Barata no Radar Cultura, com a Banda Pedra
O Homem, o Poeta e o Giraçol
Morphine, ou Percepção Emocionada
Woodstarkus - Uma Celebração á Paz
Esperando Papai Noel
Manifesto Singular
Em Busca da Mulher-Barata
Censura? Sempre e Mais...
"O Amor é a Compensação da Morte"
Inserir >/ Quebra... > / Quebra de Página
A Superioridade dos Artistas
Coçar a Cicatriz, Xingar a Meretriz e Sonhar Com a Imperatriz
Viver é Fatal! Quem Viver... Vi...Verá!
Resquícios Críticos Indecentes (Ou Ctrl C/Ctrl V)
Fui!!!
O Rei Está Morto, Então Viva o Rei!
Cabeça de Barata
Acabou a Festa do Latino
Rádio Barata
O Jagunço
Foda-se!!!!
Sonha Comigo!
Que Venham as Putas!
Foda-se e Feliz Aniversário, Betty Boop!
Dias Em Que A Gente Nem Consegue Escrever...
Denny Dent, Diogo Oliveira e os Gênios da Cultura Rock'n'Roll
Sebos & Puteiros
Amor? Nem de Mãe!
Viva Sua Vida ou Vá Se Foder!
O Conto da Barata
A Síndrome da Assepsia
Sangue de Barata - Ou A Grande Família Chamada Rock'n'Roll!
Emoções Baratas
Manifesto dos Desbaratados
Livre Por Natureza
Enquanto Os Cães Passam as Caravanas Ladram!
Abortando a Folha de São Paulo
A Droga do Amor
Ladrão de Bife Não é Herói
Papai Noel é Um Cara Legal...
Que Me Perdoem os Eunucos
Tudo em Nome do Rock And Roll
Dogville , de Lars Von Trier
Estranhas Mutações
Tumantes e Seus Cometas no País dos Boasmerdz
Já Que é Para Esculhambar...
Dia da Consciência...
Iggy Pop
Serguei Iessiênin
Vai Se Foder!

Arca do Barata Contos d'A Barata Crônic'As Baratas Entrevist'As Baratas Fal'A Barata!Micrônic'As Baratas + Resenhas de Filmes + Resenhas de Livros +

CARTA DE UM VELHO SAFADO A UMA BARATA DE BAR
Luiz Carlos "Barata" Cichetto
barata.cichetto@gmail.com
Um Tributo a Charles Bukowski
Olá, querida barata:

Estou lhe mandando a presente afim de lhe contar o quanto foi importante o nosso encontro de ontem á noite, quando eu tinha bebido demais, fumado de mais e amado de menos.

Sabes, querida barata, que aquele bar onde nos encontramos carrega por aquelas imundas e gordurentas mesas e balcão, histórias que apenas as baratas e a sarjeta da rua em frente conhecem.

Minha cabeça dói, amiga barata e acaso a sua também doa ao mexer suas antenas, não ligue, em poucas horas ou depois de outro porre, passa.

Hoje, escondida pelas frestas ao lado da pia imunda da cozinha do bar, certamente não lembrarás mais de mim e sei que outros bêbados solitários encontrarão em suas antenas, os ombros que precisam.

Têm horas que penso que sou igual a uma barata, mais porque nós humanos lhes achamos imundas e doentias, menos porque respeitamos sua capacidade de sobrevivência; mais porque as tememos, menos porque as respeitamos por sua capacidade de alimentar de absolutamente qualquer coisa, enquanto precisamos comer em bares e plantar e esperar.

Querida amiga, a solidão humana é coisa que apenas as baratas compreendem e sei que quando escutastes sobre minha solidão gargalhaste de um jeito a querer dizer "Estou certa disto!".

Sabes, amiga barata de balcão de bar, sou apenas um velho safado, nem carteiro nem poeta, apenas arremedo de escritor. Mas como escritor escrevo e como o carteiro entregava cartas ao poeta, lhe entrego esta, certo de que com o mesmo respeito que o poeta tratava o carteiro e suas cartas, tratarás a mim e minha carta.

E, amiga barata, sou apenas um velho safado, carteiro da ilusão, da angústia e da solidão. Sabes, querida amiga que encontrei naquele balcão fedorento e gordurento, queria lhe agradecer por escutar minhas queixas e minhas mágoas, por ficares ali, parada, quieta, escutando cada palavra que a embriagues me impunha, me trazia á boca e eram pronunciadas com dificuldade.

