(16) 99248-0091

Apóie a continuidade deste trabalho, totalmente independente desde 1997. Saiba como participar clicando na imagem ao lado.

1958 1990 1997 1998 1999 2000 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013 2014 2015 2016 2017 2018

O Corvo - Tradução: José Luiz de Oliveira (1968 - Brasil)



À meia-noite eu cogitava, fatigado,
Sobre volumes misteriosos do passado
Quando uns sons ouvi tais
Que me lembraram pancadinhas sobre a porta.
"É um visitante que, apesar da hora morta,
Me quer ver, nada mais..."

Ah! Com clareza o quadro todo agora lembro:
Um frio atroz cortava a pele - era dezembro!
Agonias mortais
Minha alma enchiam, pois pra dor buscava um fim
De já não ter Lenora aqui, junto de mim,
Nem seu nome ouvir mais...

Ao brando arfar de cada rubro cortinado,
Horror fantástico trazia-me aterrado
E, fugindo a esses "ais",
Me levantei a repetir: "É um visitante
Que bate à porta; vou abri-la num instante!
É só isso, não mais!"

Fortaleceu-se então minha alma e eu disse: "Peço
Que desculpeis minha demora, pois confesso
Que dormia demais
E tão de manso vós batestes, que eu senti
Que duvidava do que ouvia..." A porta abri:
Só negror, nada mais...

Perscruto as trevas muito a fundo, estarrecido,
Sonhando um sonho por nenhum mortal vivido...
De ninguém há sinais!
Só minha voz "Lenora!" diz, num tom velado,
E o eco traz, de novo, a mim, o nome amado...
Nenhum outro som mais...

De volta ao quarto, sinto n'alma estranho ardor
E na janela escuto, então, com mais vigor,
As batidas fatais!
Pra sossegar a inquieta mente, eu digo a ela:
"É, certamente, algo que bate na janela,
Como o vento - não mais!"

Abro o postigo e então penetra, de repente,
Um corvo altivo, venerável, imponente
- De regiões noturnais!
Não me saudou nem se deteve, mas pousou
Bem sobre um busto de Minerva,e lá ficou
Sem fazer nada mais...

Pus-me a sorrir do aspecto grave que ele tinha
E então lhe disse: "Embora a crista, ave daninha,
Tenhas lisa demais,
Não és covarde... Qual teu nome, ó bicho torvo,
No escuro reino que Plutão governa?!" O corvo
Respondeu: "Nunca mais!"

Maravilhei-me quando ouvi tão claramente
Falar-me o corvo, empoleirado ali em frente,
Nos meus próprios umbrais!
Pois me parece que mortal jamais fitou
Ave falante que seu nome declarou
Ser, tão só, "Nunca mais!"

Só isso disse, e conservou-se solitário,
Como se fossem todo o seu vocabulário
As palavras fatais!
"Muitos amigos - murmurei - foram-se embora!
Também o corvo partirá, chegando a aurora..."
E ele diz: "Nunca mais!"

Estremecendo ante a resposta apropriada,
Pensei comigo: "Esta palavra malfadada,
Que ele diz, mais e mais,
Há de porvir de um dono a quem a dor feriu
Tão fundamente que, afinal, só conseguiu
Repetir "Nunca mais!"

Virei, então, uma cadeira almofadada,
Que coloquei perante o busto e a ave malvada,
Bem defronte aos umbrais,
E, ao me largar sobre o veludo, eu refletia
No que a medonha e horrível ave pretendia
Com o seu "Nunca mais!"

Enquanto ali, sem lhe falar, conjeturava,
O olhar do corvo no meu peito se cravava,
Como um par de punhais...
Minha cabeça descansava na almofada
Onde Lenora, doce e bela, a fronte amada
Não porá, nunca mais...

Subitamente, o ar se torna perfumado,
Qual se um turíbulo tivessem agitado
Serafins celestiais...
Então pra mim bradei: "Um deus te atende à prece!
Eis o remédio pra saudade! Sorve! Esquece!"
E a ave diz: "Nunca mais!"

"Profeta" - eu grito - "anjo do mal, ave ou satã,
Que penetraste nesta casa horrenda e vã,
Com teus olhos fatais!
Eu te suplico, dize logo, sem demora:
Existe um bálsamo pra dor que me devora?!"
Só ouvi: "Nunca mais!"

"Profeta" - eu grito - "anjo do mal, bicho nocivo!
Por este céu que sobre nós se estende altivo,
Pelo Deus dos mortais!
Dize à minha alma se, no Éden tão distante,
Ela verá Lenora, a bela, a radiante?!"
A ave diz: "Nunca mais!"

Eu brado, então: "Que esta resposta nos afaste!
Regressa à noite de Plutão, de onde chegaste!
Volta às trevas fatais!
Não deixes pena pra atestar essa mentira!
Tua figura, do meu lar, pra longe tira!"
Retorquiu: "Nunca mais!"

E o corvo, imóvel, inda agora está pousado
Sobre o portal, e seu olhar atormentado
Tem fulgores letais...
No chão percebo sua sombra projetada
E dentro dela está minha alma, acorrentada,
Que dali não sai mais!...

 


(16) 99248-0091

A Barata - O Site

A Barata Ao Vivo

Amigos & Livros

A Arca do Barata

Arquivos Abertos

Artesanato

Artigos
As Faces d'O Corvo
Augusto dos Anjos

Ataraxia

Barata Cichetto, Quem É?

Barata Rocker

Biografi'As Baratas

Camisetas

Cinematec'A Barata

Coletâneas de Rock

Colunas Antigas
Conte Comigo, Conte Pra Mim
Contos d'A Barata
Convergências
Crom

Crônic'As Baratas

De Poeta a Poeta

Depoimentos

Des-Aforismos Poéticos Baratianos

Discoteca d'A Barata

Download Free

Ensaios Musicais

Entrevist'As Baratas

Eventos

Facebookianas
Fal'A Barata!
Fotos
Gatos & Alfaces
Kakerlak Doppelgänger
Livrari'A Barata
Livros
Madame X
Memória A Barata
Micrônic'As Baratas

Na Mídia

O Anjo Venusanal
Pinturas
Pi Ao Quadrado

Poesi'a Barata

Ponto de Fuga
Pornomatopéias
PQP - Puta Que Pariu
Prefácios & Editoriais
Projeto Sangue de Barata
Psychotic Eyes
Renato Pop
Resenhas

Retratos e Caricaturas

Revist'A Barata Digital

Revist'A Barata

Seren Goch: 2332

Sub-Versões

Tublues

Versus

Videos

Vitória

Webradio

Todos os textos, exceto quando indicados, são de autoria de Luiz Carlos Giraçol Cichetto, nome literário Barata Cichetto, e foram registrados na Fundação Biblioteca Nacional. Não é permitida a publicação em nenhum meio de comunicação sem a prévia autorização do autor, bem como o uso das marcas "A Barata" e "Liberdade de Expressão e Expressão de Liberdade". Lei de Direitos Autorais: 9610/98.
 On Line

Política de PrivacidadeFree counter users online