Barata no Radar Cultura, com a Banda Pedra
O Homem, o Poeta e o Giraçol
Morphine, ou Percepção Emocionada
Woodstarkus - Uma Celebração á Paz
Esperando Papai Noel
Manifesto Singular
Em Busca da Mulher-Barata
Censura? Sempre e Mais...
"O Amor é a Compensação da Morte"
Inserir >/ Quebra... > / Quebra de Página
A Superioridade dos Artistas
Coçar a Cicatriz, Xingar a Meretriz e Sonhar Com a Imperatriz
Viver é Fatal! Quem Viver... Vi...Verá!
Resquícios Críticos Indecentes (Ou Ctrl C/Ctrl V)
Fui!!!
O Rei Está Morto, Então Viva o Rei!
Cabeça de Barata
Acabou a Festa do Latino
Rádio Barata
O Jagunço
Foda-se!!!!
Sonha Comigo!
Que Venham as Putas!
Foda-se e Feliz Aniversário, Betty Boop!
Dias Em Que A Gente Nem Consegue Escrever...
Denny Dent, Diogo Oliveira e os Gênios da Cultura Rock'n'Roll
Sebos & Puteiros
Amor? Nem de Mãe!
Viva Sua Vida ou Vá Se Foder!
O Conto da Barata
A Síndrome da Assepsia
Sangue de Barata - Ou A Grande Família Chamada Rock'n'Roll!
Emoções Baratas
Manifesto dos Desbaratados
Livre Por Natureza
Enquanto Os Cães Passam as Caravanas Ladram!
Abortando a Folha de São Paulo
A Droga do Amor
Ladrão de Bife Não é Herói
Papai Noel é Um Cara Legal...
Que Me Perdoem os Eunucos
Tudo em Nome do Rock And Roll
Dogville , de Lars Von Trier
Estranhas Mutações
Tumantes e Seus Cometas no País dos Boasmerdz
Já Que é Para Esculhambar...
Dia da Consciência...
Iggy Pop
Serguei Iessiênin
Vai Se Foder!

Arca do Barata Contos d'A Barata Crônic'As Baratas Entrevist'As Baratas Fal'A Barata!Micrônic'As Baratas + Resenhas de Filmes + Resenhas de Livros +

A LIBERDADE TEM GOSTO DE CYNAR
Luiz Carlos "Barata" Cichetto
barata.cichetto@gmail.com
Nunca ensine a quem não deseja aprender, nunca proteja a quem deseja estar solto, nunca dê a quem não deseja receber, nunca ame a quem não deseja ser amado, nunca deseje a quem não lhe deseja, nunca morra por... ninguém. Ninguém irá lhe agradecer ou retribuir o que não foi pedido. Especialmente pessoas egoístas que normalmente não agradecem ninguém por nada, pois sua própria existência é que tem que agradecida pelo mundo inteiro.

Deixa eu massagear seus pés, deixa eu massagear suas costas, deixa eu massagear seu clitóris. Deixe de massagear a si mesma seu próprio ego. Retire agora o prego que prende minha alma a sua, que rasga meu coração igual à espada de um centurião. Eu sou um Cristo pagão, você é a cruz onde eu fui crucificado. O centurião ronda e enfia a espada em meu coração. Não tenho nenhuma Madalena a chorar por mim. Nem Maria, nem ninguém. Cristo morreu por nós, certo? E eu morri por você... E você, morreu por quem? Você é a cruz, madeira morta e seca. Quantos foram crucificados sobre você? Isso lhe dá prazer? Estou de braços abertos, pregos em minhas mãos e em meus pés, uma espada em meu coração e estou nu, completamente. Eu a deixei nua e não suportastes assim, porque sua alma ficou nua perante de mim. E eu estava nu também, junto a você. Poderíamos ter um orgasmo de alma, mas ficastes com medo e fugistes assustada, preferistes o tesão da carne ao orgasmo da alma. Podre criança! Não sabes, mesmo que com 666 amantes, o que é realmente um orgasmo.

Hoje posso escutar o que quero, ir onde meu desejo me carregar, falar o que quero, pensar o que desejo e explodir meus dedos no teclado. Não queria uma liberdade com o gosto meio-doce meio-amargo do Cynar. Mas a liberdade é assim: meio-doce, meio-amarga. Minhas asas crescem rápido e os primeiros vôos começo a ensaiar. Meu estômago dói de fome e excesso de cigarros, vomito todas as manhãs e tardes e noites.

