(16) 99248-0091

Apóie a continuidade deste trabalho, totalmente independente desde 1997. Saiba como participar clicando na imagem ao lado.

1958 1990 1997 1998 1999 2000 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013 2014 2015 2016 2017 2018

O Corvo - Tradução: Luis Carlos Guimarães (1998 - Brasil)



Certo dia, passava da meia-noite, eu meditava
sobre doutrinas exóticas de antigos manuais,
até que, a mente cansada, amargurado, leve pancada
escutei à entrada, e esse ligeiro toque à porta
me fez dizer — "Um visitante batendo à minha porta,
que deseja a horas tais?"

Aquele gelado dezembro, como ainda o relembro!
O fogo da lareira desenhava no ar fantasmais
figuras. O torpor não me venceu e li com ardor
para abrandar a dor da infinda ausência de Lenora,
a bem-amada, na glória do céu chamada Lenora
e que ainda não chamam mais.

Assim como a pressaga mensagem de uma brisa vaga
as cortinas se agitaram, trazendo medos mortais
ao meu ser de melancolia sozinho na noite fria.
A mim mesma afirmaria: — "É alguém que pede amparo
e vem á minha casa.Alguém que seja talvez me seja caro.
Isso apenas, nada mais".

E com vigor na ocasião, firme, com resolução
indaguei: — "Homem ou mulher, quem seja, por que chegais
na hora em que, meio adormecido, me soou ao ouvido
um tão apegado e breve ruído à porta da sua casa,
que ao sair à amplidão, fui encontrar fora de casa
só a noite, nada mais?"

No luto cerrado e profundo que amortalhava o mundo,
nem a luz errante de uma estrela nos espaços astrais.
Noite de horror, enganosa. Na paisagem trevosa,
quase um grilto, uma voz chorosa chamou por Lenora.
uma vez, e nada mais."

Não mais rude ao relento, mas no calor do aposento,
senti um calafrio de pavor ao notar nos vitrais
da janela persistentes batidas interminentes.
São rajadas inclementes, talvez sinal agourento
do vento do inverno. Do vento que passava agourento
e não voltou mais, jamais!

Eis que ao abrir o postigo, certo para buscar abrigo
entrou solene corvo de tempos imemoriais,
em vôo suave deslizando, e nem sequer hesitando
foi pousando num busto de Pales, a um canto da sala.
E instalado no busto de Palas, grave, ali na sala
temor não me causou mais.

Por que uma ave maldita suavizou minha desdita
e me fez sorrir? Essa amiga das noites sepulcrais
tem a cabeça levantada e sua crista aparada
a cor aveludada de penas negras com uns olhos
radiosos que fulminam — "ó irmã da escuridão,
— perguntei — como é teu nome no reino de Plutão?"
Disse o Corvo, "Nunca Mais".

Um corvo falar com voz humana á ato singular,
nunca visto, prodígio além das coisas naturais.
Entre surpreso e assustado assisti o fato assinalado,
quando, com acento pausado na voz calma e severa,
em longe dezembro , na desolada noite funesta,
sisuda, ares de nobreza, asseverou a ave funesta
ser seu nome "Nunca Mais".

Sobre a escultura de Palas, o Corvo aprova ou Censura?
Encarna a aura dos profetas ou a galhafa dos jograis?
As duas palavras sem brilho parecem estribilho
de refrão ou trocadilho que guardam algum segredo.
Na onda de tais idéias, concluí: — "Acaso vais embora,
como minhas ilusões, ó ave triste, ao raiar da aurora?"
Disse o Corvo "Nunca Mais".

O timbre monótono da resposta que a voz emposta,
aguça a reflexão para estas palavras cruciais,
que algum demônio sem remédio para o eterno tédio
ao Corvo fez assédio para, em tortura a vida inteira,
insone noite e dia, anunciar pela vida inteira
o bordão do "Nunca Mais".

Outra vez provei o gosto de breve alegria no rosto
e fitei o Corvo no busto grasnando sons augurais.
E bem diante dele postado, antevi o mascarado
intento malvado de prosseguir pela noite torva
sendo a ave do destino aziago que a tudo estorva
repetindo "Nunca Mais."

