(16) 99248-0091

Apóie a continuidade deste trabalho, totalmente independente desde 1997. Saiba como participar clicando na imagem ao lado.

1958 1990 1997 1998 1999 2000 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013 2014 2015 2016 2017 2018

 Arca do Barata Cinematec'A Barata Contos Crônicas  Entrevistas  Facebookianas  Fal'A Barata! Livrari'A Barata  Micrônic'As Baratas Prefácios & Editoriais


A SÍNDROME DA ASSEPSIA
Barata Cichetto
Aqueles e aquelas acima dos quarenta anos hão de lembrar, o quanto éramos porcos e sujos. Afinal, brincamos correndo pelos matos, andamos descalços, com pedaços de madeira e com as mãos nuas cavamos cavernas em barrancos. Nossas unhas das mãoes e dos pés eram pretas de terra. Nosso futebol era em terrenos baldios cheios de sujeiras e perigos. Ou na rua mesmo, onde ao passar um pedestre o jogo era parado. Carros e seus motoristas esperavam que a gente batesse aquele pênalti. Nossos pés encardidos, depois corriam pro abraço, comemorando o gol. Éramos sujos, encardidos e imundos, mas felizes e verdadeiros.

Descalços, íamos às chácaras comprar verduras para o almoço, geralmente de um japonês que regava a plantação com água do córrego ao lado e usava botas de borracha lambuzadas de bosta de porco. À noite pulávamos a cerca de arame farpado para roubar goiabas do tal japonês. E as comíamos ali mesmo, feito passarinhos. Sem lavar... E com bicho mesmo. Caralho, como nós éramos porcos! Imundos... Ah, mas como nós éramos felizes.

Não tínhamos nenhum problema com isso, porque nossa preocupação era com a vida e com a felicidade. Preocupava-nos em termos e sermos amigos. Em regra não tínhamos problemas de infecções causadas por nossos hábitos. Éramos sujos, porcos e imundos. Mas éramos saudáveis. Corpo saudável, mas principalmente nossas mentes eram mais sadias porque tínhamos sonhos, acreditávamos mais na humanidade. O couro comia com a ditadura porque eram os Anos de Chumbo, em que militares queriam transformar o país em um grande e asséptico quartel. Mas ainda assim, acreditávamos uns nos outros e nossa fé era nas pessoas e no futuro. Éramos crianças sujas, encardidas, imundas. Mas, principalmente, éramos crianças!

Então crescemos. E o fizemos quase sem Televisão, sem Vídeo-Game, sem esterilizar nossas mentes. Crescemos. Sujos e imundos, mas crescemos e nos tornamos adolescentes. Então nos sujamos muito indo em puteiros de quinta onde conseguíamos nossos maiores troféus: gonorréia. Uma doença imunda, porca e nojenta. Doença de putas. Uma dose de penilicina e pronto. Transávamos sem camisinha e gozávamos a valer. Nosso desejo não era plastificado nem esterilizado. Credo! Éramos tão sujos a ponto de não nos importarmos em pegar gonorréia! Ah, como nós éramos imundos! Ah, mas éramos felizes, porque não tínhamos nojo das putas.

Agora entretanto somos adultos. O mundo não acabou na virada do milênio e estamos ai, perto, pouco acima ou abaixo, dos cinqüenta. Como conseguimos sobreviver, estarmos vivos depois de vivermos tanta porquice? Tanta imundice? É... Como conseguimos sobreviver a pés descalços na terra, unhas encardidas, goiabas com bicho, gonorréia, putas e sexo sem camisinha? O fato é que conseguimos viver e sobreviver porcos, sujos, imundos, mas com nossas consciências limpas porque éramos verdadeiros e humanos.

Quantas bactérias podem ser transmitidas ao falarmos em um telefone? Quantos vírus existem num espirro? Quanto ácaro existe em um tapete? Esterilize! Filtre! Álcool, éter, formol... Tudo asséptico, higiênico, limpo, muito limpo, limpíssimo e ultra limpo. Tudo plástico! Loucura hoje é falar em sexo sem camisinha. “Meu prazer agora é risco de vida.” Tudo contamina e está contaminado. Até tecido à prova de bactérias já criaram! Tudo tem que ser limpo, bonito e rápido. Mas onde existe humanidade e calor nisso? Tudo isso é muito frio! Não existe humanidade, não existe verdade, não existe sinceridade. Só existe limpeza, plasticidade e praticidade. Onde anda a felicidade?

A Síndrome de Assepsia que domina a humanidade é fruto ou semente da AIDS? Foi a partir da AIDS que se desenvolveu a Síndrome? Ou ela foi criada para dar suporte, digamos científico à esterilização? Não desacredito de uma tática nazista que criaria e usaria uma doença com firmes propósitos de tornar a humanidade mais “limpa”. Mais que a pureza racial tramada pelo Nazismo de Hitler, essa assepsia a que pretendem nos levar com a desculpa de termos uma vida “mais saudável”, enseja todo um mecanismo de dominação, bem maior que todas as outras barbaridades engendradas por doentias mentes de poderosos.