Qual é o gosto que a liberdade tem pra você? Coca-Cola? Cerveja? Vinho? Esperma? Que triste! Acaso a liberdade tivesse para você o mesmo gosto que tem para mim, poderíamos ser livres juntos... Porque acreditas que a liberdade é pessoal e intransferível? Liberdade egoísta é liberdade? Egoísmo é liberdade? Mas de qualquer forma não quero compartilhar minha liberdade com mais ninguém, ninguém merece ser livre comigo. Permaneça prisioneira de sua liberdade egoísta. Permaneça prisioneira de seu ego, prisioneira de si mesma. Acredite que isso é liberdade e jogue fora a chave do verdadeiro Prazer.

Quem conhece a magnífica obra de Pete Towshend, do The Who, uma das mais injustiçadas bandas de Rock de todos os tempos, "Tommy", que gerou vários discos e um filme mediano, sabe de uma parte em que Tommy - um garoto que fica cego, surdo e mudo por um trauma ao ver a mãe e o amante matarem o pai - se depara com um espelho e ao atravessá-lo cai na água e ao som de um Rock visceral e canta, em meio a braçadas: "I'm free, I'm free / And freedom taste of reality" (Estou livre, estou livre / E a liberdade tem sabor de realidade). A liberdade tem sabor de realidade??? É isso? O autor pode ter colocado isso num contexto em que o fato de a liberdade ser real é o que mais importa. No caso, Tommy se liberta de suas deficiências e se sente livre por isso. Será? Mas quando a realidade causada pela busca de uma liberdade é crua e cruel? É justo cantar assim? Qual é a realidade que justifica a liberdade? Toda realidade justifica a liberdade? Liberdade é preço justo e honesto a qualquer realidade? "Tommy can you hear me, Tommy can you hear me". Tommy, baseado nessa falsa sensação de liberdade e do poder dela advindo, se torna uma espécie de falso guru, falso messias e se ferra todo no fim. A falsa sensação de liberdade gera falsa sensação de poder. E a maioria das pessoas não está preparada para a liberdade e muito menos para o poder que ela exprime.

"Ano passado eu morri, mas esse ano eu não morro".Transubstanciei minha existência em dor e minha dor em vida e quero a vida plena que negastes a mim. Não morro mais! Sou eterno! Você não pode ser Deus, porque Deus é único e sou eu! Uma vida também é única como foi único o sentimento que lhe entreguei. Entregue-se a matilha de lobos, a corja de abutres, ame por um dia, goze em cinco minutos e depois vá dormir, bêbada e feliz. Não ligue, não faça sexo por telefone, não telefone para a Policia, nem para os Bombeiros. Não preste a atenção em baratas, não goze quando estiver pensando, não pense quando estiver gozando. Pensar e gozar são inimigos. Eu não morro mais... de tesão por você. Hoje tenho Camilla Perez... Desculpa, Arturo Bandini, mas roubei sua amada. Arranquei-a das páginas do seu livro, ela não lhe pertence mais.

(Imagem: Foto de John Santerineross, Montagem: Luiz Cichetto)
3/2/2006
Registro no E.D.A. da F.B.N. : 513.628 - Livro 973 - Livro 474

(11) 96358-9727


Camisetas
Livros
Pinturas


A Barata - O Site
A Barata na Mídia
Barata Cichetto, Quem É?
Depoimentos
Fest'As Baratas
Fotos

Por Título
Por Livro
Por Data
Com Áudio
Musicados
Com Vídeo
Livros Impressos

A Barata Ao Vivo
Biografi'As Baratas
Discoteca d'A Barata
Ensaios Musicais
Coletâneas de Rock


Artesanato
Camisetas
Conte Comigo, Conte Pra Mim
Convergências
PQP - Puta Que Pariu
Pinturas
Sub-Versões
Videos
Webradio

Gatos & Alfaces
Pi Ao Quadrado
Revist'A Barata
Revist'A Barata Digital
Versus


Arca do Barata
Contos d'A Barata
Crônic'As Baratas
Entrevist'As Baratas
Fal'A Barata!
Micrônic'As Baratas
Resenhas de Filmes
Resenhas de Livros

Ataraxia
Crom
Kakerlak Doppelgänger
Madame X
O Anjo Venusanal
Ponto de Fuga
Pornomatopéias
Projeto Sangue de Barata
Psychotic Eyes
Renato Pop
Seren Goch: 2332
Tublues
Vitória

Todos os textos, exceto quando indicados, são de autoria de Luiz Carlos "Barata" Cichetto e registrados na Fundação Biblioteca Nacional. Não é permitida a publicação em nenhum meio de comunicação sem a prévia autorização do autor. Bem como o uso das marcas "A Barata" e "Liberdade de Expressão e Expressão de Liberdade".

 On Line:  109