(16) 99248-0091

Apóie a continuidade deste trabalho, totalmente independente desde 1997. Saiba como participar clicando na imagem ao lado.

1958 1990 1997 1998 1999 2000 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013 2014 2015 2016 2017 2018

O Corvo - Tradução: João Kopke (1916 - Brasil)



Meia noite seria, hora triste! alquebrado
E de tédio vencido, uma vez, debruçado
Sobre tomo e mais tomo, em que antigos autores
Expuseram saber, que bem raros leitores
Têm hoje, eu meditava, o lido ponderando,
Que em tais livros de antanho andara consultando,
E já, do cochilar, meio ao sono passava,
Quando ouvi de repente um bater, que soava
À porta de meu quarto, ali à mão, baixinho
Como o bater de quem batesse de mansinho,
Batesse de mansinho à porta de meu quarto.
Dentro de mim, mal o ouvi, disse eu: “A horas tais,
Quem pode vir bater à porta do meu quarto?
Alguém que me procura. Há de ser. Nada mais”.


Era então – claramente ainda hoje o relembro!
Bem entrado era então o inclemente Dezembro;
E seu espectro, no chão, cada brasa deixava,
Que, aos poucos, a morrer, no lar agonizava.
Aflito estava eu já por que nascesse o dia;
E, em vão, dessa leitura, ao meu sofrer, queria
Tirar alívio – alívio à crua e dura mágoa;
Alívio, que abrandasse a enorme, funda mágoa
De haver perdido, haver perdido, ó sim, Lenora,
A virgem radiante, a quem saudade chora!
A virgem peregrina, a quem os anjos chamam
Lenora – Aquela a quem, nos coros triunfais,
Lenora, lá no céu, os anjos ora chamam
E nome não terá na terra nunca mais!


E o frouxo farfalhar, que vinha das cortinas
De seda roxa, incerto e mesto, nas retinas
me punha visões tais, e, na alma, tais terrores
Que iguais nunca eu sentira; e em tão cruéis tremores
Me entrava a sacudir que, por conter os saltos
Ao coração – por ver quedar os sobressaltos
Em que dúbio tremia, entrei a repetir,
A repetir sem conta, alheio a repetir:
“Está alguém a bater à porta do meu quarto;
Bate alguém, certamente, à porta do meu quarto;
Alguém que me procura e quer falar. Decerto,
Alguém, que, sem querer, se atrasou. Pois que mais
Pode ser?... É alguém. Há de ser. É, decerto.
É, decerto, isto mesmo. Há de ser. Nada mais”.


A alma se me aquietou assim; e, então, perdendo,
Perdendo a hesitação, afoito fui dizendo:
“Quem quer que vós sejais, ou senhor, ou senhora,
Vosso perdão aqui sinceramente implora
Quem, quase a cochilar, confessa, e tão de manso
Batendo vós à porta, à porta tão de manso
Batendo, tão de manso, à porta do seu quarto,
Mal pôde perceber que à porta do seu quarto
Batíeis”. Neste ponto, à porta dirigindo
Os passos, neste ponto, agora, eu, acudindo
À porta, ao enfrentá-la, abri-a pronto busco;
E, de braço estendido, ao tocar-lhe os umbrais,
Escancaro-a de vez num movimento brusco:
Lá fora, a escuridão. E só. E nada mais.


E, dessa escuridão, cravando o olhar no fundo,
A revolvê-la estive, a revolver-lhe o fundo,
Surpreso, apavorado, hesitante, a sonhar
Sonhos, que não ousou ninguém jamais sonhar.
Mas, o silêncio, mudo: o mesmo sempre. E, a treva,
Calada em frente a mim, nenhum indício a treva
Me dava. Dela só, somente me chegava,
Me chegava ao ouvido em voz, que o murmurava,
Um nome, e em murmúrio, um nome só, Lenora!
Era eu que o murmurava; era eu, e já Lenora
Eis o eco a responder, Lenora repetindo;
Palavra, que só eu, na treva, entre as letais
Angústias da incerteza, em sonhos me afundindo,
Ficara a repetir. Só isso. E nada mais.