Quanto a mim, prefiro um mundo mais sujo, mas mais humano. Mais porco, mas mais verdadeiro. Mais imundo, mas mais sincero. Prefiro amores sujos à solidão limpa. Prefiro unhas sujas de terra à atrofiadas por teclados de computadores e vídeo-games. Não quero uma sociedade asséptica, que não convive e não ama por medo de contaminação.


17/8/2007
Registro no E.D.A. da F.B.N. : 513.628 - Livro 973 - Livro 474
"O Amor é a Compensação da Morte"
“Blowin In The Wind” ou: O Destino do Planeta Por Um Fio
11 de Setembro – Parte 1
11 de Setembro – Parte 2
111
154 Vidas de Terceiro Mundistas São o Preço de 5 Vidas Imperialistas
1984 é Hoje
1990 - Projeto Salvaterra
1º. Manifesto d'As Baratas
2107 - Uma Reflexão Sobre Representação da Realidade
A Aldeia de Adoniran
A Chave da Liberdade
A Classe dos Idiotas
A Droga do Amor
A Esperança é Uma Cadela Manca
A Fábula do Pequeno Pinto Amarelo, da Grande Cadela Branca e da Pequena Gata Cor-de-Rosa (Ou: Uma História de Merda)
A Grande Teia
A Injeção de Bíblia do Puxa-Saco
A Liberdade Tem Gosto de Cynar
A Língua do P
A Nojenta Arte de Enganar Qualquer Um
A Pequena História de Um Príncipe Desencantado e da Pequena Princesa
A Queda da Bastilha
A Síndrome da Assepsia
A Superioridade dos Artistas
A Verdade Não Exótica Sobre CDs de Vinil
A Volta dos Vampiros
Abaixa o Som, Porra!
Abortando a Folha de São Paulo
Acabou a Festa do Latino
Acorde!!!!
Acordo de Cavalheiros
Ainda a Vontade de Morrer
Alô! Terezinha!!!!!!!! Vai Para o Inferno Ou Não Vai?????
Alucinação
Amor? Nem de Mãe!
Ande na Linha!
Aos Pedaços...
Apenas Baratas
As Mulheres Que Eu Comi
Autobiografia Não Autorizada de Luiz Carlos Cichetto
Auto-Entrevista
Barata no Radar Cultura, com a Banda Pedra
Barata Tonta é a Mãe!
BBB - Big Brother Barata - 1ª Parte
BBB - Big Brother Barata - 2ª Parte
BBB - Big Brother Barata - 3ª Parte
Born In 1958
Brasileirinho
Cabeça de Barata
Mais Crônicas >

(16) 99248-0091

A Barata - O Site

A Barata Ao Vivo

Amigos & Livros

A Arca do Barata

Arquivos Abertos

Artesanato

As Faces d'O Corvo
Augusto dos Anjos

Ataraxia

Barata Cichetto, Quem É?

Barata Rocker

Biografi'As Baratas

Camisetas

Cinematec'A Barata

Coletâneas de Rock

Colunas Antigas
Conte Comigo, Conte Pra Mim
Contos d'A Barata
Convergências
Crom

Crônic'As Baratas

De Poeta a Poeta

Depoimentos

Des-Aforismos Poéticos Baratianos

Discoteca d'A Barata

Download Free

Ensaios Musicais

Entrevist'As Baratas

Eventos

Facebookianas
Fal'A Barata!
Fotos
Gatos & Alfaces
Kakerlak Doppelgänger
Livrari'A Barata
Livros
Madame X
Memória A Barata
Micrônic'As Baratas

Na Mídia

O Anjo Venusanal
Pinturas
Pi Ao Quadrado

Poesi'a Barata

Ponto de Fuga
Pornomatopéias
PQP - Puta Que Pariu
Prefácios & Editoriais
Projeto Sangue de Barata
Psychotic Eyes
Renato Pop
Resenhas

Retratos e Caricaturas

Revist'A Barata Digital

Revist'A Barata

Seren Goch: 2332

Sub-Versões

Tublues

Versus

Videos

Vitória

Webradio

Todos os textos, exceto quando indicados, são de autoria de Luiz Carlos Giraçol Cichetto, nome literário Barata Cichetto, e foram registrados na Fundação Biblioteca Nacional. Não é permitida a publicação em nenhum meio de comunicação sem a prévia autorização do autor, bem como o uso das marcas "A Barata" e "Liberdade de Expressão e Expressão de Liberdade". Lei de Direitos Autorais: 9610/98.
 On Line

Política de PrivacidadeFree counter users online