Arca do Barata Contos d'A Barata Crônic'As Baratas Entrevist'As Baratas Fal'A Barata!Micrônic'As Baratas + Resenhas de Filmes + Resenhas de Livros +

Ricardo Alpendre

RICARDO ALPENDRE
Tomada e Jardim Elétrico Discos
Luiz Carlos "Barata" Cichetto
barata.cichetto@gmail.com

Ricardo Alpendre, vocal da banda Toma e dono da Jardim Elétrico Discos

Barata - Ricardo, fala um pouco da sua banda, o Tomada. Como surgiu, a quantas anda e qual é a proposta musical. é uma banda "elétrica"?. Por que o nome "Tomada"?

Ricardo - O Tomada tá na estrada desde o final de 2000, quando o Pepe (Marcelo Bueno, baixista), Fernando Conde e Pedrinho Ayoub quiseram continuar um trabalho após a saída so Marcello Schevano que foi para a Patrulha do Espaço. Teve um cantor chamado Rodrigo, mas com essa formação só fizeram um show. Logo depois eu entrei na banda. Lembro-me que foi no carnaval de 2001. Aí houve algumas mudanças de formação. O time atual vai gravar junto pela primeira vez, no terceiro álbum do Tomada. Elétrica, sim senhor! E o nome veio quando o Pedrinho jogou essa palavra, na mesa do bar, naquelas intermináveis tentativas de se achar um nome pra uma banda.

Barata - Conta pra gente sobre sua loja de discos, a Jardim Elétrico. Qual é a proposta da loja, como surgiu e qual é a especialidade?

Ricardo - Eu e meu irmão, Sérgio, montamos a loja pela primeira vez na Augusta, numa galeria super legal, jeitosinha, mas que infelizmente não entrava muita gente. Perto do CineSesc. A proposta sempre foi vender música boa, de qualquer época, embora tenhamos, não uma especialização, mas uma predominância de rock, e sem a preocupação com os lançamentos. Gostamos mesmo é de trabalhar com LPs e CDs usados.

Barata - Aliás, é apenas coincidência: "Tomada", "Jardim Elétrico"? Tens alguma obsessão com eletricidade? És um camarada "elétrico"?

Ricardo - Hehehe! Pura coincidência...

Barata - Porque e onde surgiu sua alcunha de "Paul Rodgers Brasileiro"?

Ricardo - Eu canto rock por causa do Rogério Fernandes. Ouvi-lo nos bares cantando rock'n'roll foi o que mais me incentivou a levar a sério minha vocação de cantor, que era evidente mas eu não levava adiante. Todos nós gostamos do Paul Rodgers, é claro, mas a princípio minha influência por ele veio através do Rogério, que é um grande fã do cara. Fantástico Paul Rodgers! Um intérprete bem peculiar. As pessoas me associam um pouco demais ao estilo dele. Ainda bem que não tento imitá-lo. Nem a ele, nem a ninguém. Eu prefiro a versão do pessoal do Bar do Amadeu, que diz que eu sou o "Paul Rodgers Paraguaio", hehehehe! Se fosse para ser um seguidor de algum artista, eu queria ser mesmo é o Big Joe Turner Brasileiro.

Barata - Fala sobre seu gosto musical. Quen são seus ídolos, musicalmente falando. Em quem você se inspira para cantar.

Ricardo - Seleciono música pela qualidade, e não pelo estilo. Faço rock'n'roll e adoro isso. Digo com conhecimento de causa, porque sei do rock'n'roll original: o rhythm & blues e o Chuck Berry que o trouxe para o mercado multi-racial; o rockabilly e o Elvis que o urbanizou. E depois vem toda uma história e estilos de rock, que a gente tem que ouvir um pouco de tudo. Há uns dez anos eu tenho ouvido um cara que só hoje reconheço como uma influência fortíssima no meu canto: Louis Prima. Aliás ele e sua mulher, Keely Smith. Mas que peso teria minha opinião se eu não fosse conhecedor de outros gêneros musicais? Eu não tenho ídolo maior que Noel Rosa, por exemplo, e gosto muito do samba de verdade, da música brasileira antiga, Assis Valente, Ismael, Cartola...Ouço muito blues também, da antiga mesmo, lá dos anos trinta. Esses caras, sim! E hoje nós nos dizemos loucos... Também os chamados girl-groups dos anos 60, aquelas meninas fantásticas que fazem você se perguntar se não deveria ser proibido homem cantar.

