(16) 99248-0091

Apóie a continuidade deste trabalho, totalmente independente desde 1997. Saiba como participar clicando na imagem ao lado.

1958 1990 1997 1998 1999 2000 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013 2014 2015 2016 2017 2018

O Corvo - Tradução: Vinícius Alves (1999 - Brasil)



Numa meia noite triste a relembrar tudo que existe
Relendo um curioso volume dos que haviam outrora
Foi que notei, modorrento, um ruído vindo lento
Que me tirou do assento, um acento à porta agora
"Algum visitante", eu murmurei, "vento na porta como outrora —
Somente isso a essa hora."


Ah, perfeitamente eu lembro, foi no gélido Dezembro
E a chama mortiça desenhava fantasmagorias no assoalho
Pestanejando eu tentava ler o que ainda restava
Do meu livro antigo — antigo como a lembrança de Lenora, —
A radiante presença a que os anjos chamam Lenora —
Que nome mais não tem agora.


E a aterradora sombra púrpura da cortina doentia

com suas formas a lembrar-me a fantasmal senhora

Agitava-me o coração que batia e de medo repetia:

"Um visitante bate-me à porta e s'evapora —

Bate-me à porta já em derradeira hora —

Nada além disso em neutra hora."


Hesitante lanço um grito que reboa no infinito,
"Senhor", eu digo, "ou Senhora, desculpa esta alma que implora
Eu estava quase dormindo e não vi que vinhas vindo
E batias insistindo à porta como repelindo a mora
Eu não poderia ter ouvido" — escancaro-a sem demora —
Só escuridão em morta hora.


Dentro da noite escura, conjeturando, como quem procura,
Sonhei sonhos que mortal nenhum sonhou jamais
Mas o silêncio não se quebra, com o martelar na pedra
Então a palavra medra com a forma de "Lenora"
E o eco que apavora repete sempre "Lenora"
É só isso que há la fora.


Volto para dentro de casa com a alma quase em brasa
E retorna o tal batido que me deixa combalido
"Realmente", eu digo, "alguém bate na janela
Oh misterioso ser miserável que não posso ver agora, —Meu coração sai pela boca nessa hora que evapora —
E só o vento uiva lá fora."


Abro então minha janela e entra um vulto esvoaçante
É um Corvo agourento que em remotos dias mora
Não me pede nem licença para estar aqui comigo
Pousa e posa sem demora —
Sobre a escultura de Palas que embolora —
Pousa e não vai-se mais embora.


Cravo no Corvo um olhar morto que me deixa absorto
E a grave ave o escora e meu riso quase chora
"Esta crista é um estorvo", digo, "como o nepentes que absorvo
Grasnento, gago, avarento Corvo, só a noite te decora
Dize-me, ó nobre Corvo, teu negro nome infernal sem demora"
E o Corvo disse: "Não Agora".


Maravilha que ele fala sobre a estátua de Pala
uma resposta curta e grossa que em nada colabora
Que ao homem não socorra, mesmo que ele sempre morra
Olho o pássaro pousado como aquele que elabora —
Um crime para matar a besta sobre o busto que implora —
E tem por nome "Não Agora".


Mas o Corvo solitário deve ter-me por otário
Achando que acredito nas palavras que elabora
Pousado no busto assim hirsuto;
Faço um escárnio quando cala-se: "Outros já se foram embora:
Logo cedo ele me deixa, é o que desejo: Vai-te embora" E diz a ave: "Não Agora".


Mas aquilo que ele cala não se quebra com a fala
"Um ventríloco", eu penso, "que repete a frase sonora
Que aprendeu de um velho mestre num só único semestre
Como um refrão a repete para ver se assim melhora
Martelando as notas tristes a triste ave canora
O sempiterno 'Não Agora'".


Mas o Corvo horroroso ao ver meu riso nervoso,
Cochilando na poltrona já em avançada hora;
Como em sonho nebuloso num meu esgar medroso
Pensando meu pensar que evapora,
Por que esta medonha, terrível, execrável ave não vai embora?
E crocitando: "Não Agora".


