(16) 99248-0091

Apóie a continuidade deste trabalho, totalmente independente desde 1997. Saiba como participar clicando na imagem ao lado.

1958 1990 1997 1998 1999 2000 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013 2014 2015 2016 2017 2018

O Corvo - Tradução: Benedito Lopes (1956 - Brasil)



Em certa noite, na hora que apavora,
Pensando em minha vida, tão sozinho,
Eu escutei do meu quarto, nessa hora,
Bater a porta bem devagarinho.
E da saudade que não tem melhora,
Sempre ferido pelo agudo espinho,
Eu quis saber depressa, sem demora,
Quem batia afinal, tão de mansinho.
Mesmo com sono e cheio de fadiga,
Absorto eu lia uma doutrina antiga,
Talvez irmã dos meus pungentes ais;
E nesse instante ouço de novo, aflito,
Bater à porta e, outra vez acredito,
Ter sido o vento, só e... nada mais.


...II
Era Dezembro... E eu bem me recordava
Desse que tinha encantos imortais.
De Leonora, que tudo deslumbrava
E que não mais a verei... nunca mais.
Noite glacial... Eu triste terminava
De reler essas laudas magistrais,
E cheio de saudade, inda escutava
Lá fora o vento, em uivos infernais.
Nessa desolação que tudo arrasa,
Da vetusta lareira eu assistia
Agonizar a derradeira brasa;
E ao passar dessas horas hibernais
Eu por Leonora ao céu inda pedia,
Só por Ela pedia... e nada mais.

III
Havia em tudo, tristemente havia
Um mistério sem par naquele instante;
O rumor das cortinas, o ondulante
Bailar do vento em minha alcova fria. —
Maior rumor e bem maior descante
Dentro da alma em tumultos eu sentia:
A saudade sem fim, alucinante,
A vida sem amor, sem alegria.—
Mas, dominar o medo procurando,
Quis saber de onde vinha àquela hora,
Esse estranho rumor de maus sinais;
E então, pela janela o céu olhando,
Que entre beijos de luz se descolora,
Somente vi a noite e... nada mais!

IV
Sentindo então minha alma já mais forte
E repousando de uma dor intensa,
Muito pouco pensava em minha sorte
E amava muito mais a minha crença.
Mas, cheio desse amor sem recompensa,
Eu disse no milagre de um transporte:
— Quem há de ser, que pela noite imensa,
Jamais tem medo de enfrentar a morte? —
E na saudade que não mais conforta,
Ouço bater de novo à minha porta,
Sem saber se Quem bate, vem de paz;
Ouço... E para de tudo Ter certeza,
A porta vou abrir, mas com surpresa,
Só vi a escuridão e... nada mais.

V
Leonora! Alongo o meu olhar cansado
Pela noite macabra que amedronta;
E teu nome de bênçãos perfumado,
Em minha boca súplice desponta.
Por teu amor, eterno enamorado,
Suporto de viver a grande afronta;
É teu nome o rosário imaculado
Que desfio infeliz, conta por conta!
Chamo-te! E a noite é calma e o céu é mudo,
Só o silêncio é que domina tudo,
Numa dança de sombras espectrais!
Leonora! Chamo-te na mágoa enorme
E não escuto uma voz, tudo dorme
Em santa paz, só isto e... nada mais.

VI
Ouço bem claro uma estranha pancada
Pelo meio da noite que se escoa;
Ouço-a e tenho a vida amargurada
Pela saudade dessa que foi boa.
Ouço aflito, que a mesma é secundada
Mais forte, como um pássaro que voa;
E sinto que uma coisa desusada
A noite imensa, lúgubre povoa.
E pensando dar calma ao coração,
Eu quis ter uma firme explicação
Para esses fatos sobrenaturais;
Abri a porta e nada vi de sério,
Vi que a simples razão desse mistério
Era o vento da noite e... nada mais.