Em cismas me consumia, e embora absorto sabia
que me fulminavam aqueles duros olhos fatais.
Na almofada de seda clara a cabeça recostara,
na poltrona onde repousara a bem-amada Lenora
na penumbra dos idos do passado, e agora Lenora
não dormirá nunca mais.

Então qual estranho incenso subiu no ar perfume intenso
derramado por anjos de turíbulos divinais.
— "Tanto lamento em vão !" — exclamei. Apenas o esquecimento
sanará o ferimento da tua alma, ó desventurado!
Bebe o nepente e esquecerás Lenora, ó desventurado!
Disse o Corvo, "Nunca Mais."

— "Profeta ou senhor da treva, — clamei — aonde o mal te leva,
ó filho de satã salvo do furor dos vendavais,
que aportando na terra, sem cansaço, pelo tempo erra,
e na noite que aterra vem á minha casa? Responde
se encontrarei um bálsamo em Galaad. Onde está, onde?"
Disse o Corvo, "Nunca Mais."

— "Profeta ou senhor da treva, — clamei — aonde o mal te leva?
Pelo Deus que venero nos páramos celestiais,
dizei á minha alma magoada se no céu tem morada
a radiante amada, que os serafins chamavam Lenora,
que os serafins das legiões celeste chamavam Lenora."
Disse o Corvo, "Nunca Mais."

— "Seja a hora da despedida! — bradei — Alça o vôo da partida
e torna aos abismos do inferno, ao fragor dos temporais.
Vai, Corvo da falsidade, nenhuma pena tua há-de
ficar, nem saudade. Deixa-me com a solidão. Parte!
Retira as garras cravadas no meu coração e parte!"
Disse O Corvo, "Mais Mais."

O Corvo já não fala, parado no busto de Palas
estará para sempre. Acordado — os olhos espectrais —
sonho o pesadelo de uma divindade medonha
e minha alma tristonha enferma de tristeza sem fim,
presa à sombra da ave tomba na luz mortiça e enfim
não se erguerá nunca mais.

 


(16) 99248-0091

A Barata - O Site

A Barata Ao Vivo

Amigos & Livros

A Arca do Barata

Arquivos Abertos

Artesanato

Artigos
As Faces d'O Corvo
Augusto dos Anjos

Ataraxia

Barata Cichetto, Quem É?

Barata Rocker

Biografi'As Baratas

Camisetas

Cinematec'A Barata

Coletâneas de Rock

Colunas Antigas
Conte Comigo, Conte Pra Mim
Contos d'A Barata
Convergências
Crom

Crônic'As Baratas

De Poeta a Poeta

Depoimentos

Des-Aforismos Poéticos Baratianos

Discoteca d'A Barata

Download Free

Ensaios Musicais

Entrevist'As Baratas

Eventos

Facebookianas
Fal'A Barata!
Fotos
Gatos & Alfaces
Kakerlak Doppelgänger
Livrari'A Barata
Livros
Madame X
Memória A Barata
Micrônic'As Baratas

Na Mídia

O Anjo Venusanal
Pinturas
Pi Ao Quadrado

Poesi'a Barata

Ponto de Fuga
Pornomatopéias
PQP - Puta Que Pariu
Prefácios & Editoriais
Projeto Sangue de Barata
Psychotic Eyes
Renato Pop
Resenhas

Retratos e Caricaturas

Revist'A Barata Digital

Revist'A Barata

Seren Goch: 2332

Sub-Versões

Tublues

Versus

Videos

Vitória

Webradio

Todos os textos, exceto quando indicados, são de autoria de Luiz Carlos Giraçol Cichetto, nome literário Barata Cichetto, e foram registrados na Fundação Biblioteca Nacional. Não é permitida a publicação em nenhum meio de comunicação sem a prévia autorização do autor, bem como o uso das marcas "A Barata" e "Liberdade de Expressão e Expressão de Liberdade". Lei de Direitos Autorais: 9610/98.
 On Line

Política de PrivacidadeFree counter users online