(16) 99248-0091

Apóie a continuidade deste trabalho, totalmente independente desde 1997. Saiba como participar clicando na imagem ao lado.

1958 1990 1997 1998 1999 2000 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013 2014 2015 2016 2017 2018

 Arca do Barata Artigos Cinematec'A Barata Contos Crônicas  Entrevistas  Facebookianas  Fal'A Barata! Livrari'A Barata  Micrônic'As Baratas Prefácios & Editoriais


AOS PEDAÇOS...
Barata Cichetto
Uma fábula, escrita por Slavoj Zizek, filósofo e teórico crítico esloveno, nascido em 1949) nos conta: "Um operário alemão consegue um emprego na Sibéria; sabendo que toda correspondência será lida pelos censores, ele combina com os amigos: “vamos combinar um código: se uma carta estiver escrita em tinta azul, o que ela diz é verdade; se estiver escrita em tinta vermelha, tudo é mentira.” Um mês depois, os amigos recebem uma carta escrita em tinta azul: “Tudo aqui é maravilhoso: as lojas vivem cheias, a comida é abundante, os apartamentos são grandes e bem aquecidos, os cinemas exibem filmes do Ocidente, há muitas garotas prontas para um programa. O único senão é que não se consegue encontrar tinta vermelha”. E eu analiso, com as cores da modernidade: Portanto que se escreva a mentira na cor da verdade, já que a cor da mentira não está disponível...
----------------------
Conheci todas as putas da Aurora, Andradas e da Praça do Correio, depois mijei na estátua de Álvares no colégio da Praça da República e passei a mão na bunda gorda da Mãe Preta do Largo do Paissandu. Comi muita puta embaixo da estátua à cavalo do Duque de Caxias e caguei de diarréia no Palacete Matarazzo, antes de ser da Prefeitura. E foi tanta merda que o cheiro era sentido até na Rua Santa Ifigênia. Bombas caindo sobre as cabeças. Na hora H, a bomba Humana. Chamem o médico, o dentista e o padeiro. Doutora, ontem doeu muito meu coração, porque não existe a poesia, apenas destruição. A mesma arma que destrói a terra, destrói a poesia, aniquila a compaixão. Então tragam o médico, o dentista... e o poeta. Doem meus dentes, não tenho mais lar e a poesia sob escombros grita mais alto, pois sua dor é a minha e a dela é dor de morte. Espero que além de mim ela tenha melhor sorte.
----------------------
Um dia, há mais de trinta anos, recebi uma carta. E ela dizia, a respeito do meu livro mimeografado: "Eu não acredito em arte pobre!" Junto a ela, num envelope cheirando alabastro (ou seria almíscar?) uma revista bem impressa, papel couchê e etc... Doeu tudo. E eu não acreditava mais em arte pobre, impressa em mimeógrafo à álcool. Fudeu tudo. Ai casei e deixei por um tempo a poesia de lado. Aí fudeu tudo! Eu não acreditava mais em arte pobre, nem em arte rica e nem em porra de arte nenhuma. Comecei a escrever poesia a lápis: era mais fácil de apagar. E entregar à uma esposa que nunca lia. Era mais fácil de apagar, também... Então.. Apaguei tudo. Era mais fácil apagar tudo. E aí fudeu! Fudeu tudo e fui meter! E meti muito, bebi pra caralho e o fato é que eu não acreditava mais em pobre, nem em arte. Nem em porra nenhuma que cheirasse a almíscar, alabastro, esperma, álcool.. Nada. porra nenhuma!
----------------------
Guerra não é bonita, nem com trilha sonora dos Rolling Stones. Quero ser cremado e junto com meu corpo minha poesia. Ejaculo sangue com prazer. E meu prazer não é o sangue que agora venho lhe trazer. O silêncio eterno da morte, sem deuses, sem pecados e sem dor. Lembro das cores, esqueço das dores. Detesto a modernidade que transforma todos em artistas, nasci antes da tecnologia que plastificou a humanidade e sobrevivo à bomba e a invasão de virus de computador. Tenho uma máquina de escrever, caneta e a eternidade e não nasci com Internet e ainda sei escrever à mão livre. "Liberdade...abra as asas sobre nós." Asas da liberdade?? Ou da fuga? É a mesma coisa, a busca pela liberdade é uma fuga? Icaro em noite de gala. A noite todos os Ícaros são pardos... ou se despem da vaidade. A noite todos os Ícaros são pardos... ou se despem da vaidade. Fugir? É... não há para onde... a não ser para dentro de mim mesmo.. Mas lá é pior.. É um lugar estranho, escuro, sombrio. Uma viagem sem volta.
----------------------
Acho que deveríamos criar um local, mesmo que imaginário, em resposta à Casa das Rosas. Seria a Casa dos Espinhos, numa mansão assombrada. Nada de uma mansão no lugar mais caro do Brasil, mantido com dinheiro publico para servir de palácio à burguesia da poesia. E como dizia Cazuza, mesmo sendo ele também um burguês: "a burguesia fede!"...


