(11) 96358-9727

 

1958 1990 1997 1998 1999 2000 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013 2014 2015 2016 2017 2018

 

 Arca do Barata Cinematec'A Barata Contos Crônicas  Entrevistas  Facebookianas  Fal'A Barata! Livrari'A Barata  Micrônic'As Baratas


A FÁBULA DO PEQUENO PINTO AMARELO, DA GRANDE CADELA BRANCA E DA PEQUENA GATA COR-DE-ROSA (OU: UMA HISTÓRIA DE MERDA)
Barata Cichetto
Era uma vez um dia, para ser mais exato uma noite escura e fria, em que um Pequeno Pinto Amarelo, congelando piava da dor que o frio e solidão lhe causavam. Mas o Pequeno Pinto Amarelo ainda nem podia imaginar o que o futuro reservara.

Em um dado momento uma Grande Cadela Branca com pintas nas pernas, caminhando com graça e doçura chegou perto. O Pequeno Pinto sentiu-se feliz, pois teria companhia e calor e ergueu-se todo, feliz. Mas a Grande Cadela Branca chegou perto e soltou uma bela cagada sobre o Pequeno Pinto Amarelo e depois de alguns latidos, saiu andando afim de fazer suas cagadas pelos parques e postes da cidade, talvez cagando sobre outros pequenos pintos amarelos.

O Pequeno Pinto Amarelo primeiro muito incomodado com o cheiro da bosta e indignado com a atitude da Grande Cadela Branca, começou a sentir-se bem, pois o calor da merda aquecia seu corpinho e seu espírito congelados. Aos poucos foi sentindo-se bem acomodado, até que começou a piar, ninguém sabe se de tristeza pela acomodação á merda ou de alegria por estar aquecido do frio que seu corpo e seu espírito sentiam.

Nesse momento entra em cena a ardilosa Pequena Gata Cor-de-Rosa, uma gata angorá, raça felina ferina, sempre com seu rabo empinado. O monte de merda piante chama a atenção da Pequena Gata Cor-de-Rosa e ela logo deduz, usando seu instinto felino e selvagem que ali se esconde um lauto jantar. Lambe sensualmente os lábios pintados de batom cor-de-rosa e sofregamente revolve o monte de merda, descobrindo nosso Pequeno Pinto Amarelo, que de asas abertas está pronto a agradecê-la por ter sido retirado da merda.

Mas nosso Anti-Herói, o Pequeno Pinto Amarelo, nem tem tempo de dar um pio sequer, pois a Pequena Gata Cor-de-Rosa com uma pinta na perna direita, pequenas patas e uma cicatriz na testa o engole em uma só bocada e depois sai abanando o rabo a procura de outros montes de merda que escondem outros belos e suculentos pequenos pintos amarelos, ou, quem sabe, outras Grandes Galinhas Douradas.

Moral da História: Nem todo mundo que lhe põe na merda é seu inimigo; nem todo mundo que lhe tira da merda te ama. E principalmente, mesmo quando estiver na merda não dê um pio, fique de bico calado.

Adaptado de uma antiga fábula urbana que circulava datilografada pelos escritórios e botecos, por Luiz Carlos Cichetto
1/2/2006
Registro no E.D.A. da F.B.N. : 513.628 - Livro 973 - Livro 474

"O Amor é a Compensação da Morte"
“Blowin In The Wind” ou: O Destino do Planeta Por Um Fio
11 de Setembro – Parte 1
11 de Setembro – Parte 2
111
154 Vidas de Terceiro Mundistas São o Preço de 5 Vidas Imperialistas
1984 é Hoje
1990 - Projeto Salvaterra
1º. Manifesto d'As Baratas
2107 - Uma Reflexão Sobre Representação da Realidade
A Aldeia de Adoniran
A Chave da Liberdade
A Classe dos Idiotas
A Droga do Amor
A Esperança é Uma Cadela Manca
A Fábula do Pequeno Pinto Amarelo, da Grande Cadela Branca e da Pequena Gata Cor-de-Rosa (Ou: Uma História de Merda)
A Grande Teia
A Injeção de Bíblia do Puxa-Saco
A Liberdade Tem Gosto de Cynar
A Língua do P
A Nojenta Arte de Enganar Qualquer Um
A Pequena História de Um Príncipe Desencantado e da Pequena Princesa
A Queda da Bastilha
A Síndrome da Assepsia
A Superioridade dos Artistas
A Verdade Não Exótica Sobre CDs de Vinil
A Volta dos Vampiros
Abaixa o Som, Porra!
Abortando a Folha de São Paulo
Acabou a Festa do Latino
Acorde!!!!
Acordo de Cavalheiros
Ainda a Vontade de Morrer
Alô! Terezinha!!!!!!!! Vai Para o Inferno Ou Não Vai?????
Alucinação
Amor? Nem de Mãe!
Ande na Linha!
Aos Pedaços...
Apenas Baratas
As Mulheres Que Eu Comi
Autobiografia Não Autorizada de Luiz Carlos Cichetto
Auto-Entrevista
Barata no Radar Cultura, com a Banda Pedra
Barata Tonta é a Mãe!
BBB - Big Brother Barata - 1ª Parte
BBB - Big Brother Barata - 2ª Parte
BBB - Big Brother Barata - 3ª Parte
Born In 1958
Brasileirinho
Cabeça de Barata
  Mais Crônicas >

1958 1990 1997 1998 1999 2000 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013 2014 2015 2016 2017 2018

CONHEÇA NOSSOS PARCEIROS

 

(11) 96358-9727

A Barata - O Site

A Barata Ao Vivo

Amigos & Livros

A Arca do Barata

Arquivos Abertos

Artesanato

As Faces d'O Corvo
Augusto dos Anjos

Ataraxia

Barata Cichetto, Quem É?

Barata Rocker

Biografi'As Baratas

Camisetas

Cinematec'A Barata

Coletâneas de Rock

Colunas Antigas
Conte Comigo, Conte Pra Mim
Contos d'A Barata
Convergências
Crom

Crônic'As Baratas

Depoimentos

Des-Aforismos Poéticos Baratianos

Discoteca d'A Barata

Download Free

Ensaios Musicais

Entrevist'As Baratas

Eventos

Facebookianas
Fal'A Barata!
Fotos
Gatos & Alfaces
Kakerlak Doppelgänger
Livrari'A Barata
Livros
Madame X
Memória A Barata
Micrônic'As Baratas

Na Mídia

O Anjo Venusanal
Pinturas
Pi Ao Quadrado

Poesi'a Barata

Ponto de Fuga
Pornomatopéias
PQP - Puta Que Pariu
Projeto Sangue de Barata
Psychotic Eyes
Renato Pop
Resenhas

Retratos e Caricaturas

Revist'A Barata Digital

Revist'A Barata

Seren Goch: 2332

Sub-Versões

Tublues

Versus

Videos

Vitória

Webradio

Todos os textos, exceto quando indicados, são de autoria de Luiz Carlos Giraçol Cichetto, nome literário Barata Cichetto, e foram registrados na Fundação Biblioteca Nacional. Não é permitida a publicação em nenhum meio de comunicação sem a prévia autorização do autor, bem como o uso das marcas "A Barata" e "Liberdade de Expressão e Expressão de Liberdade". Lei de Direitos Autorais: 9610/98.

 On Line

Política de Privacidade

Free counter users online