Saturado eu já não lia cada sílaba que emitia
Como que hipnotizado meus olhos pediam uma escora;Quanto mais eu dividia em raios a lâmpada que luzia
Ainda mais eu me reclino na poltrona que me ancora,
E viajo na luz violeta daquela que ainda me enamora,
Aquela em que mais não toco, ah, Não Agora!


Eis que o ar ficou mais denso de melífluo incenso
Como anjos esparzindo um suave aroma de amora
"Maldito", praguejo, "os anjos de Deus, lentos, aliviam sentimentos
Dos teus memoráveis tempos com a angelical Lenora!
Sorve o nepentes, oh, sorve-o lentamente e esquece essa Lenora!"
Grasna o corvo: "Não Agora".


"Profeta", eu digo, "Coisa-Ruim — Profeta Aéreo, Ave do Inferno! -
Que a Tentação mandou ou que o temporal devora
Tudo que há por sobre a Terra —
Nessa lareira que arde — dize-me a verdade", ele implora
"Existe - existe o bálsamo em Galaad — dize-me — dize-me" sem demora!"
Crocita o Corvo: "Não Agora".


"Profeta", digo eu, "Coisa-Ruim — Profeta Aéreo, Ave do Inferno
Jura pelos Céus, pelo Deus que adoras,
Por todas as almas que pedem, desde o distante Éden
Tornarei a ver a santa que o serafins chamam Lenora:
Verei ainda a rara e radiante que os serafins chamam Lenora."
Grasna o Corvo: "Não Agora".


"Esta palavra é o fim da linha, ave esquisita!" grito e levanto:
"Volta à noite tempestuosa que Plutão te quer agora!
Nenhuma pena negra reste de tudo aquilo que disseste!Deixa-me na solidão de pedra, saias daqui porta afora!
Some-te do meu coração partido, ponhas-te daqui pra fora!"
Crocita o Corvo: "Não Agora".


E o Corvo, nem um minuto, hirsuto e duro, duro e hirsuto,
Sobre o pálido busto de Palas no umbral da porta que aflora;
Tem o olhar de mil demônios que habitam os meus sonhos
E a luz da lâmpada mortiça no chão se agita e o condecora;
Esta alma errante que flutua na sombra e corrobora

Há de erguer-se jamais — nem "Não Agora!"

 


(16) 99248-0091

A Barata - O Site

A Barata Ao Vivo

Amigos & Livros

A Arca do Barata

Arquivos Abertos

Artesanato

Artigos
As Faces d'O Corvo
Augusto dos Anjos

Ataraxia

Barata Cichetto, Quem É?

Barata Rocker

Biografi'As Baratas

Camisetas

Cinematec'A Barata

Coletâneas de Rock

Colunas Antigas
Conte Comigo, Conte Pra Mim
Contos d'A Barata
Convergências
Crom

Crônic'As Baratas

De Poeta a Poeta

Depoimentos

Des-Aforismos Poéticos Baratianos

Discoteca d'A Barata

Download Free

Ensaios Musicais

Entrevist'As Baratas

Eventos

Facebookianas
Fal'A Barata!
Fotos
Gatos & Alfaces
Kakerlak Doppelgänger
Livrari'A Barata
Livros
Madame X
Memória A Barata
Micrônic'As Baratas

Na Mídia

O Anjo Venusanal
Pinturas
Pi Ao Quadrado

Poesi'a Barata

Ponto de Fuga
Pornomatopéias
PQP - Puta Que Pariu
Prefácios & Editoriais
Projeto Sangue de Barata
Psychotic Eyes
Renato Pop
Resenhas

Retratos e Caricaturas

Revist'A Barata Digital

Revist'A Barata

Seren Goch: 2332

Sub-Versões

Tublues

Versus

Videos

Vitória

Webradio

Todos os textos, exceto quando indicados, são de autoria de Luiz Carlos Giraçol Cichetto, nome literário Barata Cichetto, e foram registrados na Fundação Biblioteca Nacional. Não é permitida a publicação em nenhum meio de comunicação sem a prévia autorização do autor, bem como o uso das marcas "A Barata" e "Liberdade de Expressão e Expressão de Liberdade". Lei de Direitos Autorais: 9610/98.
 On Line

Política de PrivacidadeFree counter users online