(16) 99248-0091

Apóie a continuidade deste trabalho, totalmente independente desde 1997. Saiba como participar clicando na imagem ao lado.

1958 1990 1997 1998 1999 2000 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013 2014 2015 2016 2017 2018

O Corvo - Tradução: Sérgio Duarte (1998 - Brasil)



Certa noite de agonia em que exausto e triste eu lia
Raros tomos de mistérios e de lendas ancestrais,
Sonolento, cochilando, ouvi lá fora um ruído brando
Como alguém, leve, golpeando, de meu quarto nos portais.
"Deve ser um visitante" — disse — "que bate aos portais;
Isso apenas, nada mais."


Claramente hoje eu me lembro, era o frígido dezembro,
Cada brasa agonizava com fulgores fantasmais.
Ansiava pela aurora; busquei, sem sucesso embora,
Pela perda de Lenora algum consolo em livros tais;
Por Lenora, que hoje chamam legiões angelicais
E aqui nome não tem mais.


E sedosas, sussurrantes, as cortinas oscilantes
Despertavam-me temores como nunca tive iguais;
Por consolo eu repetia ao coração que se afligia:
— Uma visita tardia é quem golpeia meus portais
Um tardio visitante pede entrada em meus umbrais —
Isso apenas, nada mais.


Mas, me enchendo de bravura, exclamei na noite escura:
— Perdoai minha demora, seja quem for que sejais;
Porem quase adormecia, e por isso mal ouvia
A batida tão macia, tão tardia em meus portais —
E falando assim, abri de par em par os meus portais;
Só vi noite e nada mais.


Perscrutando a escuridão cheio de duvida e aflição
Sonhei sonhos que terão nunca sonhado outros mortais:
Do silencio sepulcral não me chegou nenhum sinal
Murmurar pude afinal o nome dela uma vez mais
Repetiu "Lenora!" o eco, o nome dela uma vez mais
Isso apenas, nada mais.


A meu quarto enfim volvendo, tinha o peito em brasa ardendo
E de novo ouvi batendo, agora forte, e outra vez mais;
— Este som — disse eu comigo — deve vir do meu postigo,
Verei se explorar consigo este mistério pertinaz
Exploremos o mistério e que minh'alma encontre a paz;
É o vento, e nada mais.


Numa finta a1voroçada, pela fresta fez entrada,
Quando abri, solene corvo de eras imemoriais;
Sem fazer qualquer mesura nem perder a compostura
Essa estranha criatura se postou sobre os portais
Sobre um busto de Minerva que encimava meus umbrais
Ali pôs-se, e nada mais.


Divertido com a surpresa, esqueci minha tristeza
E som, vendo seus modos tão severos e formais;
— Tens a crista depenada mas não estas intimidada —
Bradei; — Fala, ave arrancada ás profundezas infernais
Diz-me o nome que te dão nas profundezas infernais
Disse o corvo: — Nunca mais.


A ave feia me espantara por ter fala assim tão clara
Muito embora tais palavras não soassem racionais;
Pois é fato inusitado ver um pássaro pousado
Sobre um busto colocado de meu quarto nos portais
Ave posta sobre um busto ou quaisquer outros animais
Tendo o nome Nunca Mais.


Mas o corvo, solitário, em tão frugal vocabulário
Parecia resumir da alma as angústias viscerais;
Não falou mais coisa alguma, não moveu nem uma pluma
Murmurei: vão-se uma a uma as amizades fraternais
Como as minhas esperanças, de manhã também te irás —
Disse o corvo: nunca mais.


Ao ouvir na noite quieta essa resposta tão correta
Pensei: certo ele repete as expressões habituais
De um ex-dono que a desgraça perseguiu e inda espicaça
Com fortuna avara e escassa e desventuras tão brutais
Que perdeu toda a esperança e esse refrão consigo traz:
Nunca, nunca, nunca mais.


Seduzido novamente, recostei-me, sorridente,
Na poltrona posta em frente ao busto e à ave em meus portais;
E afundando no veludo eu me quedei cismando, mudo,
Procurando saber tudo o que esse pássaro falaz
— Grave corvo magro e negro que presságios tristes traz —
Quis dizer com "nunca mais".


