(16) 99248-0091

Apóie a continuidade deste trabalho, totalmente independente desde 1997. Saiba como participar clicando na imagem ao lado.

1958 1990 1997 1998 1999 2000 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013 2014 2015 2016 2017 2018

O Corvo - Tradução: Aluysio Mendonça Sampaio (1998 - Brasil)



Um dia, quase à meia noite, eu lia, lento e fatigado,
Um livro raro e curioso sobre doutrinas do passado,
Quando, cochilando, quase a dormir, ouvi leve ruído,
Como se alguém, gentilmente, batesse, batesse à porta do meu quarto.
"É algum visitante", murmurei, "batendo à porta do meu quarto —
— Somente isso e nada mais."

Ah! recordo claramente: foi no gélido Dezembro,
Cada brasa flamejante projetando sombras sobre o chão.
Ansiosamente desejei o amanhã; em vão tentei alcançar
no meu livro o cessar da aflição — aflição pela perda de Lenora —
rara e radiosa virgem a quem os anjos chamam Lenora —
e seu nome, aqui, nunca mais.

E o sutil, sombrio tremular de cada cortina púrpura desbotada
sobressaltou-me — dominou-me sob fantástico pavor nunca sentido;
Então, para acalmar o bater de meu coração, ergui-me repetindo:
"É algum visitante pedindo para entrar pela porta de meu quarto —
Algum tardio visitante pedindo para entrar pela porta de meu quarto —
É isto e nada mais."

Logo minha alma cresceu fortalecida: hesitando então ansiosamente,
"Senhor", eu disse, "ou Senhora, imploro sinceramente teu perdão,
Mas o fato é que eu estava dormitando e tão gentilmente bateste à porta,
E tão levemente vieste batendo, batendo à porta do meu quarto
Que eu pensei estar a ouvír-te" — e aí abri amplamente a porta —
Apenas vi a escuridão e nada mais.

Espreitando no fundo da escuridão, permaneci em pé,assombrado,receoso,
Incrédulo, sonhando sonhos que nenhum mortal antes ousara sonhar.
Mas o silêncio permaneceu, e a calma não sugeriu qualquer presságio.
E a única palavra então dita foi o sussurrado nome, "Lenora!"
Que eu sussurrei e após um eco murmurou, "Lenora!"
Somente isso e nada mais.

Voltando para dentro do quarto, no âmago ardendo-me a alma
Logo ouço outra vez um ruído, tão inquieto quanto dantes.
"Certamente", disse, "certamente é algo na grade da janela;
Deixe-me ver, então, o que há, para desvendar este mistério —
Acalme-se o coração um momento para desvendar este mistério, —
É o vento, e nada mais."

Aberta a janela lanço-me ao postigo, e, inquieto e sobressaltado,
Vejo pousado um majestoso Corvo dos sagrados tempos de outrora.
Ele não fez mínima reverência, nem pausa em sua postura inerte,
Mas, com pose de lord ou de lady, pousado sobre a porta do meu quarto —
Empoleirado no busto de Palas acima da porta do meu quarto —
Pousado e sentado, e nada mais.

Então, a ave de ébano divertiu-se com minha dor disfarçada em sorriso,
Apesar da grave e austera aparência do meu rosto fatigado.
"Embora de crista raspada, tu", eu disse, "astúcia infalível e ousada,
Lívido, horrível, e velho Corvo, errante de noturnas plagas,
Dize-me que nobre nome tens nas plagas das Noites de Plutão!
Disse o Corvo, "Nunca mais".

Espantou-me ouvir a grotesca ave falar tão claramente
Embora sua resposta, sem relevância, pouco significasse;
Não podemos crer que algum vivente humano, em alguma noite,
houvesse visto um pássaro dizer, pousado sobre a porta do quarto —
ave ou fera sobre o esculpido busto acima da porta de seu quarto —
que seu nome é este "Nunca mais".

Mas o corvo, solitário, sentado sobre o plácido busto, apenas disse
Aquelas únicas palavras, como se nelas estivesse toda sua alma.
Permaneceu imóvel, sem mexer sequer as penas,
Até que eu murmurei: "Outros amigos antes se foram:
Amanhã tu voarás, como antes voaram-me as esperanças."
Então o pássaro disse: "Nunca mais."

Surpreso com a quebra do silêncio pela sonante resposta,
"Por certo", falei, "o que ele diz é apenas um refrão
Aprendido de seu infeliz dono a quem cruéis infortúnios
Se seguiram e perseguiram-no, restando-lhe a triste canção
Findas as esperanças naquele melancólico estribilho
Do "Nunca — Nunca mais."

