Barata no Radar Cultura, com a Banda Pedra
O Homem, o Poeta e o Giraçol
Morphine, ou Percepção Emocionada
Woodstarkus - Uma Celebração á Paz
Esperando Papai Noel
Manifesto Singular
Em Busca da Mulher-Barata
Censura? Sempre e Mais...
"O Amor é a Compensação da Morte"
Inserir >/ Quebra... > / Quebra de Página
A Superioridade dos Artistas
Coçar a Cicatriz, Xingar a Meretriz e Sonhar Com a Imperatriz
Viver é Fatal! Quem Viver... Vi...Verá!
Resquícios Críticos Indecentes (Ou Ctrl C/Ctrl V)
Fui!!!
O Rei Está Morto, Então Viva o Rei!
Cabeça de Barata
Acabou a Festa do Latino
Rádio Barata
O Jagunço
Foda-se!!!!
Sonha Comigo!
Que Venham as Putas!
Foda-se e Feliz Aniversário, Betty Boop!
Dias Em Que A Gente Nem Consegue Escrever...
Denny Dent, Diogo Oliveira e os Gênios da Cultura Rock'n'Roll
Sebos & Puteiros
Amor? Nem de Mãe!
Viva Sua Vida ou Vá Se Foder!
O Conto da Barata
A Síndrome da Assepsia
Sangue de Barata - Ou A Grande Família Chamada Rock'n'Roll!
Emoções Baratas
Manifesto dos Desbaratados
Livre Por Natureza
Enquanto Os Cães Passam as Caravanas Ladram!
Abortando a Folha de São Paulo
A Droga do Amor
Ladrão de Bife Não é Herói
Papai Noel é Um Cara Legal...
Que Me Perdoem os Eunucos
Tudo em Nome do Rock And Roll
Dogville , de Lars Von Trier
Estranhas Mutações
Tumantes e Seus Cometas no País dos Boasmerdz
Já Que é Para Esculhambar...
Dia da Consciência...
Iggy Pop
Serguei Iessiênin
Vai Se Foder!

Arca do Barata Contos d'A Barata Crônic'As Baratas Entrevist'As Baratas Fal'A Barata!Micrônic'As Baratas + Resenhas de Filmes + Resenhas de Livros +

A PEQUENA HISTÓRIA DE UM PRÍNCIPE DESENCANTADO E DA PEQUENA PRINCESA
Luiz Carlos "Barata" Cichetto
barata.cichetto@gmail.com
Existem lutas e guerras perdidas, batalhas que nunca começam e pesadelos que nunca terminam ao amanhecer. Minha alma em lutas titânicas em busca da felicidade, mas meu coração não consegue ser dado a conhecer. Sonhos antigos quando a alma e o desejo eram um, sonhos que chegaram atrasados igual ônibus em dia de temporal.

Agora estou parado em um ponto de ônibus perdido no meio do nada e meus sapatos e minha alma estão furados e gastos.

O que adianta portanto lamentar o elogio que deixou de ser feito, o orgasmo que deixou de ser causado e lamentar minha falta de sorte? Realmente de nada adianta lamentar minha falta de jeito, sentir a dor forte em meu peito... de nada, nada adianta quando perdi outra guerra. Criaturas informes e toscas, fantasmas do passado guardados dentro do armário do meu cérebro. O dragão da maldade e o santo guerreiro lutam a mais dura batalha de suas vidas por minha vida e eu nem sei a que horas o próximo ônibus irá chegar. Pode ser que nunca chegue, mas quando chegar estará lotado de bêbados e putas e sem nenhum lugar onde eu possa sentar. O condutor é cego e surdo e guia o ônibus por ruas escuras ao som de uma canção em que a morte é o único refrão imaginário. Eu queria viver em uma história amorosa, ser um príncipe, mas fui um sapo. Em minha estória, ou melhor, em minha história, não foi o sapo que virou príncipe, mas o príncipe que virou sapo.

O que adianta pedir perdão quando a acabou a paixão? O que adianta paixão sem o perdão e o perdão sem a paixão? O que adianta algo, quando, transformado em sapo, o Príncipe percebeu desmoronar seu castelo e vê diariamente a tão sonhada princesa, a quem ele contou histórias e lendas sobre príncipes e princesas encantadas, desaparecer?

Resta agora apenas o que? Lamentar e chorar pelas esquinas, em copos de bebida amarga? Sufocar a mágoa, sufocar a dor, sufocar o amor? Rock não tem sentido, Rock não é paixão. Minha trilha sonora agora é o silêncio, o mais puro e absoluto silêncio e resta apenas a solidão e um monte de letras amontoadas em lamentos tolos. Poesia é tolice, claro, apenas os poetas não o percebem. Poetas são péssimos amantes, estou certo disso agora. Porque mulheres não são poesias e poesias não ser mulheres. Casei com a poesia, uma Mulher-Poesia e não a soube amar e tal qual a inspiração ela abandonou minha rima á beira do caminho.