Obrigado por ficar ali, apenas mexendo suas antenas, sem censura nem pudor. Queria lhe agradecer por bebericar minha bebida em goles tão pequenos, por andar de um lado ao outro do balcão tomando conta de mim, quanto a bebida me fazia dormir; por andar nas bordas do meu copo tomando conta dele, porque afinal quem beberia num copo em que uma barata andara?

Queria lhe agradecer porque quando finalmente minhas pernas responderam aos impulsos do cérebro embriagado e responderam mesmo que trôpegas aos passos, também correstes de volta a sua fresta junto a pia da cozinha do bar, de um jeito a me dizer "Bom dia!".


Queria saber, querida barata de bar cujo nome - igual a de tantas putas com as quais dormi - desconheço, sobre o que achastes daquele livro que eu portava e que passeastes pelas páginas abertas, um pouco invejosa porque não falava de ti, mas de moscas de bar. Grande injustiça aquela, realmente! É é por isso que decidi lhe mandar esta carta e espero que a leia antes que o dono do bar descubra teu esconderijo, logo ao lado da pia da cozinha, onde ontem á noite não me deste um beijo de bom dia!

Sei que por sua coloração - e eu andei estudando sua espécie do mesmo que jeito que estudas a minha - também és uma veja velha barata safada. Aliás, porque me refiro a você no feminino, se nem sei seu sexo? Mas realmente não importa que sexo um amigo tenha ou se é uma barata ou outro ser, mesmo que humano. O que sei é que pensas, porque mexes as antenas o mesmo jeito que eu quando penso, balanço os braços. E sei mais ainda, que fantástica amiga serias por ter três pares de braços (ou seriam três pares de pernas?).

Não ligues, não, ás queixas deste que lhe manda esta carta, sou apenas um bêbado, um velho safado em busca de uma paixão perdida. E uma paixão eterna e etérea, a paixão pela vida, perdida - a paixão ou a vida - em um tempo em que eu não era nem velho nem safado, nem bêbado sequer era. Aliás o que eu era era um não ser, mesmo que um ser humano, enquanto sempre fostes e serás uma barata de bar.


Não mostres, minha cara, esta carta a outras baratas e principalmente a outros seres humanos porque, principalmente estes, hão de dizer que além de um velho safado, sou um velho louco, conversando com baratas. Certamente irão dizer que a bebida e a solidão embotaram minha mente a ponto de ter delírios e, embora digam que não, irão incluir minha carta em um fabulário geral do delírio cotidiano. Guardes segredo, amiga. Mas não o segredo dos padres, mas o segredo das adúlteras.

Quando quiseres, abandonas a fresta próxima a pia nojenta e gordurenta do bar onde a conheci e chegues a minha morada. Ali terás o abrigo em uma fresta próxima de minha cama, onde meus pesadelos acompanham as noites em que não durmo embriagado. Terás ali papel e bebida, que é tudo o que precisam um escritor e uma barata. Serás então minha confidente de todas as noites, sem que eu precise beber debruçado num imundo balcão de bar afim de poder me escutar.

Assinado, Charles Chinaski
11/5/2001
Registro no E.D.A. da F.B.N. : 513.628 - Livro 973 - Livro 474

(11) 96358-9727

 


Camisetas
Livros
Pinturas


A Barata - O Site
A Barata na Mídia
Barata Cichetto, Quem É?
Depoimentos
Fest'As Baratas
Fotos

Poemas Por Título
Por Livro
Por Data
Com Áudio
Musicados
Com Vídeo
Livros Impressos

A Barata Ao Vivo
Biografi'As Baratas
Discoteca d'A Barata
Ensaios Musicais
Coletâneas de Rock


Artesanato
Camisetas
Convergências
PQP - Puta Que Pariu
Pinturas
Sub-Versões
Videos
Webradio

Gatos & Alfaces
Pi Ao Quadrado
Revist'A Barata
Revist'A Barata Digital
Versus


Arca do Barata
Contos d'A Barata
Crônic'As Baratas
Entrevist'As Baratas
Fal'A Barata!
Micrônic'As Baratas
Resenhas de Filmes
Resenhas de Livros

Ataraxia
Crom
Kakerlak Doppelgänger
Madame X
O Anjo Venusanal
Ponto de Fuga
Pornomatopéias
Projeto Sangue de Barata
Psychotic Eyes
Renato Pop
Seren Goch: 2332
Tublues
Vitória

Todos os textos, exceto quando indicados, são de autoria de Luiz Carlos "Barata" Cichetto e registrados na Fundação Biblioteca Nacional. Não é permitida a publicação em nenhum meio de comunicação sem a prévia autorização do autor. Bem como o uso das marcas "A Barata" e "Liberdade de Expressão e Expressão de Liberdade".

 On Line:  65