(16) 99248-0091

Apóie a continuidade deste trabalho, totalmente independente desde 1997. Saiba como participar clicando na imagem ao lado.

1958 1990 1997 1998 1999 2000 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013 2014 2015 2016 2017 2018

O Corvo - Tradução: Cabral do Nascimento (1972 - Brasil)



Em certa triste meia-noite, quando eu deprimido e quase dormitando
Lia um volume singular de esquecidas artes imemoriais,
Ouvi baterem de repente, como que muito levemente,
À porta do meu quarto umas pancadas irreais;
«Uma visita», disse, «bate pancadas irreais...
Apenas isto, e nada mais.»

Ah, perfeitamente lembro que era agreste dezembro
E cada brasa enviava ao chão os seus clarões finais.
Quanto ansiava o dia! Aos livros eu pedia
Me fizessem esquecer a que os anjos, seus iguais,
Chamam Lenore, virgem radiosa, de quem os anjos são iguais...
Seu nome aqui, para nunca mais.

Da seda purpurina o rumor triste e vago na cortina
Enchia-me de temores não sentidos jamais.
Assim para a acalmia do meu peito eu repetia:
"É uma visita só, que pede entrada a horas tais...
É apenas isto e nada mais."

Fortaleci o coração e, sem qualquer hesitação,
"Senhor ou dama", perguntei, "realmente perdoais
A quem adormeceu? Tão de leve bateu
Realmente vossa mão, de leve, nos umbrais
Da porta..." E assim falando abri os meus umbrais...
Negrume só e nada mais.

Ali, as trevas espiando, muito tempo fiquei pensando,
Duvidando e sonhando sonhos nunca sonhados por mortais;
Mas o silêncio era constante e a paz das trevas incessante
E os sons, únicos sons sussurrados como ais
Foram do nome "Lenore" que eu soltei como em uns ais...
Isto somente e nada mais.

De volta ao interior, com a alma cheio de ardor,
Senti nova pancada, esta mais forte que as demais;
"É com certeza agora alguma coisa fora
Do postigo... Verei que são estes sinais.
Quando estiver mais calmo irei ver os sinais...
É o vento e nada mais."

As janelas abri de par em par e logo vi entrar
Esvoaçando agitado um grande corvo de eras primordiais
Nenhuma reverência me prestou, nem um só instante parou,
Mas junto à porta empoleirando-se com ares senhoriais,
Sobre um busto de Palas, com ares senhoriais,
Ficou pousado e nada mais.

A negra ave então desfez, pelo aspecto grave,
A minha melancolia, com seus gestos rituais,
"Embora", eu disse, "tosquiada tenhas a poupa, não és nada
De um covarde ou de um sinistro corvo de noites infernais.
Declara o nome que usas nessas noturnas praias infernais..."
Volveu o Corvo: "Nunca mais."

Maravilhei-me ouvindo a feia ave proferindo
Esta resposta tão concreta mas sem propósitos reais.
Pois hei-de crer que eu, um ser humano, possa ter
Uma ave sobre a porte dos meus pousos habituais,
Ave ou quadrúpede, num busto, em meus pousos habituais,
E com o nome "Nunca Mais"?

Mas o Corvo, que lá estava no busto plácido só expressava
Duas palavras, qual se fluísse nelas os dotes espirituais.
Nada mais pronunciou, nem uma só pena agitou,
E eu murmurei: "Outros amigos foram já nas auras celestiais;
Este irá de manhã, com as Esperanças, nas auras celestiais..."
E ele então disse: "Nunca mais."

Estremecendo nessa paz a uma réplica tão sagaz,
Pensei: "O que ele diz é quanto em períodos cruciais
Um dono lhe ensinou e a quem o destino fustigou
De modo que os cantos seus só comportassem sons letais,
Que os cantos fúnebres da Esperança fossem só os sons letais
Desse estribilho "Nunca mais."

Porém, o Corvo, levando minha alma triste a um riso brando,
Fez-me com que, sentado, frente a ele e ao busto, em sonhos graduais,
Pensasse no que essa ave de outrora, aquela grave
Negra e agourenta criatura dos tempos imemoriais,
Ao crocitar o "Nunca mais".

