(16) 99248-0091

Apóie a continuidade deste trabalho, totalmente independente desde 1997. Saiba como participar clicando na imagem ao lado.

1958 1990 1997 1998 1999 2000 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013 2014 2015 2016 2017 2018

O Corvo - Tradução: Diego Raphael (2000 - Brasil)



Certa vez, à noite infausta, quando, extenuada, exausta,
Debruçada eu tinha a vista sobre tomos doutrinais,
Quando, quase cochilando, ouvi, de súbito, tocando,
Tão de leve alguém chamando, tão de leve em meus portais;
"Deve ser um visitante", falo, "e bate em meus portais.
É só isso e nada mais".

Ah! por certo hoje me lembro, era no gélido Dezembro,
E no chão lançava as chamas densas sombras fantasmais;
Ansiava eu pela aurora e lia, em vão, àquela hora
Por saudade de Lenora, quem nas chusmas celestiais
Tem o nome de Lenora, e só nas chusmas celestiais,
Pois aqui já não tem mais.

E o incerto, triste som do cortinal de rubro tom
Incutia em mim temores não sentidos, ah, jamais!
P'ra acalmar meu coração eu repetia este refrão:
"Alguém pede proteção e vem bater em meus portais -
Alguém pede proteção e vem, tardio, a meus portais -;
É só isso e nada mais".

Ganho assim mais confiança e digo, enfim, com segurança:
"Meu senhor, minha senhora, perdoai-me, se esperais;
É que estava cochilando, e tão de leve aqui chamando
Viestes vós, aqui tocando, aqui tocando em meus portais,
Que não pude vos ouvir" - escancarei, pois, os portais -:
Pura treva e nada mais.

Toda a treva contemplando, ali fiquei, conjeturando
E também sonhando sonhos que ninguém sonhou iguais;
No silêncio então sentido, ante o negror, estarrecido,
Um só nome proferido foi "Lenora!" entre os demais,
E de volta o eco ecoa o só "Lenora!" entre os demais;
Isso apenas, nada mais.

Regressando ao quarto, então, a alma inteira em aflição,
Escutei de novo o toque, mas em tons tão desiguais,
Que assim falo: "É da janela que provém essa querela;
Deixa eu ver quem bate nela e resolver mistérios tais;
Que meu peito se acomode ao resolver mistérios tais -
É o vento e nada mais".

Abro, enfim, o meu vitral e, aflando, vem do temporal
Um austero, nobre Corvo de áureas eras ancestrais;
Ah! não me cumprimentou, por um momento não parou,
Mas com um ar solene ousou pousar bem sobre meus portais;
Sobre o busto de Minerva foi pousar, em meus portais:
Só pousou e nada mais.

E eis que a ave estranha, escura, por sua tão grave postura
Contentou minha amargura, desprendeu-me de meus ais;
"Apesar da crista rente", assim lhe digo, "és tu valente,
Corvo de eras precedentes, vindo de orlas infernais;
Qual teu nome, o nobre nome nessas orlas infernais?"
Disse o Corvo: "Nunca mais".

Encantei-me ao escutar aquela ave se expressar,
Apesar de tal resposta ser tão falha em ideais;
Pois não foi a ninguém dado ver um pássaro pousado,
Sobre um busto empoleirado, empoleirado em seus portais -
Uma ave ou uma besta sobre um busto em seus portais -
Que se chame "Nunca mais".

Mas o Corvo, só, no busto, murmurou, pressago, augusto,
Tais palavras, quais se fossem à sua alma sempre iguais;
Tais palavras disse, apenas; não moveu uma só pena
E afinal falo, ante a cena: "Vai com os toques matinais,
Ele irá, quais velhos sonhos, com os toques matinais".
Disse o Corvo: "Nunca mais".

Digo, ao vê-lo tão exato responder-me, estupefato:
"Certamente só falar sabe estas sílabas fatais,
Com algum dono aprendidas, cuja triste, amarga vida
Foi assim tão perseguida pelo Fado, que seus ais,
Que do sonho melancólico a endecha toda em ais
Só diz "nunca, nunca mais".

Contentando-me a amargura ainda a ave estranha, escura,
Volteei numa poltrona, frente ao busto, a meus portais;
Sob o estofo pus-me, então, a refletir sobre a questão,
Sobre o que tal Corvo, tão sinistro, de eras ancestrais,
Quis dizer, a mim dizer tal Corvo de eras ancestrais
Ao grasnar-me "nunca mais".

