(16) 99248-0091

Apóie a continuidade deste trabalho, totalmente independente desde 1997. Saiba como participar clicando na imagem ao lado.

1958 1990 1997 1998 1999 2000 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013 2014 2015 2016 2017 2018

O Corvo - Tradução: Américo Lobo (1882 - Brasil)



Quando eu exausto e quase adormecido,
Da meia-noite na tristeza infinda,
Sobre in-fólio de traças carcomido,
Cabeceando, meditara ainda.
Súbito ouvi ruído semelhante
Ao de leve pancada nos umbrais;
"A minha porta bate um visitante".
Balbuciei, "é isto e nada mais".

Ah! bem me lembro! Era a invernia brava:
Cada faísca que no lar morria,
Sobre o chão uma sombra projetava.
Eu suspirava pela lua do dia:
Nem pelo estudo mitigada fora
A saudade das graças virginais
De quem se chama lá no céu Leonora,
E cá na terra não tem nome mais.

O leve e triste movimento incerto
Das cortinas da alcova me infundia
Fantásticos terrores que de certo
Eu rança dantes pressentido havia:
Meu coração pulsar ansioso vendo.
Eu fiquei repetindo: "Em meus umbrais
Alguém que se atrasou está batendo
E quer entrar: é isto e nada mais".

Estando já robustecida a mente,
Disse sem custo: "Oh dama, ou cavalheiro.
Mil desculpas vos peço reverente
Por não ter acudido mais ligeiro:
Eu cochilava, e vós com tal enleio
Batestes tão de manso nos umbrais
Que não cuidei ouvir-vos". Patenteio
A porta: vejo a sombra e nada mais!

Fito o negrume e pasmo ali me quedo,
Temendo, duvidando e até sonhando
O que dantes ninguém sonhara a medo;
Era o silêncio intacto, não traçando
Riscas a escuridão: ali se ouvia
Um nome, um nome, que se diz jamais.
"Leonora!" suspirei e respondia
"Leonora!" o eco ao longe e nada mais.

Voltei para o meu quarto, onde sentindo
Minh'alma triste se abrasar inteira,
Outra pancada fui de novo ouvindo,
Algum tanto mais forte que a primeira;
Disse: "Talvez alguma cousa exista
À janela, por fora dos vitrais;
Deixa, meu coração, que eu deite a vista
Nesse mistério; é o vento o nada mais!"

Abro a janela; dum só jato entrando,
Batendo as asas com um grã ruído,
Diviso um nobre corvo venerando.
Aos de imêmores eras parecido:
Nem me saudou sequer, ante mim posto.
Porém com ar e tons senhoriais.
No alto busto de Palas sobreposto
À porta, empoleirou-se, e nada mais.

Aquele aspecto e austera compostura,
Um riso me bailou no pensamento;
Disse mais distraído à ave escura:
"Sem crista, embora, feio a macilento,
Não és covarde, oh corvo vagabundo.
Que fugiste das sombras infernais:
Dize, como te chamas noutro mundo?"
"Nunca" responde o corvo: "Nunca mais".

Maravilhou-me assaz ter entendido
Minha linguagem o pássaro imperfeito.
Ainda que me houvesse respondido
De modo obscuro e sem nem um conceito:
Parece incrível que sob seu telhado
Veja o vivente em cima dos umbrais,
Sobre marmóreo busto empoleirado.
Pássaro que se chame "Nunca mais!"

Porém o corvo solitário, fito
Sobre o busto de Palas mais não disse
— Penas imóveis — com se num dito
Su'alma em fuga para alem saísse.
"De amigos," murmurei, "guardo lembranças
Mortos tão cedo! Aos raios matinais
Este me deixa como as esperanças
D'outrora!" Disse o corvo "Nunca mais".

Estremeci ouvindo a frase d'ouro
Ressoar no silêncio, após falando:
Talvez o que ele diz seja um tesouro
Colhido d'algum mestre miserando.
A quem sem tréguas perseguisse a sorte,
Até que de seus hinos festivais
Só ficasse por cântico de morte
Da esperança, este moto: ''Nunca mais".

Novo sorriso me bailou à mente;
E rodando a poltrona acolchoada.
Sobre o veludo me sentei, em frente
D'ave, do busto e do portal d'entrada.
Comigo só pensando e refletindo
No mistério, com que a desoras tais
O tredo corvo, do passado vindo,
Grasnava tão somente: "Nunca mais!"