Meditava, imaginando, porem nada revelando
A ave que me transfixava com seus olhos de punhais;
Nisso, e mais, eu refletia, reclinado em calmaria
Na almofada tão macia à luz dos velhos castiçais
Na almofada hoje vazia onde ela, à luz dos castiçais,
Não repousa, nunca mais!


De repente o ar se fez denso, cheio de um perfume intenso
De um turíbulo de incenso dos seráficos corais;
— Infeliz! teu Deus clemente — a mim bradei — por esse agente
Angelical, manda o nepente e de Lenora o olvido traz
Sorve a taça de nepente e assim Lenora esquecerás! —
Disse o corvo: nunca mais.


— Oh profeta! Anjo plutônio! sim, profeta, ave ou demônio
Que aqui trouxe a tempestade ou corifeu de Satanás!
Hoje triste e abandonado, neste lar mal-assombrado,
Eu pergunto, esperançado, se algum bálsamo trarás;
Diz-me, imploro, se algum dia hei de encontrar bálsamo e paz?
Disse o corvo: nunca mais.


— Oh, profeta, anjo plutônio! sim, profeta, ave ou demônio,
Pelos céus que nos protegem, pelo Deus de nossos pais
Diz a est'alma atormentada se depois desta jornada
Há de enfim beijar a amada em meio às hostes celestiais,
Abraçar a doce amada em meio às hostes celestiais -
Disse o corvo: nunca mais.


— Seja esse teu lema o signo — bradei — pássaro maligno
E me ergui — de tua volta às profundezas infernais!
Que lembrança alguma reste da mentira que disseste!
Nada a minha dor moleste! Abandona meus umbrais!
Tira o bico de meu peito e não assombres meus umbrais
Disse o corvo: nunca mais.


Desde então ficou pousado o imóvel corvo, empoleirado
Na herma pálida de Palas posta sobre os meus portais;
Seu olhar mais se parece ao de um demônio que enlouquece
Sua sombra no chão cresce à branca luz dos castiçais
E minh'alma dessa sombra, a branca luz dos castiçais,
Há de erguer-se — nunca mais!

 


(16) 99248-0091

A Barata - O Site

A Barata Ao Vivo

Amigos & Livros

A Arca do Barata

Arquivos Abertos

Artesanato

Artigos
As Faces d'O Corvo
Augusto dos Anjos

Ataraxia

Barata Cichetto, Quem É?

Barata Rocker

Biografi'As Baratas

Camisetas

Cinematec'A Barata

Coletâneas de Rock

Colunas Antigas
Conte Comigo, Conte Pra Mim
Contos d'A Barata
Convergências
Crom

Crônic'As Baratas

De Poeta a Poeta

Depoimentos

Des-Aforismos Poéticos Baratianos

Discoteca d'A Barata

Download Free

Ensaios Musicais

Entrevist'As Baratas

Eventos

Facebookianas
Fal'A Barata!
Fotos
Gatos & Alfaces
Kakerlak Doppelgänger
Livrari'A Barata
Livros
Madame X
Memória A Barata
Micrônic'As Baratas

Na Mídia

O Anjo Venusanal
Pinturas
Pi Ao Quadrado

Poesi'a Barata

Ponto de Fuga
Pornomatopéias
PQP - Puta Que Pariu
Prefácios & Editoriais
Projeto Sangue de Barata
Psychotic Eyes
Renato Pop
Resenhas

Retratos e Caricaturas

Revist'A Barata Digital

Revist'A Barata

Seren Goch: 2332

Sub-Versões

Tublues

Versus

Videos

Vitória

Webradio

Todos os textos, exceto quando indicados, são de autoria de Luiz Carlos Giraçol Cichetto, nome literário Barata Cichetto, e foram registrados na Fundação Biblioteca Nacional. Não é permitida a publicação em nenhum meio de comunicação sem a prévia autorização do autor, bem como o uso das marcas "A Barata" e "Liberdade de Expressão e Expressão de Liberdade". Lei de Direitos Autorais: 9610/98.
 On Line

Política de PrivacidadeFree counter users online