Contemplando-o, me sentei; nenhuma sílaba falei,
E seus olhos penetravam em meu peito, sepulcrais;
Com a fronte reclinada, ali pensava, à almofada
Da poltrona aveludada onde dançavam, fantasmais,
Densas sombras, mas onde ela, em meio às sombras fantasmais,
Não se inclina, ah! nunca mais.

Fez-se o ar então mais denso, perfumado pelo incenso
Esparzido, aqui trazido por legiões angelicais;
"Deus te dá", lhe digo, "agora, esquecimento de Lenora,
Um descanso das memórias da que é dona de meus ais;
Bebe, oh! bebe este nepente e esquece a dona de meus ais".
Disse o Corvo: "Nunca mais".

"Ah! profeta, ave infernal, profeta sempre, anjo do mal,
Se te envia o Tentador ou se te enviam temporais,
Se te enviam à morada, até esta casa desolada,
Pelo horror tão freqüentada, dize a mim, dá-me os sinais:
Há, há bálsamo em Galaad? Imploro, dá-me teus sinais".
Disse o Corvo: "Nunca mais".

"Ah! profeta, ave infernal, profeta sempre, anjo do mal,
Pelo Deus que nós amamos, pelas orlas divinais,
Fala a mim se, morto embora, se no Éden, fala agora,
Fala se hei de ver Lenora, quem nas chusmas celestiais
Tem o nome de Lenora, e só nas chusmas celestiais".
Disse o Corvo: "Nunca mais".

"Que aqui nos despeçamos, ave ou besta!" tal lhe exclamo;
"Volta à Noite Plutoniana, volta aos negros temporais!
Que não reste uma expressão do que falou teu coração!
Deixa em paz minha solidão e ergue vôo de meus portais!
Tira as garras do meu peito e ergue vôo destes portais!"
Disse o Corvo: "Nunca mais".

E eis que o Corvo, empoleirado, ali pousado, ali pousado
Fica sobre o branco busto de Minerva, em meus portais;
Em seu turvo olhar habita um demônio que medita
E desenha a luz, precita, sua sombra em meus umbrais;
E minh'alma, de tal sombra desenhada em meus umbrais,
Há de ergue-se, ah! nunca mais.

Obs. Para a realização desta tradução, tive o auxílio sempre atencioso e inteligente de Lucie Jodasová, que, muito pacientemente, a leu em voz alta várias vezes, cotejando sempre com o original, dando-me o tom necessário para a sua feitura.

 


(16) 99248-0091

A Barata - O Site

A Barata Ao Vivo

Amigos & Livros

A Arca do Barata

Arquivos Abertos

Artesanato

Artigos
As Faces d'O Corvo
Augusto dos Anjos

Ataraxia

Barata Cichetto, Quem É?

Barata Rocker

Biografi'As Baratas

Camisetas

Cinematec'A Barata

Coletâneas de Rock

Colunas Antigas
Conte Comigo, Conte Pra Mim
Contos d'A Barata
Convergências
Crom

Crônic'As Baratas

De Poeta a Poeta

Depoimentos

Des-Aforismos Poéticos Baratianos

Discoteca d'A Barata

Download Free

Ensaios Musicais

Entrevist'As Baratas

Eventos

Facebookianas
Fal'A Barata!
Fotos
Gatos & Alfaces
Kakerlak Doppelgänger
Livrari'A Barata
Livros
Madame X
Memória A Barata
Micrônic'As Baratas

Na Mídia

O Anjo Venusanal
Pinturas
Pi Ao Quadrado

Poesi'a Barata

Ponto de Fuga
Pornomatopéias
PQP - Puta Que Pariu
Prefácios & Editoriais
Projeto Sangue de Barata
Psychotic Eyes
Renato Pop
Resenhas

Retratos e Caricaturas

Revist'A Barata Digital

Revist'A Barata

Seren Goch: 2332

Sub-Versões

Tublues

Versus

Videos

Vitória

Webradio

Todos os textos, exceto quando indicados, são de autoria de Luiz Carlos Giraçol Cichetto, nome literário Barata Cichetto, e foram registrados na Fundação Biblioteca Nacional. Não é permitida a publicação em nenhum meio de comunicação sem a prévia autorização do autor, bem como o uso das marcas "A Barata" e "Liberdade de Expressão e Expressão de Liberdade". Lei de Direitos Autorais: 9610/98.
 On Line

Política de PrivacidadeFree counter users online