VII
E assim, por essa grande noite aziaga,
Envolvida em silêncios sepulcrais,
Esse sussurro é a dolorida chaga
Que resta dos meus tristes ideais.
Ouço-o passar como passa uma praga,
De minha velha porta nos umbrais,
E sinto que minha alma chora e indaga
Por Essa que jamais verei... jamais.
Mas, do meu quarto, impressionado vejo
A janela que se abre e, uma ave aflita
Que o invade sem licença, em horas tais;
E interrogo na dor em que rastejo:
— De onde virá tão tarde, esta visita? —
E só o caos ouvi e... nada mais.

VIII
Ao pé do fogo, em cismas, eu pedia
Infeliz e a contar hora por hora,
Que a tristeza que tanto me agonia,
Da manhã, entre as névoas, fosse embora.
Mas de repente, pela noite fria,
Que sempre a tudo e a todos apavora,
No travo da saudade que sentia,
Um rumor de asas escutei lá fora.
E vi na extrema dor em que me absorvo,
Entrar pela janela um grande Corvo,
Com a pose dos nobres senhoriais;
E ao vê-lo andar sobre o busto de Palas
Pergunto: De que Reino tu te abalas?
E o hóspede só me olhou e... nada mais.

IX
Olho assombrado o negro mensageiro
Que deve conhecer minha desdita;
Interrogo-lhe o nome verdadeiro
E seu olhar o meu olhar não fita.
Na angústia em que meu sonho periclita
Sofro e pergunto-lhe outra vez: Primeiro,
Se é uma ""Lady", ou um "Lord" cavalheiro,
E depois a razão dessa visita.
Mas Ele, erguendo a exótica plumagem,
Nada me diz, enfim, sobre a mensagem
De uma quadra de amor e madrigais.
E então, meu coração pulsa com medo,
Pois ouvi-lo falar quase em segredo
Esta palavra cruel: nunca mais.

X
Atônito fiquei por um momento,
Ao compreender que o Corvo compreendia
A pergunta que em ânsias lhe fazia,
E a razão do meu grande sofrimento.
Por mais que intente, é falho o meu intento
Em aceitar até por fantasia,
Que uma ave saiba do meu pensamento
E me responda só com ironia.
Se sois humano, ó triste solitário!
Dizei-me em vosso atroz vocabulário,
A verdade de tudo que grasnais!
Mas Ele, altivo e sacudindo as plumas,
Olha da noite as regeladas brumas
E responde impassível: nunca mais.

XI
Fico em silêncio, quase que pasmado,
Ao ver que o Corvo zomba, com frieza,
De minha vida cheia de tristeza
E de meu lindo sonho malogrado.
Talvez por mau, ou então por esperteza,
Coisa alguma me diz, de olhar gelado;
Nada me diz e tenho a vida presa
Ao advérbio por Ele decorado.
Peço-lhe que me fale de Leonora,
Dessa que amei e que Rainha fora,
De encantos e sorrisos divinais;
E Ele, só tem nessa noite plutônica,
Um frio olhar para a minha alma agônica
E a resposta tremenda: nunca mais.

XII
Afinal, como houvesse já perdido
Afeições dedicadas e ridentes
Esperanças, ao Corvo, em bom sentido,
Perguntei por amigos e parentes.
Pela saudade quase consumido,
Supliquei-lhe entre lágrimas ardentes
Que algo dissesse, mesmo dolorido,
De minhas crenças já de há muito ausentes.
Mas vil Demônio, Pássaro, Profeta
Ou Náufrago de grande tempestade,
Não fez cessar a minha dor inquieta;
Só me disse com gestos desleais,
Com soberba altivez e atroz maldade,
Esta frase impiedosa: nunca mais!

