(11) 96358-9727

 

1958 1990 1997 1998 1999 2000 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013 2014 2015 2016 2017 2018

 

 Arca do Barata Cinematec'A Barata Contos Crônicas  Entrevistas  Facebookianas  Fal'A Barata! Livrari'A Barata  Micrônic'As Baratas


AMOR? NEM DE MÃE!
Barata Cichetto
Sinceramente, não quero ser do contra, nem quero pregar o caos e a desordem. Mas não acredito nos chamados "sentimentos puros" da humanidade. A espécie humana foi derrotada pelos seus sentimentos, incluindo aqueles que são chamados "puros". Aliás, uma coisa "pura" não significa exatamente, ao contrário do senso comum, uma coisa "boa". Puro significa que não tem misturas e impurezas. É, não consultei o dicionario, mas não tenho nenhuma dúvida do sentido da palavra. Acaso esteja cometendo algum crime contra a língua, comuniquem.

Mas o quero falar neste artigo é sobre a questão de eu não acreditar em sentimentos "puros". Eles não existem. Sentimento puro seria aquele sem contaminação de interesses outros, como dinheiro, poder, posição de destaque, essas coisas... E não tenho nenhum conhecimento de tanta "pureza". Em realidade, o único sentimento humano puro, porque é real e por si só não se mistura com os outros é algo chamado hipocrisia. A culpa é caminho, a mídia que faz com que sentimentos hipócritas e mesquinhos sejam confundidos com amor. Ah, a pena também!

Eu não quero realmente aquilo que chamam de amor, porque a mim sempre foi sinônimo de dor, rima pobre, mas rica realidade. Tesão não é amor, pena não é amor, compaixão não é amor, culpa não é amor, hipocrisia não é amor, desejo não é amor. Enfim nada é amor, e o amor portanto não existe. Que outro sentimento "puro" resta? O chamado "amor de mãe"? Ora, esse é o pior, porque é o mais hipócrita. Não derrame lágrimas, nem peça perdão. Porque lágrimas sãoi hipocrisias e o perdão não existe. Perdão é um conceito estúpido e mentiroso que esses religiosos estúpidos e mentirosos colocaram na sua cabeça.

Aguardem as cenas dos próximos capítulos, mas a realidade nunca passou na TV, não existe amor, essa é que é a verdade, não caiam nessa! Não se enganem com sentimentos mentirosos e hipócritas. Qualquer médico idiota sabe porque o coração bate mais forte quando a gente se sente amando. Não existe nada além de carne, ossos e sangue. Não existe nada além de vida e morte, no sentido estrito e lógico. Estamos vivos e ponto. Vamos morrer e ponto! E acabou!

Arrisco agora um exercício de silogismo: O Amor é Deus/Deus Não Existe? Portanto o Amor Não Existe!... E sou capaz de brincar com silogismos semelhantes, jogando sempre com essas questões, mas chegando sempre a mesma conclusão: nem Deus nem o Amor existem. Interessante é pensar que quando são atribuidas definições sobre o Demônio, que seria o antônimo ou a antítese de Deus, nunca é usado o antônimo de Amor que seria Ódio. A ele são atribuídas definições como Luxúria, Pecado, Traição e muitas outras, menos ódio. Como se a palavra Amor fosse algo tão ligado á Deus que nem sequer o seu antônimo seria dado ao seu antagonista. A ausência do tal Amor, entretanto não significa que sobre apenas seu antônimo. Não acredito em Deus, mas nem no Demônio. Portanto não acredito no Amor, mas não creio no Ódio. É como Bem e Mal... Definições religiosas adotadas pelos outros sistemas de controle humano. Enfim, apenas métodos de dominação.

Eu não quero telefonemas de perdão, não quero lágrimas falsas, não quero sorrisos marotos, não quero pedidos de clemência, não quero desejos nem beijos, não quero cheiros nem odores, não quero abraços nem apertos de mão. Apenas não quero sentimentos mentirosos e hipócritas. Acaso eu esteja morrendo à mingua, deixe que eu apodreça, não finja um amor que não sente. Esqueça o número do meu telefone, nao procure meu endereço e não chore por mim. Porque eu não choro por ninguém. Secou!