Nisto cuidando, sem falar, vendo a ave singular
Cujas pupilas me queimavam até ao peito, fulgurais,
Nisto e no resto ponderando e a cabeça reclinando
No coxim roxo de veludo, em meus pátrios locais,
Não tocará jamais...

Julguei que o ar era mais denso, perfumado de insensível incenso
Do turíbulo de um serafim com passos de tinidos de cristais.
"Biltre!", gritei. "Deus emprestou-te o nepentes, deu-te os véus
Que ofuscam a Lenore... Oh, bebe-lhe as gotas letais
Que apagam a memória de Lenore, gotas letais..."
Volveu o corvo: "Nunca mais."

"Profeta, anjo do mal, profeta ou pássaro infernal,
Se o Tentador te envia, ou te deitou o vento a estas costas hibernais,
Livres mas desoladas, terras desertas e encantadas,
Ao lar que o horror habita, diz-me em palavras leais
Se há em Galaade um bálsamo.... di-lo em palavras leais."
Falou o Corvo: "Nunca mais."

"Profeta, anjo do mal, profeta ou pássaro infernal
Pelo céu que a nós cobre, por Deus, alvo dos nossos rituais,
Conta a esta alma triste se no Éden onde ela existe,
Posso beijar a virgem a quem as cortes celestiais..."
Disse-me o Corvo: "Nunca mais."

"Seja isso o sinal de nos apartarmos... ave ou espírito do mal!
Reentra na tempestade e nas noturnas praias infernais,
Nem uma pena tenebrosa deixes em prova de tua alma odiosa,
Poupa a minha solidão e o busto acima dos meus umbrais.
Tira o teu bico do meu peito e some-te dos meus umbrais!"
O Corvo disse: "Nunca mais."

E o Corvo, sem se afastar, continua nesse lugar,
No busto pálido de Palas, em meus pátrios locais.
Sua expressão medonha tem o ar de um diabo que sonha;
A vela de cera sobre ele verte-lhe a sombra nas tábuas espectrais,
E dessa sombra a minha alma, flutuando nas tábuas espectrais,
Não se erguerá jamais!


. . .

 


(16) 99248-0091

A Barata - O Site

A Barata Ao Vivo

Amigos & Livros

A Arca do Barata

Arquivos Abertos

Artesanato

Artigos
As Faces d'O Corvo
Augusto dos Anjos

Ataraxia

Barata Cichetto, Quem É?

Barata Rocker

Biografi'As Baratas

Camisetas

Cinematec'A Barata

Coletâneas de Rock

Colunas Antigas
Conte Comigo, Conte Pra Mim
Contos d'A Barata
Convergências
Crom

Crônic'As Baratas

De Poeta a Poeta

Depoimentos

Des-Aforismos Poéticos Baratianos

Discoteca d'A Barata

Download Free

Ensaios Musicais

Entrevist'As Baratas

Eventos

Facebookianas
Fal'A Barata!
Fotos
Gatos & Alfaces
Kakerlak Doppelgänger
Livrari'A Barata
Livros
Madame X
Memória A Barata
Micrônic'As Baratas

Na Mídia

O Anjo Venusanal
Pinturas
Pi Ao Quadrado

Poesi'a Barata

Ponto de Fuga
Pornomatopéias
PQP - Puta Que Pariu
Prefácios & Editoriais
Projeto Sangue de Barata
Psychotic Eyes
Renato Pop
Resenhas

Retratos e Caricaturas

Revist'A Barata Digital

Revist'A Barata

Seren Goch: 2332

Sub-Versões

Tublues

Versus

Videos

Vitória

Webradio

Todos os textos, exceto quando indicados, são de autoria de Luiz Carlos Giraçol Cichetto, nome literário Barata Cichetto, e foram registrados na Fundação Biblioteca Nacional. Não é permitida a publicação em nenhum meio de comunicação sem a prévia autorização do autor, bem como o uso das marcas "A Barata" e "Liberdade de Expressão e Expressão de Liberdade". Lei de Direitos Autorais: 9610/98.
 On Line

Política de PrivacidadeFree counter users online