No enigma eu atentava, e no entretanto
Nada dizia ao pássaro agoureiro,
Cujos olhos de fogo ardiam tanto
Dentro em meu coração: por derradeiro,
A cabeça descanso aonde chora
A lâmpada seus brilhos siderais,
Neste roxo veludo onde Lenora
Não há de reclinar-se nunca mais!

Cuidei que se tornava o ar mais denso,
E que uns anjos, roçando meu tapete,
Turificavam misterioso incenso.
"Desgraçado!" exclamei, "como um joguete
Teu Deus te há enviado ao sofrimento;
Sente saudades menos lagrimais
Dessa Lenora! Bebe o esquecimento!
"Nunca" responde o corvo: "Nunca mais!"

"Mudo profeta! réprobo!" lh'eu disse:
"Ave ou demônio! quer tentado foras.
Quer uma tempestade te cuspisse
Sozinho, mas intrépido, a desoras.
Sobre a terra maldita, lar do pranto.
Dize, dize-me em frases naturais:
Neste mundo haverá balsamo santo?"
"Nunca" responde o corvo, "Nunca mais".

"Mudo profeta! réprobo". Lh'eu disse:
"Ave ou demônio! pelo céu que olhamos,
Curvado sobre a terra com meiguice,
E por esse Deus que ambos nós amamos,
Dize-me se minh'alma pesarosa
Se há de unir lá nos tálamos astrais
À rara e pura virgem radiosa
Que se chama Lenora?" — "Nunca mais".

"Seja o teu dito o signo da partida,
Ave ou demônio?" soerguido brado:
"Volta para o tormento da outra vida!
Sequer me deixes negra pluma ao lado
Por testemunho de teu dito horrendo!
Deixa-me, e sai do busto e dos umbrais!
Tira-me as garras com que estás comendo
Meu coração desfeito!" — "Nunca mais!"

Calado, o corvo solitariamente
Sobre o busto de Palas permanece:
Dum demônio que sonha, o olhar se sente,
E a luz da lâmpada que resplandece
Ante ele, sabre o pavimento lança
Sombras, de cujas ondas sepulcrais
Minh'alma em sua mor desesperança
Não há de levantar-se nunca mais!

 


(16) 99248-0091

A Barata - O Site

A Barata Ao Vivo

Amigos & Livros

A Arca do Barata

Arquivos Abertos

Artesanato

Artigos
As Faces d'O Corvo
Augusto dos Anjos

Ataraxia

Barata Cichetto, Quem É?

Barata Rocker

Biografi'As Baratas

Camisetas

Cinematec'A Barata

Coletâneas de Rock

Colunas Antigas
Conte Comigo, Conte Pra Mim
Contos d'A Barata
Convergências
Crom

Crônic'As Baratas

De Poeta a Poeta

Depoimentos

Des-Aforismos Poéticos Baratianos

Discoteca d'A Barata

Download Free

Ensaios Musicais

Entrevist'As Baratas

Eventos

Facebookianas
Fal'A Barata!
Fotos
Gatos & Alfaces
Kakerlak Doppelgänger
Livrari'A Barata
Livros
Madame X
Memória A Barata
Micrônic'As Baratas

Na Mídia

O Anjo Venusanal
Pinturas
Pi Ao Quadrado

Poesi'a Barata

Ponto de Fuga
Pornomatopéias
PQP - Puta Que Pariu
Prefácios & Editoriais
Projeto Sangue de Barata
Psychotic Eyes
Renato Pop
Resenhas

Retratos e Caricaturas

Revist'A Barata Digital

Revist'A Barata

Seren Goch: 2332

Sub-Versões

Tublues

Versus

Videos

Vitória

Webradio

Todos os textos, exceto quando indicados, são de autoria de Luiz Carlos Giraçol Cichetto, nome literário Barata Cichetto, e foram registrados na Fundação Biblioteca Nacional. Não é permitida a publicação em nenhum meio de comunicação sem a prévia autorização do autor, bem como o uso das marcas "A Barata" e "Liberdade de Expressão e Expressão de Liberdade". Lei de Direitos Autorais: 9610/98.
 On Line

Política de PrivacidadeFree counter users online