Mas o Corvo divertiu-se com minha dor disfarçada em sorriso.
Firme girei no assento acolchoado diante do pássaro, do busto e porta;
Então, afundado no aveludado da cadeira, fiquei a raciocinar,
Idéia após idéia, pensando no que queria dizer o pássaro agourento de outrora,
Este sujo, desastrado, horrível e agourento pássaro de outrora
Grasnando "Nunca mais".

Fiquei raciocinando mas sequer palavra dirigindo
À ave, cujos olhos de fogo incendiavam o vazio do meu peito;
Isto e ainda mais: eu, reclinando minha cabeça
Sobre o veludo da almofada que o candeeiro iluminava,
Imaginava que sobre aquela almofada violácea iluminada pelo candeeiro
Ela jamais repousará, ah, nunca mais!

Então — pareceu-me — adensou-se o ar, perfumado por invisível turíbulo
balançado por um serafim, cujos passos ressoavam no chão atapetado.
"Desgraçado", gritei, "teu Deus te concedeu, pelos anjos que te enviou,
Descanso — descanso e bálsamo para tua lembrança de Lenora!
Guarde, oh guarde esta doce lembrança, e olvide a perda de Lenora!"
Disse o Corvo, "Nada mais."

"Profeta!", eu disse, "profeta, ou pássaro do demônio! —
Quer sejas um enviado sedutor, ou tempestade lançada sobre a terra,
Solitário mas intrépido em tua terra deserta, encantada,
Em teu lar pelo Horror invadido — dize-me sinceramente, eu imploro:
Existe — existe bálsamo em Galaad — dize-me — eu imploro!"
O Corvo disse, "Nunca mais."

"Profeta! — eu disse, — coisa do diabo! profeta pássaro do demônio!
Pelo céu que se arqueia sobre nós, por aquele Deus que ambos adoramos,
Dize a esta alma carregada de tristeza se, no distante Éden,
Poderei abraçar a sagrada virgem a quem os anjos chamam Lenora:
Abraçar uma rara e radiante virgem a quem os anjos chamam Lenora."
O Corvo disse, "Nunca mais".

"Sejam estas palavras nosso adeus, pássaro ou demônio!"gritei, erguendo-me:
"Regresse à tempestade, às terras da Noite de Plutão!
Não deixe pluma negra que relembre a mentira de tuas vãs palavras!
Deixe-me na solidão que violaste! saia do busto acima de minha porta!
Afasta teu bico adunco de meu peito, e tua figura suma do meu quarto!
O corvo disse, "Nunca mais".

E o Corvo, sem voar, continua pousado, continua pousado
Sobre o busto pálido de Pallas, acima da porta do meu quarto;
E seus olhos têm toda aparência de um demônio sonhando,
E a luz do candeeiro projeta sua sombra sobre o chão
E, daquela sombra que flutua no chão, minha alma
Não se erguerá — nunca mais.

 


(16) 99248-0091

A Barata - O Site

A Barata Ao Vivo

Amigos & Livros

A Arca do Barata

Arquivos Abertos

Artesanato

Artigos
As Faces d'O Corvo
Augusto dos Anjos

Ataraxia

Barata Cichetto, Quem É?

Barata Rocker

Biografi'As Baratas

Camisetas

Cinematec'A Barata

Coletâneas de Rock

Colunas Antigas
Conte Comigo, Conte Pra Mim
Contos d'A Barata
Convergências
Crom

Crônic'As Baratas

De Poeta a Poeta

Depoimentos

Des-Aforismos Poéticos Baratianos

Discoteca d'A Barata

Download Free

Ensaios Musicais

Entrevist'As Baratas

Eventos

Facebookianas
Fal'A Barata!
Fotos
Gatos & Alfaces
Kakerlak Doppelgänger
Livrari'A Barata
Livros
Madame X
Memória A Barata
Micrônic'As Baratas

Na Mídia

O Anjo Venusanal
Pinturas
Pi Ao Quadrado

Poesi'a Barata

Ponto de Fuga
Pornomatopéias
PQP - Puta Que Pariu
Prefácios & Editoriais
Projeto Sangue de Barata
Psychotic Eyes
Renato Pop
Resenhas

Retratos e Caricaturas

Revist'A Barata Digital

Revist'A Barata

Seren Goch: 2332

Sub-Versões

Tublues

Versus

Videos

Vitória

Webradio

Todos os textos, exceto quando indicados, são de autoria de Luiz Carlos Giraçol Cichetto, nome literário Barata Cichetto, e foram registrados na Fundação Biblioteca Nacional. Não é permitida a publicação em nenhum meio de comunicação sem a prévia autorização do autor, bem como o uso das marcas "A Barata" e "Liberdade de Expressão e Expressão de Liberdade". Lei de Direitos Autorais: 9610/98.
 On Line

Política de PrivacidadeFree counter users online