(16) 99248-0091

Apóie a continuidade deste trabalho, totalmente independente desde 1997. Saiba como participar clicando na imagem ao lado.

1958 1990 1997 1998 1999 2000 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013 2014 2015 2016 2017 2018

O Corvo - Tradução: Eduardo Andrade Rodrigues (2000 - Brasil)



Foi numa noite à hora sinistra... Exausto e enfermo, eu tinha a vista
Por sobre hieráticos volumes de antiquíssimo teor.
E a cochilar, pouco desperto, ouvi soar um toque incerto,
Tal qual se houvesse alguém, bem perto do meu quarto. “Esse rumor
É de uma visita”, murmurei, “que bate à porta! Esse rumor
É um toque, um toque, sim senhor.”

Nunca esqueci... Era um Dezembro glacial! Tão bem relembro
A luz do fogo produzindo sobre o chão sombras de horror...
Por ver o fim da noite escura eu lia — Lia, e na leitura
Eu procurava (vã procura!) não pensar em Eleonor —
A bela virgem fulgurante que é nos céus Eleonor,
Mas entre nós, não mais, Senhor!

E o triste e tênue movimento das cortinas do aposento
Entrou-me n'alma e pôs-me trêmulo... Em fantástico terror,
Eu, por dar calma ao peito aflito de emoção total, repito:
“É só um amigo que visita o meu solar acolhedor-
É algum tardio amigo em busca de um lugar acolhedor;
Apenas isso, sim senhor.

E enfim, sem mais hesitação, fortalecido, eu disse então:
“Senhor, senhora? Perdoai-me pela espera, por favor.
Mas é que estava em sono tal quando batestes neste umbral
Que eu mal podia ouvir e mal, de fato, ouvi, em meu torpor,
Tão leve toque!” — E abrindo a porta por completo, em meu torpor,
Contemplo o escuro, sim senhor...

Por longo tempo o horror me leva a perscrutar a espessa treva,
Sonhando sonhos que ninguém, ninguém sonhou de igual teor.
Silêncio fúnebre e sem par! E é neste instante singular
Que num sussurro ouço soar um nome vago: “Eleonor!” —
Sou quem o diz, e um eco longo o repercute: Eleonor!” —
Depois, silêncio, sim senhor...

Com toda minha alma a arder em fogo eu retornei ao quarto, e logo
Ouvi de novo o mesmo toque, desta vez com mais vigor.
“Não há mais dúvida!”, então digo, “Este barulho é no postigo!
Deixe-me ver se lá consigo achar a causa de um rumor
Tão violento! Tenha calma, coração, que este rumor
Foi só do vento, sim senhor.”

Quando a janela abri depois, com muito estrépito a transpôs
De antiga estirpe um Corvo altivo, pelos ares a se impor!
Sem que do susto eu me recobre, o vejo, em pose muito nobre,
Ao ignorar-me, pousar sobre minha porta, a seu dispor —
Bem sobre um busto alvo de Palas, junto à porta, a seu dispor,
Como se fosse grão-senhor.

Eis que um sorriso alegra então minha tristíssima expressão,
Ao ver do Corvo a grave e austera compostura. “Embora a expor
Crista tão curta em tua imagem”, digo, “Sim, tu tens coragem...
Responde, pois, ó ser das margens em que a noite é só furor,
Qual nobre nome é o teu no império de plutônico furor?”
E o Corvo disse: “Não senhor.”

Maravilhou-me que uma espécie tão vulgar me respondesse
Embora fosse com palavras sem sentido nem valor.
Por mim, não sei de outra pessoa que haja visto, em noite à toa,
Um ser que vem de fora e voa até seu quarto, portador
De igual alcunha! Um bicho posto sobre a porta, portador
De nome tal qual “Não senhor.”

Porém o Corvo ali repousa em solidão... Diversa cousa
Ele não diz, além daquela, a refletir-lhe o interior!
Ei-lo a silenciar comigo... Ei-lo ferrenho... — até que digo:
“Outrora tive tanto amigo que se foi! Seja qual for
Seu rumo incerto, ele há de ir-se, seja lá para onde for!”
E o Corvo disse: “Não senhor.”

Que uma resposta assim tão justa quebre a paz noturna, assusta
E surpreende! Julgo então: “Ele repete isso de cor!
Ouviu da boca de algum mestre cujo destino terrestre
Foi, talvez, do mais agreste, e fez do mestre, enfim, cantor
De um negativo e melancólico bordão! Era o cantor
Do réquiem: “Não, ai! Não, senhor!”