Voltando ao quarto, então, com a alma em fogo a arder,
Com pouco ouvi de novo, ouvi baixo bater,
Bem de leve outra vez, mas mais alto um pouquinho,
Mais alto desta vez, mais alto um bocadinho.
“É, com certeza”, eu disse, “é com certeza, agora,
Uma coisa qualquer que bate lá de fora
Nas gelosias. É. Mas será?... Quem o sabe?...
Quem sabe que mistério há nisto? Quem o sabe?...
Sossega, coração! e deixa-me que o veja;
Que, por meus olhos, sonde o que for que ali esteja;
Que sonde o que isto for; que o sonde por meus olhos;
Que o mostre ao meu pavor, e, em linhas naturais,
O fato ponha à luz, mostrando-o claro aos olhos.
É, com certeza, o vento. O vento e nada mais.”


Para a janela, pois, crescendo, eu a escancaro;
E, mal o olhar firmei, logo o vulto deparo
De um corvo senhoril dos bons tempos de outrora,
Que, da lufada em pós, entrando lá de fora,
E circungira e paira e se vai, por fim, pôr,
Sem saudar, nem deter-se ou pousar, se vai pôr,
Com ares de fidalgo ou fidalga, assentado
Bem por cima da porta, ao alto empoleirado
Da porta do meu quarto, em um busto de Palas;
Alcandorado ali sobre o busto de Palas;
Alcandorado ali, do branco busto em cima;
Do branco busto sobre as formas divinais.
Nesse busto pousou, que a minha porta encima.
Pousou; deixou-se estar. Só isso, e nada mais.


Ao ver dessa ave negra o modo assim severo,
Ao ver com que decoro e com que porte austero,
Ali, defronte a mim, tão grave procedia,
Desfez-se num momento aquela fantasia,
Que a mente me assaltara, e transmudou-se em riso.
“Embora”, disse eu, pois, dando expansão ao riso,
“Tosado, embora, cerce o teu penacho veja,
Não quero crer que tal a covardia seja
Tachada punição. Não és um velho corvo,
Repelente e fatal, que foges ao céu torvo.
Certo, um título tens e foros de grandeza;
Tens estirpe e brasões nos reinos avernais.
Dize, pois, qual teu nome entre a ilustre nobreza
De Plutão?” E tornou-me o corvo: “Nunca mais”.


De pasmo me tomei ao ver com tal clareza
Falar essa ave horrenda, embora, com certeza,
Sentido não tivesse, ou pouco ou nulo alcance,
A resposta, que deu assim tão de relance.
De pasmo me tomei, porquanto ninguém pode
Fugir a concordar, ninguém, na vida, pode
Dizer que outro mortal já tivesse a ventura
De ver pousar uma ave, ou outra criatura
Ao alto, sobre a porta, a porta do seu quarto;
Sobre o busto, que encime a porta do seu quarto;
Pousar, deixar-se estar e nada mais; uma ave
Horrenda, que viesse, afrontando hibernais
Rigores de procela, à noite, austera e grave,
Dizer-lhe que no inferno a chamam Nunca mais.


Assustou-me a resposta assim tão bem cabida,
Que rompeu a mudez até aí mantida.
Assustou-me a resposta; e, então, para explicá-la,
Eu me pus a dizer qual quem a medo fala:
“Nestas palavras só consiste certamente
O seu vocabulário; e, nelas, inconsciente,
Reproduz o que ouviu. Com certeza, a algum dono
Infeliz pertenceu. Pode ser que a algum dono
Tivesse pertencido, a quem com teimosia
Perseguisse a desgraça, e, na monotonia
Desse estribilho só, distração procurasse
As dores, que gemia – as dores sem iguais
Do seu sofrer, e a mágoa aos lábios lhe levasse,
Por desabafo e alento, o grito: “Nunca mais!”.