XIII
Logo depois, pela resposta ouvida
E que me ofereceu ligeiro susto,
Quis decifrá-la por ser descabida
E para ser também humano e justo.
Disse comigo: A frase bem medida,
Sempre grasnada sem mexer o busto,
Talvez fosse aprendida, a muito custo,
De um Mestre castigado pela vida.
Assim eu fico sem saber, portanto,
Se essa resposta é o derradeiro canto
De funda mágoa e cóleras brutais;
Olho do Corvo o triste olhar sem brilho
E torno a ouvir este estranho estribilho
Por Ele repetido: nunca mais.

XIV
Teimoso eu quis enfim, mais uma vez
Saber do Corvo o lúgubre segredo;
E procedi com muita sensatez,
Para mostrar-lhe que não tinha medo.
Enfrentei-o com máxima altivez
Não sei se muito tarde ou muito cedo;
Mas Ele, alheio ao mal que já me fez,
É mudo e altivo assim como um rochedo.
Muito triste, à minha alma dar procuro,
Desse grasnar o sentido mais puro,
Que sangra como todos os punhais;
Mas de minha poltrona, a noite inteira,
Ouvi somente, ao lado da lareira,
O anátema implacável: nunca mais.

XV
Assim, depois de muito meditar
Sem o menor receio ou conjetura,
Sobre a poltrona me deixei ficar,
Para esquecer a minha desventura.
Era de fato grande o meu pesar
E bem maior a dor que me tortura;
Por saber que jamais hei-de encontrar
Essa que foi tão bela e foi tão pura.
Quis do Corvo o segredo desvendar,
Mas, nada pude ver no seu olhar,
Que era cheio de brilhos funerais;
E perdi, afinal, as esperanças
De beijar outra vez aquelas tranças
De que me lembro e... não se beijam mais.

XVI
Chego a sentir e quase me convenço
De que meu quarto fora perfumado
Por um turíbulo esparzindo incenso,
Talvez por Serafins, só baloiçando.
Chego a senti-lo e, num clamor suspenso,
A Deus imploro, já desesperado,
Repouso dar, com seu amor imenso,
Para meu coração amargurado.
Torno a implorar ao grande Deus sensível,
Para saber d'Aquela, se possível,
Que era cheia de encantos imortais;
Para saber somente de Leonora,
Que aqui na terra quase santa fora
E o Corvo só me disse: nunca mais.

XVII
Nunca mais... Como dói esta amargura,
Por entre a dúvida e a interrogação!
Como dói esta dor que sempre dura,
Cheia de nobre significação!
Nunca mais... É a tremenda desventura
Envolvida em silêncio e solidão!
É o desespero de quem só murmura
O nome de Leonora, em oração!
Nunca mais... Como dói esta palavra
Ouvir, que desilude a vida inteira,
Quando a saudade no meu peito lavra!
Dizei porque a alegria me roubais
Ave feia e maldita, ave agoureira,
E esta resposta escutei: nunca mais.

XVIII
Meio acordado, nessa noite espessa,
Deserta de alegria e de luar,
Procurei, por covarde que pareça,
Fugir do Corvo ao tenebroso olhar.
Pedi que por Leonora sempre cresça
Dentro de mim, a dor de recordar;
Vendo-a linda pousar sua cabeça
Na cadeira em que fico a repousar.
E de momento, quase que dormindo,
Cheguei a vê-la para o céu subindo,
Amparada por mãos angelicais...
E então pedi a Deus por piedade,
Que matasse de vez minha saudade,
Mas ouvi desolado: nunca mais.

XIX
Já tendo a grande mágoa pressentido
Por tanta negativa e dissabores,
Ao Corvo perguntei, desiludido,
Sobre Leonora, a irmã gêmea das flores.
Chamei-o de Profeta e, não vencido,
Nada me disse a provocar temores;
Chamei-o de Demônio e, empedernido,
Não quis fazer cessar as minhas dores.
Para esquecer, já quase sem idéia,
Perguntei-lhe se havia na Judéia
Um bálsamo de efeitos magistrais;
E Ele, implacável, sem um gesto rudo,
Alheio à vida, ao sofrimento e a tudo,
Deixou-me ouvir outra vez: nunca mais.