Quanto tempo? Quanto demora esquecer a Poesia em forma de Mulher? Quanto tempo demora esquecer a Mulher em forma de Poesia? A bebida deixa as pessoas com falta de memória, então resta apenas beber e tentar esquecer... Queria poder retornar aos tempos em que o tempo não tinha importância, em que o amanhã era apenas o depois do hoje. Retornar aos tempos... tempos, tempos... Em busca do tempo perdido perdi o bonde do tempo e o tempo cobrou seu preço.

Durante muito tempo sonhei com a mulher perfeita, sensual e que entregasse apenas a mim seu desejo e seu prazer. Quando a encontrei, as feridas do tempo tinham machucado e danificado tanto meu corpo e minha alma, que acabei por perder meu sonho. Culpa do tempo? O tempo não tem culpa.

Jurei nunca mais falar sobre dores, jurei falar de amor, falar de paixão, mas meu corpo não deixou e agora minha alma antes repleta de paixão, agora repleta de dor e angústia busca em si mesma as respostas. O pior que pode acontecer a um ser humano é perder sua capacidade de sonhar. Sonho é vida e o que é a vida senão um sonho do qual não queremos acordar?

Perdido no tempo e no espaço, em um ponto de ônibus lotado de seres perdidos e bêbados prostituídos e prostitutos. Pergunto: qual é o itinerário e o destino do próximo ônibus? Quem o dirige e quem é o cobrador? O letreiro apagado desse ônibus não deixa pistas sobre seu destino e itinerário e nem sei onde fica o ponto perdido, em qual calçada da vida ele se encontra. Pago o preço da passagem e sento em um banco ao lado de uma pequena e bela dama. Nosso destino seria o mesmo, pergunto á ela. É o destino, ela responde. E estou certo de destino não existe e que a vida não é um ônibus, mas mesmo assim deixo meu corpo e minha alma serem levados. Quando percebo, passou o ponto onde eu tinha que descer e agora permaneço sentado, com uma garrafa de bebida despejando pela garganta, que queima igual as chamas do inferno e a bela e pequena Princesa agora não está mais sentada ao meu lado. Quanto demora o próximo ônibus? Quanto tempo demora a próxima viagem? Quanto tempo?

Em meu caminho ainda existem guias ou sarjetas? Um cão de rua? A salvação do cão é a rua e a rua não se importa com o cão. Existe felicidade na vida dos cachorros de rua? Eles se sentem abandonados? Procuro respostas nas loucuras e as loucuras não encontram eco em mim. Sofro pelas mulheres que não conquistei e a que conquistei e não soube manter. Perdão a mim e perdão a elas. Quem pede perdão a quem? Quem perdoa quem? Perdão é coisa do Senhor? Apenas? Perdoar a Deus e todo mundo. Mas o que é perdoar? A resposta é imperdoável.
26/11/2004
Registro no E.D.A. da F.B.N. : 513.628 - Livro 973 - Livro 474

(11) 96358-9727


Camisetas
Livros
Pinturas


A Barata - O Site
A Barata na Mídia
Barata Cichetto, Quem É?
Depoimentos
Fest'As Baratas
Fotos

Por Título
Por Livro
Por Data
Com Áudio
Musicados
Com Vídeo
Livros Impressos

A Barata Ao Vivo
Biografi'As Baratas
Discoteca d'A Barata
Ensaios Musicais
Coletâneas de Rock


Artesanato
Camisetas
Conte Comigo, Conte Pra Mim
Convergências
PQP - Puta Que Pariu
Pinturas
Sub-Versões
Videos
Webradio

Gatos & Alfaces
Pi Ao Quadrado
Revist'A Barata
Revist'A Barata Digital
Versus


Arca do Barata
Contos d'A Barata
Crônic'As Baratas
Entrevist'As Baratas
Fal'A Barata!
Micrônic'As Baratas
Resenhas de Filmes
Resenhas de Livros

Ataraxia
Crom
Kakerlak Doppelgänger
Madame X
O Anjo Venusanal
Ponto de Fuga
Pornomatopéias
Projeto Sangue de Barata
Psychotic Eyes
Renato Pop
Seren Goch: 2332
Tublues
Vitória

Todos os textos, exceto quando indicados, são de autoria de Luiz Carlos "Barata" Cichetto e registrados na Fundação Biblioteca Nacional. Não é permitida a publicação em nenhum meio de comunicação sem a prévia autorização do autor. Bem como o uso das marcas "A Barata" e "Liberdade de Expressão e Expressão de Liberdade".

 On Line:  104