Eu sou um sonho ruim e sei que nunca irá acordar. Não perca a oportunidade! Estou farto de falsidade, de mentira, de traição. EScuto uma música ao longe e sei que existe uma festa, que eu fui chamado. Não fui. Alguém sente falta de mim? Quando eu acabar não irá sobrar pedra sobre pedra, tijolo sobre tijolo. Montanhas de falsidade serão transformadas em poeira. Ao espaço com a poeira cósmica. Não chore, não grite, não responda!
16/9/2007
Registro no E.D.A. da F.B.N. : 513.628 - Livro 973 - Livro 474

"O Amor é a Compensação da Morte"
“Blowin In The Wind” ou: O Destino do Planeta Por Um Fio
11 de Setembro – Parte 1
11 de Setembro – Parte 2
111
154 Vidas de Terceiro Mundistas São o Preço de 5 Vidas Imperialistas
1984 é Hoje
1990 - Projeto Salvaterra
1º. Manifesto d'As Baratas
2107 - Uma Reflexão Sobre Representação da Realidade
A Aldeia de Adoniran
A Chave da Liberdade
A Classe dos Idiotas
A Droga do Amor
A Esperança é Uma Cadela Manca
A Fábula do Pequeno Pinto Amarelo, da Grande Cadela Branca e da Pequena Gata Cor-de-Rosa (Ou: Uma História de Merda)
A Grande Teia
A Injeção de Bíblia do Puxa-Saco
A Liberdade Tem Gosto de Cynar
A Língua do P
A Nojenta Arte de Enganar Qualquer Um
A Pequena História de Um Príncipe Desencantado e da Pequena Princesa
A Queda da Bastilha
A Síndrome da Assepsia
A Superioridade dos Artistas
A Verdade Não Exótica Sobre CDs de Vinil
A Volta dos Vampiros
Abaixa o Som, Porra!
Abortando a Folha de São Paulo
Acabou a Festa do Latino
Acorde!!!!
Acordo de Cavalheiros
Ainda a Vontade de Morrer
Alô! Terezinha!!!!!!!! Vai Para o Inferno Ou Não Vai?????
Alucinação
Amor? Nem de Mãe!
Ande na Linha!
Aos Pedaços...
Apenas Baratas
As Mulheres Que Eu Comi
Autobiografia Não Autorizada de Luiz Carlos Cichetto
Auto-Entrevista
Barata no Radar Cultura, com a Banda Pedra
Barata Tonta é a Mãe!
BBB - Big Brother Barata - 1ª Parte
BBB - Big Brother Barata - 2ª Parte
BBB - Big Brother Barata - 3ª Parte
Born In 1958
Brasileirinho
Cabeça de Barata
  Mais Crônicas >

1958 1990 1997 1998 1999 2000 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013 2014 2015 2016 2017 2018

CONHEÇA NOSSOS PARCEIROS

 

(11) 96358-9727

A Barata - O Site

A Barata Ao Vivo

Amigos & Livros

A Arca do Barata

Arquivos Abertos

Artesanato

As Faces d'O Corvo
Augusto dos Anjos

Ataraxia

Barata Cichetto, Quem É?

Barata Rocker

Biografi'As Baratas

Camisetas

Cinematec'A Barata

Coletâneas de Rock

Colunas Antigas
Conte Comigo, Conte Pra Mim
Contos d'A Barata
Convergências
Crom

Crônic'As Baratas

Depoimentos

Des-Aforismos Poéticos Baratianos

Discoteca d'A Barata

Download Free

Ensaios Musicais

Entrevist'As Baratas

Eventos

Facebookianas
Fal'A Barata!
Fotos
Gatos & Alfaces
Kakerlak Doppelgänger
Livrari'A Barata
Livros
Madame X
Memória A Barata
Micrônic'As Baratas

Na Mídia

O Anjo Venusanal
Pinturas
Pi Ao Quadrado

Poesi'a Barata

Ponto de Fuga
Pornomatopéias
PQP - Puta Que Pariu
Projeto Sangue de Barata
Psychotic Eyes
Renato Pop
Resenhas

Retratos e Caricaturas

Revist'A Barata Digital

Revist'A Barata

Seren Goch: 2332

Sub-Versões

Tublues

Versus

Videos

Vitória

Webradio

Todos os textos, exceto quando indicados, são de autoria de Luiz Carlos Giraçol Cichetto, nome literário Barata Cichetto, e foram registrados na Fundação Biblioteca Nacional. Não é permitida a publicação em nenhum meio de comunicação sem a prévia autorização do autor, bem como o uso das marcas "A Barata" e "Liberdade de Expressão e Expressão de Liberdade". Lei de Direitos Autorais: 9610/98.

 On Line

Política de Privacidade

Free counter users online