÁS DAS CORTINAS)

(VOZ) SUJEITO COMPOSTO
- Que merda!
19/10/2001

Registro no E.D.A. da F.B.N. : 513.629 - Livro 973 - Folha 475

(11) 96358-9727


Camisetas
Livros
Pinturas


A Barata - O Site
A Barata na Mídia
Barata Cichetto, Quem É?
Depoimentos
Fest'As Baratas
Fotos

Por Título
Por Livro
Por Data
Com Áudio
Musicados
Com Vídeo
Livros Impressos

A Barata Ao Vivo
Biografi'As Baratas
Discoteca d'A Barata
Ensaios Musicais
Coletâneas de Rock


Artesanato
Camisetas
Conte Comigo, Conte Pra Mim
Convergências
PQP - Puta Que Pariu
Pinturas
Sub-Versões
Videos
Webradio

Gatos & Alfaces
Pi Ao Quadrado
Revist'A Barata
Revist'A Barata Digital
Versus


Arca do Barata
Contos d'A Barata
Crônic'As Baratas
Entrevist'As Baratas
Fal'A Barata!
Micrônic'As Baratas
Resenhas de Filmes
Resenhas de Livros

Ataraxia
Crom
Kakerlak Doppelgänger
Madame X
O Anjo Venusanal
Ponto de Fuga
Pornomatopéias
Projeto Sangue de Barata
Psychotic Eyes
Renato Pop
Seren Goch: 2332
Tublues
Vitória

Todos os textos, exceto quando indicados, são de autoria de Luiz Carlos "Barata" Cichetto e registrados na Fundação Biblioteca Nacional. Não é permitida a publicação em nenhum meio de comunicação sem a prévia autorização do autor. Bem como o uso das marcas "A Barata" e "Liberdade de Expressão e Expressão de Liberdade".

 On Line:  46