Barata - O que acha que mudou na maneira de se fazer e ouvir Rock? Pra melhor ou pior?

Ricardo - O LSD e a sofisticação dos anos 60 tiraram muito da espontaneidadeo do intérprete de rock. Em contrapartida, passou a haver em maior quantidade os grandes músicos, entre cantores e instrumentistas. Depois do final dos anos 60, pra mim tudo é conseqüência das quatro décadas anteriores. Há muito boas conseqüências, que se diga. A forma de se ouvir? Sei lá... Eu tô preocupado com que me ouçam, hehehe!

Barata - Quais são seus projetos futuros, tanto da banda quanto da loja. Lançamentos de discos etc. A loja mudou a pouco para um novo local, quais suas espectativas.

Ricardo - No Tomada, estamos preparando o material para o terceiro CD. Talvez comecemos a gravar em breve. Tudo depende das nossas condições financeiras e de um eventual acerto com selos. Já a loja está em uma localização propícia para dar uma opção interessante a quem gosta de música. Somos em doze estabelecimentos voltados exclusivamente à música. E mais a loja da Re Joplin, estilista, com roupas e acessórios relacionados ao que estava em voga no período da Janis, enfim, daquela época da contracultura. É um ambiente legal este da Nova Barão. A expectativa que temos é tão boa quanto o mercado do disco permite. Ou seja: público restrito, é verdade, mas fiel e interessado.

Barata - Esse lance de violência e insegurança que anda muito forte. De que maneira isso o afeta, como ser humano, como cidadão e como artista?

Ricardo - Estamos todos perplexos, não é? Só penso em fazer, pelo menos, o mínimo que me cabe. Não posso ter medo de sair à rua. Ando nas ruas de São Paulo de madrugada e vou continuar fazendo isso, sim senhor. Como artista, tento extrair algo positivo, que é facilmente encontrado no povo.

Barata - Tem um lance, um movimento que vocês juntamente com outras bandas esquematizaram chamado de "Rock Popular Brasileiro", como é isso? É um movimento organizado? O que vocês pretendem?

Ricardo - Não sei quem veio primeiro com esse nome. Mas é uma boa denominação para um movimento cultural, que é o que, de qualquer forma, ja temos. Será um movimento organizado, e recuperaremos espaços que o artista perdeu ao longo dos últimos anos para a vitrola humana.

Barata - Agora, aquele lance: suas considerações finais, toques pra galera. Obrigado pela entrevista.

Ricardo - Muito obrigado aos que prestigiam o artista independente brasileiro, seja ele de rock ou qualquer outra forma de música popular. O Tomada está contribuindo em seu segmento, que é o Rock, com a cultura brasileira. Contamos muito com seu apoio.

Site Oficial do Tomada: www.tomada.czpublicidade.com
28/8/2006
Registro no E.D.A. da F.B.N. : -

(11) 96358-9727


Camisetas
Livros
Pinturas


A Barata - O Site
A Barata na Mídia
Barata Cichetto, Quem É?
Depoimentos
Fest'As Baratas
Fotos

Por Título
Por Livro
Por Data
Com Áudio
Musicados
Com Vídeo
Livros Impressos

A Barata Ao Vivo
Biografi'As Baratas
Discoteca d'A Barata
Ensaios Musicais
Coletâneas de Rock


Artesanato
Camisetas
Conte Comigo, Conte Pra Mim
Convergências
PQP - Puta Que Pariu
Pinturas
Sub-Versões
Videos
Webradio

Gatos & Alfaces
Pi Ao Quadrado
Revist'A Barata
Revist'A Barata Digital
Versus


Arca do Barata
Contos d'A Barata
Crônic'As Baratas
Entrevist'As Baratas
Fal'A Barata!
Micrônic'As Baratas
Resenhas de Filmes
Resenhas de Livros

Ataraxia
Crom
Kakerlak Doppelgänger
Madame X
O Anjo Venusanal
Ponto de Fuga
Pornomatopéias
Projeto Sangue de Barata
Psychotic Eyes
Renato Pop
Seren Goch: 2332
Tublues
Vitória

Todos os textos, exceto quando indicados, são de autoria de Luiz Carlos "Barata" Cichetto e registrados na Fundação Biblioteca Nacional. Não é permitida a publicação em nenhum meio de comunicação sem a prévia autorização do autor. Bem como o uso das marcas "A Barata" e "Liberdade de Expressão e Expressão de Liberdade".

 On Line:  62