15/5/2013
Registro no E.D.A. da F.B.N. :
"O Amor é a Compensação da Morte"
“Blowin In The Wind” ou: O Destino do Planeta Por Um Fio
11 de Setembro – Parte 1
11 de Setembro – Parte 2
111
154 Vidas de Terceiro Mundistas São o Preço de 5 Vidas Imperialistas
1984 é Hoje
1990 - Projeto Salvaterra
1º. Manifesto d'As Baratas
2107 - Uma Reflexão Sobre Representação da Realidade
A Aldeia de Adoniran
A Chave da Liberdade
A Classe dos Idiotas
A Droga do Amor
A Esperança é Uma Cadela Manca
A Fábula do Pequeno Pinto Amarelo, da Grande Cadela Branca e da Pequena Gata Cor-de-Rosa (Ou: Uma História de Merda)
A Grande Teia
A Injeção de Bíblia do Puxa-Saco
A Liberdade Tem Gosto de Cynar
A Língua do P
A Nojenta Arte de Enganar Qualquer Um
A Pequena História de Um Príncipe Desencantado e da Pequena Princesa
A Queda da Bastilha
A Síndrome da Assepsia
A Superioridade dos Artistas
A Verdade Não Exótica Sobre CDs de Vinil
A Volta dos Vampiros
Abaixa o Som, Porra!
Abortando a Folha de São Paulo
Acabou a Festa do Latino
Acorde!!!!
Acordo de Cavalheiros
Ainda a Vontade de Morrer
Alô! Terezinha!!!!!!!! Vai Para o Inferno Ou Não Vai?????
Alucinação
Amor? Nem de Mãe!
Ande na Linha!
Aos Pedaços...
Apenas Baratas
As Mulheres Que Eu Comi
Autobiografia Não Autorizada de Luiz Carlos Cichetto
Auto-Entrevista
Barata no Radar Cultura, com a Banda Pedra
Barata Tonta é a Mãe!
BBB - Big Brother Barata - 1ª Parte
BBB - Big Brother Barata - 2ª Parte
BBB - Big Brother Barata - 3ª Parte
Born In 1958
Brasileirinho
Cabeça de Barata
Mais Crônicas >

(16) 99248-0091

A Barata - O Site

A Barata Ao Vivo

Amigos & Livros

A Arca do Barata

Arquivos Abertos

Artesanato

Artigos
As Faces d'O Corvo
Augusto dos Anjos

Ataraxia

Barata Cichetto, Quem É?

Barata Rocker

Biografi'As Baratas

Camisetas

Cinematec'A Barata

Coletâneas de Rock

Colunas Antigas
Conte Comigo, Conte Pra Mim
Contos d'A Barata
Convergências
Crom

Crônic'As Baratas

De Poeta a Poeta

Depoimentos

Des-Aforismos Poéticos Baratianos

Discoteca d'A Barata

Download Free

Ensaios Musicais

Entrevist'As Baratas

Eventos

Facebookianas
Fal'A Barata!
Fotos
Gatos & Alfaces
Kakerlak Doppelgänger
Livrari'A Barata
Livros
Madame X
Memória A Barata
Micrônic'As Baratas

Na Mídia

O Anjo Venusanal
Pinturas
Pi Ao Quadrado

Poesi'a Barata

Ponto de Fuga
Pornomatopéias
PQP - Puta Que Pariu
Prefácios & Editoriais
Projeto Sangue de Barata
Psychotic Eyes
Renato Pop
Resenhas

Retratos e Caricaturas

Revist'A Barata Digital

Revist'A Barata

Seren Goch: 2332

Sub-Versões

Tublues

Versus

Videos

Vitória

Webradio

Todos os textos, exceto quando indicados, são de autoria de Luiz Carlos Giraçol Cichetto, nome literário Barata Cichetto, e foram registrados na Fundação Biblioteca Nacional. Não é permitida a publicação em nenhum meio de comunicação sem a prévia autorização do autor, bem como o uso das marcas "A Barata" e "Liberdade de Expressão e Expressão de Liberdade". Lei de Direitos Autorais: 9610/98.
 On Line

Política de PrivacidadeFree counter users online