XX
Ave ou Demônio, pelo céu bendito
Que adoramos e o coração nos cobre,
Dize-me se verei, não mais aflito,
Leonora, essa donzela santa e pobre.
Pedindo que minha alma não soçobre
Por esse amor, porque soluço e grito,
Dize-me se a verei lá no infinito,
Onde há aleluias para o afeto nobre.
Dize-me, Corvo aziago e feiticeiro,
Porque te fazes sempre mensageiro
De mau agouro e dúvidas fatais?...
E Ele impassível, lúgubre, irritante
A me olhar, a me olhar a cada instante,
Respondeu friamente: nunca mais.

XXI
Sejam tuas palavras o pungente
Sinal de nossa atroz separação;
Volta Corvo infeliz e penitente
Aos horrores de tua solidão.
Volta à noite plutônica e inclemente
De onde vieste, talvez por maldição;
Mas antes, da mentira, suavemente
O bico arranca do meu coração.
Foge para bem longe do meu quarto
E deixa minha casa, que estou farto
De tuas negativas infernais...
Mas Ele, sempre e sempre empoleirado
Sobre o busto de Palas, revoltado
Assim murmurou: nunca, nunca mais.

XXII
Meus tristes rogos afinal, jamais
Vitória alcançarão nessa agonia
De não saber se a frase "nunca mais"
Era de amor, ou simples ironia.
E nessas horas de incertezas tais
O Corvo é mudo e a noite é muda e fria...
E eu sinto muito como já sentia,
A morte de meus puros ideais...
Sim... Ave enigma... E a lâmpada velada,
Deixa ver sua sombra projetada
Por sobre o solo, em linhas bem reais...
Sim... Leonora... Na minha dor sem calma,
Choro porque não poderá minha alma
Se juntar a essa sombra; nunca mais.

 


(16) 99248-0091

A Barata - O Site

A Barata Ao Vivo

Amigos & Livros

A Arca do Barata

Arquivos Abertos

Artesanato

Artigos
As Faces d'O Corvo
Augusto dos Anjos

Ataraxia

Barata Cichetto, Quem É?

Barata Rocker

Biografi'As Baratas

Camisetas

Cinematec'A Barata

Coletâneas de Rock

Colunas Antigas
Conte Comigo, Conte Pra Mim
Contos d'A Barata
Convergências
Crom

Crônic'As Baratas

De Poeta a Poeta

Depoimentos

Des-Aforismos Poéticos Baratianos

Discoteca d'A Barata

Download Free

Ensaios Musicais

Entrevist'As Baratas

Eventos

Facebookianas
Fal'A Barata!
Fotos
Gatos & Alfaces
Kakerlak Doppelgänger
Livrari'A Barata
Livros
Madame X
Memória A Barata
Micrônic'As Baratas

Na Mídia

O Anjo Venusanal
Pinturas
Pi Ao Quadrado

Poesi'a Barata

Ponto de Fuga
Pornomatopéias
PQP - Puta Que Pariu
Prefácios & Editoriais
Projeto Sangue de Barata
Psychotic Eyes
Renato Pop
Resenhas

Retratos e Caricaturas

Revist'A Barata Digital

Revist'A Barata

Seren Goch: 2332

Sub-Versões

Tublues

Versus

Videos

Vitória

Webradio

Todos os textos, exceto quando indicados, são de autoria de Luiz Carlos Giraçol Cichetto, nome literário Barata Cichetto, e foram registrados na Fundação Biblioteca Nacional. Não é permitida a publicação em nenhum meio de comunicação sem a prévia autorização do autor, bem como o uso das marcas "A Barata" e "Liberdade de Expressão e Expressão de Liberdade". Lei de Direitos Autorais: 9610/98.
 On Line

Política de PrivacidadeFree counter users online