No entanto, o corvo, só, pousado sobre o busto
Quedo, pousado e só, dali de sobre o busto,
Não me deu mais que tal resposta, em que pusera
Talvez toda a sua alma. E nem ao que dissera
Mais nada acrescentou. Nem uma só das penas
Moveu. Não mais moveu de leve uma das penas
Que fosse, a não ser quando eu, mal e mal, baixinho,
E murmuro, falei, mas baixo, bem baixinho:
“Em antes dele já perdi muitos amigos:
Perdido tenho, sim, por vária vez, amigos,
Que foram sem retorno. Irá ele também
Sem retorno, assim como aos caros ideais
A esperança se foi, e, com o dia que vem,
Este irá. Grasna o corvo apenas: “Nunca mais”.


Porém, mais uma vez, essa ave transformando
A tristeza à minha alma em riso a transmudando,
Fiz rodar um assento e dela o pus em frente,
E do busto e da porta em face justamente.
Bem defronte lho pus; e o corpo, no veludo,
Todo o peso largando, afundei; e já tudo
Que estivera a pensar – idéia ou fantasia,
Comecei a prender como elos, que queria
Jungidos, para ver que sentido quisera
Aquela ave ominosa à resposta, que dera,
Inculcar; para ver se encontrava o sentido
Que essa ave de feições e gestos espectrais
Na resposta pusera; – achar com que sentido
No crocitar dizia apenas: “Nunca mais”.


Para tal, eu, sentado, a rever, mas comigo,
O que vira, fiquei, mas a sós, só comigo,
Sem palavra sequer dirigir à agoureira
Ave, que, com o olhar, qual rúbida fogueira,
O âmago ao coração me estava requeimando.
No coxim de veludo a cabeça pousando,
No coxim, que o clarão da luz como um olhar
De cupidez voraz descia a iluminar,
Eu, a gosto, escrutava o que quisera o corvo
Dizer no seu falar, que tinha em tanto estorvo
A fácil compreensão. Nesse coxim, agora,
A fronte eu descansava, em que d’Ela jamais
A fronte pousará qual se pousava outrora.
Não mais se pousará, oh, nunca, nunca mais!


Como que o ar então me pareceu mais denso;
A modo que um perfume ali pairou de incenso,
Que, em turicremo vaso, ao ar silente alcançassem
Serafins, cujos pés em cadência roçassem
A alcatifa, que o chão de meu quarto alfaiava.
E, pois, à inspiração, que, sobre mim baixava,
Cedendo, a me exprobar do pavor, que sentia,
Contra mim revoltado, em voz alta dizia:
“Desgraçado! Teu Deus, teu Deus, por estes anjos,
Teu Deus trégua te dá; teu Deus por estes anjos,
Remédio à dor te manda. Esquece de Lenora
A perda, e empina a taça, em que as dores mortais
Tu podes afogar. Risca dessa Lenora
Na mente o nome”. E grasna o corvo: “Nunca mais”.


“Profeta”, eu disse então, “ave ou demônio sejas,
Profeta mesmo assim! Quer vindo aqui tu sejas
Atentar-me, ou lançado o sopro das borrascas
Te houvesse a esta plaga – aflito, mas das vascas
Do desespero livre; – ao ermo desta plaga,
Que um poder infernal no seu eflúvio alaga;
Ao sei deste lar, onde o terror domina –
Se tem a dor, que assim saudade me propina,
Lenitivo, que a acalme, oh, di-lo, que to imploro!
Oh, dize-me se tem este luto, em que choro,
Trégua, que ao meu sofrer as torturas abrande;
Lenitivo, que à dor embote os seus punhais
E, à saudade, que peno, o esquecimento mande.
Oh, di-lo, corvo, di-lo!” E o corvo: “Nunca mais”.