Mas já que em minha face triste o mesmo riso ainda persiste,
Vou-me sentar defronte à porta e busto e Corvo... E é com temor
Que na poltrona, imoto, quedo, eu passo a meditar no enredo
Daquela história, enquanto o medo aumenta em mim... Fico a supor
O que um grotesco, grave e grosso Corvo antigo quis supor
Com este grasnado“Não senhor.”

É nesta questão que eu me absorvo, sem falar, contudo, ao Corvo,
Pois dele o olhar me põe agora ao coração estranho ardor.
De fato, fico em devaneio, enquanto, lento, cabeceio
Contra o sofá macio em meio à luz de pálido fulgor —
Neste sofá suave em que ela, à luz de pálido fulgor
Não mais se deita, ai!, não, Senhor!

Nisto o ar tornou-se, achei, mais denso, qual se houvesse em torno incenso
Que um invisível serafim trouxesse ao quarto ao meu redor,
E eu disse: “Demo! Por piedade Deus mandou-te um anjo que há de
Trazer-te alívio à atroz saudade da perdida Eleonor!
Recebe — bebe o bom nepente, e esquecerás Eleonor!”
E o Corvo disse: “Não senhor.”

“Profeta!”, grito, “Ó coisa preta! — Sim, profeta, ave ou capeta!
Se é tempestade que te traz ou Satanás, o Tentador,
Sozinho, sim, porém com tanto e audaz propósito, a um recanto
De horror interno e eterno pranto — Fala, imploro, por favor —
Existe um bálsamo em Galaad? — Fala — fala, por favor!”
E o Corvo disse: “Não senhor!”

“Profeta!”, grito, “Ó coisa preta! — Sim, profeta, ave ou capeta!”
Pelo amplo céu — Pelo bom Deus que ambos amamos com fervor,
Dize a este espírito refém da dor se ele há de no além
Rever, enfim, aquela a quem chamam nos céus Eleonor —
Irei revê-la? Vai, revela! Irei rever Eleonor?”
E o Corvo disse: “Não senhor!”

“Seja isto o fim, maldito verme, ave do mal!”, grito ao erguer-me,
“Retorna à tempestade em torno à noite em trevas e pavor!
Nenhuma pluma aqui me reste a recordar-me o que disseste!
Regressa aos ermos de onde vieste! Do meu peito imerso em dor
Retira a garra que me fere e vai-te embora, imensa dor!”
E o Corvo disse: “Não senhor!”

E o Corvo nunca mais se ausenta. Ainda senta, ainda senta
No busto pálido de Palas, junto a porta, atordoador.
E seu olhar tem semelhança ao de um demônio que descansa
E do abajur a luz o lança em sombra ao chão de negra cor.
Sobre esta sombra está minha alma, e presa ao chão de negra cor,
Ela há de erguer-se — Não, Senhor!

 


(16) 99248-0091

A Barata - O Site

A Barata Ao Vivo

Amigos & Livros

A Arca do Barata

Arquivos Abertos

Artesanato

Artigos
As Faces d'O Corvo
Augusto dos Anjos

Ataraxia

Barata Cichetto, Quem É?

Barata Rocker

Biografi'As Baratas

Camisetas

Cinematec'A Barata

Coletâneas de Rock

Colunas Antigas
Conte Comigo, Conte Pra Mim
Contos d'A Barata
Convergências
Crom

Crônic'As Baratas

De Poeta a Poeta

Depoimentos

Des-Aforismos Poéticos Baratianos

Discoteca d'A Barata

Download Free

Ensaios Musicais

Entrevist'As Baratas

Eventos

Facebookianas
Fal'A Barata!
Fotos
Gatos & Alfaces
Kakerlak Doppelgänger
Livrari'A Barata
Livros
Madame X
Memória A Barata
Micrônic'As Baratas

Na Mídia

O Anjo Venusanal
Pinturas
Pi Ao Quadrado

Poesi'a Barata

Ponto de Fuga
Pornomatopéias
PQP - Puta Que Pariu
Prefácios & Editoriais
Projeto Sangue de Barata
Psychotic Eyes
Renato Pop
Resenhas

Retratos e Caricaturas

Revist'A Barata Digital

Revist'A Barata

Seren Goch: 2332

Sub-Versões

Tublues

Versus

Videos

Vitória

Webradio

Todos os textos, exceto quando indicados, são de autoria de Luiz Carlos Giraçol Cichetto, nome literário Barata Cichetto, e foram registrados na Fundação Biblioteca Nacional. Não é permitida a publicação em nenhum meio de comunicação sem a prévia autorização do autor, bem como o uso das marcas "A Barata" e "Liberdade de Expressão e Expressão de Liberdade". Lei de Direitos Autorais: 9610/98.
 On Line

Política de PrivacidadeFree counter users online