“Profeta”, eu disse então, “ave ou demônio sejas,
Profeta mesmo assim e como quer que o sejas!
Pelo Céu, que nos cobre, e o Deus, que veneramos,
Por tudo quanto os dois por mais caro prezamos,
Dize, dize à minha alma, a que a dor tanto preme,
À alma, que esta saudade infinda e crua geme,
Dize por compaixão se, no Éden distante,
Em seus braços verá a Virgem fulgurante;
Aquela Virgem santa, a que, no céu, Lenora
Chamam, e que ninguém na terra chama agora;
A Virgem, por quem peno – a Virgem, que a saudade,
Me traz sempre na mente em sonhos perenais!
Oh, dize se algum dia abraçá-la, em verdade,
Lá no céu, poderá!” E o corvo: “Nunca mais”.


“Que seja essa resposta a nossa despedida,
Ou ave ou tentador!” bradei com a voz erguida,
Num salto em pé me pondo. “Oh, volta à tempestade!
Volta à noite do inferno! Em minha soledade
Que eu fique sempre só! Não deixes uma pena,
Nem uma pena só, nem uma negra pena
Das tuas, em penhor desta mentira atroz,
Que acabas de afirmar com refalsada voz!
De sobre o busto sai! O vulto, eia, retira
De sobre a minha porta! O adunco bico tira
Daqui do coração, onde o cravaste! Oh, vai-te
Embora e deixa em paz meus tristes penetrais!
Ou ave ou tentador, deixa-me em paz! Oh, vai-te!”
E, imóvel, diz o corvo apenas: “Nunca mais!”.


E, sem mais se mover, ali se tem pousado,
Imóvel sempre, o corvo; ali, alcandorado
De Palas sobre o busto – erguido ao alto – acima
Da porta do meu quarto – e mudo e quedo a encima!
E os olhos seus são como os olhos de um demônio
Absorto a maquinar – são olhos de um demônio!
E, da lâmpada a luz, sobre ele em cheio desce
O clarão com fulgor, que vivo resplandece,
E lhe estampa no chão a dura e negra sombra!
E minha alma, oh, horror! da treva dessa sombra,
Que flutua no chão pairando eternamente,
Minha alma do negror, que os giros infernais
Adensam no voar, que paira eternamente,
Nunca mais se há de erguer! Ai, nunca! Nunca mais!

 


(16) 99248-0091

A Barata - O Site

A Barata Ao Vivo

Amigos & Livros

A Arca do Barata

Arquivos Abertos

Artesanato

Artigos
As Faces d'O Corvo
Augusto dos Anjos

Ataraxia

Barata Cichetto, Quem É?

Barata Rocker

Biografi'As Baratas

Camisetas

Cinematec'A Barata

Coletâneas de Rock

Colunas Antigas
Conte Comigo, Conte Pra Mim
Contos d'A Barata
Convergências
Crom

Crônic'As Baratas

De Poeta a Poeta

Depoimentos

Des-Aforismos Poéticos Baratianos

Discoteca d'A Barata

Download Free

Ensaios Musicais

Entrevist'As Baratas

Eventos

Facebookianas
Fal'A Barata!
Fotos
Gatos & Alfaces
Kakerlak Doppelgänger
Livrari'A Barata
Livros
Madame X
Memória A Barata
Micrônic'As Baratas

Na Mídia

O Anjo Venusanal
Pinturas
Pi Ao Quadrado

Poesi'a Barata

Ponto de Fuga
Pornomatopéias
PQP - Puta Que Pariu
Prefácios & Editoriais
Projeto Sangue de Barata
Psychotic Eyes
Renato Pop
Resenhas

Retratos e Caricaturas

Revist'A Barata Digital

Revist'A Barata

Seren Goch: 2332

Sub-Versões

Tublues

Versus

Videos

Vitória

Webradio

Todos os textos, exceto quando indicados, são de autoria de Luiz Carlos Giraçol Cichetto, nome literário Barata Cichetto, e foram registrados na Fundação Biblioteca Nacional. Não é permitida a publicação em nenhum meio de comunicação sem a prévia autorização do autor, bem como o uso das marcas "A Barata" e "Liberdade de Expressão e Expressão de Liberdade". Lei de Direitos Autorais: 9610/98.
 On Line

Política de PrivacidadeFree counter users online