(16) 99248-0091

Apóie a continuidade deste trabalho, totalmente independente desde 1997. Saiba como participar clicando na imagem ao lado.

1958 1990 1997 1998 1999 2000 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013 2014 2015 2016 2017 2018

O Corvo - Tradução: Isa Mara Lando (2003 - Brasil)



1
Meia-noite, noite escura
Hora de sombra e loucura
Estou eu meditabundo,
Em devaneio profundo
Velhos papéis a estudar
De sono cabeceando
E já quase dormitando
Quando alguém me bate à porta
— Bate, bate, bem de leve —
Com batidas repetidas
Quem será, nessa hora morta
Que veio me procurar?
Deve ser visita breve
— Bate, bate, bem de leve —
Uma visita de paz
Deve ser visita breve
É só isso, nada mais.

2
Eu me lembro, bem me lembro
No triste mês de dezembro
Cada brasa da lareira
Uma sombra projetava
E seu fantasma lançava
Pelo chão a se arrastar.
Esperando o amanhecer
Em vão eu tentava obter
Nos livros da minha estante
Consolo pra minha dor
A dor de perder Leonor
A jovem bela, radiante
Que os anjos chamam Leonor
Jóia rara, tão fugaz
Leonor, pra nunca mais.

3
Cortinas de seda roçavam
E minh’alma ameaçavam
Com fantásticos terrores
Temores que nunca senti.
Pra parar meu coração
Que batia feito louco
Fiquei repetindo um pouco:
"É uma visita que chega
Esperando ali na porta,
Chegou nessa hora morta
Mas visita mal não faz
É só isso, nada mais."

4
Ganhei coragem e disse,
"Meu senhor — minha senhora?
Queira me desculpar
Eu dormitava inda agora
Suas batidas tão leves
Não consegui escutar.
Apesar da hora morta
Vou lhe abrir a minha porta
Vamos ver o que me traz."
Fui e escancarei a porta —
Escuridão, nada mais.

5
Espiei a noite escura
Curioso, temeroso
Tomado por devaneios
Que ninguém ousou sonhar.
Só o silêncio me encarava
E a única palavra
Que ali foi sussurrada
Bem de leve murmurada
Foi um nome: "Leonor?"
Foi o que eu disse baixinho
A resposta o eco traz —
Disse o eco, "Leonor!"
Foi só isso, nada mais.

6
Voltei então para o quarto
Dentro de mim tudo ardia
Logo alguém bateu à porta
Mais forte agora batia.
Com certeza é a janela
O vento na gelosia
Vamos ver o que há lá fora
Que ameaça vem agora
Calma, meu coração
Não bate tanto assim não
Vou explorar esse mistério
Esse mistério tenaz
Vou explorar esse mistério —
É o vento, nada mais.

7
Abro a janela e ouço
Um esvoaçar de asas —
De súbito entra um Corvo
Solene pássaro antigo
Negro viandante arribado
Lá do fundo do passado
E sem dar nenhum sinal
De querer falar comigo
Feito ilustre cavalheiro
— ou talvez fosse uma dama —
Voou — eu levei um susto —
Passou por cima da cama
Chegou no alto da porta
E foi pousar bem no busto
Da deusa Palas Atena —
— Deusa da sabedoria
Que os meus atos vigia
A que não dorme jamais
Acima da minha porta
Pousou ali, nada mais.

8
Negro pássaro de ébano
Um sorriso me arrancou
Ancião de terno preto
Com jeito de professor
"Tu não és nenhum covarde,
Corvo antigo que chegaste
Do reino da Noite escura
Nessa hora negra, tão tarde
Hora de sombra e loucura
Hora sem sono e sem paz
Qual é o teu nome, pergunto,
Teu nome de grão-senhor
Como é que eles te chamam
Lá na Terra de Ninguém
De onde todo corvo vem?"
Disse o Corvo, "Nunca Mais".

9
Fiquei pasmo, aturdido
Ouvindo um bicho tão feio
Falar com tanta clareza
Mesmo sem fazer sentido
Pois qual é a criatura
Um mortal entre os mortais
Que já viu, em noite escura
Um animal, uma ave
Chegar em hora tão morta
Voar pra cima da porta
Pousar em cima de um busto
E se chamar "Nunca Mais"?

10
Mas o Corvo ali sozinho
É só isso que falava
Como se toda a sua alma
Coubesse numa palavra
Numa palavra cabia
Pois mais nada ele dizia
E nem uma pena negra
Aquele bicho mexia.
Até que eu falei baixinho,
"Outros amigos partiram
Se foram cedo demais
Este vai partir na aurora
Qual meus sonhos de rapaz,
Que também já foram embora."
Disse o Corvo: "Nunca Mais!"

11
Espantado com a resposta
— Só ela quebrava o silêncio —
Com certeza, pensei eu,
Ele só fala de cor
Com outro mestre aprendeu —
— Alguém que muito sofreu
Destino amargo demais
E já morta a Esperança
Só lhe restou na lembrança
Uma triste litania
Feita de melancolia,
Feita só de "Nunca Mais".

12
Mas o Corvo, sério e grave
De novo me fez sorrir
Puxei cadeira e almofada
Sentei diante da porta,
Da porta, do busto e da ave.
Recostado no veludo
Pensei bem naquilo tudo
O que ele queria dizer?
Qual a intenção desse bicho
Tão negro, tão magro, tão feio
Triste e solene demais,
Ave de mau agouro
Que entrou no meu devaneio
Grasnando seu "Nunca Mais"?

13
E fiquei ali pensando
Só pensando, sem falar.
Os olhos do bicho, em brasa,
No peito me penetravam
E o meu mais fundo queimavam.
Mergulhei num devaneio
A cabeça para trás
Reclinada, a descansar
No macio da almofada —
Roxo veludo brilhante
Com seu reflexo cambiante,
Roxo veludo brilhante
Que ela não vai mais tocar
Não tocará nunca mais!

14
Nisso o ar ficou pesado
Com o incenso perfumado
De serafins que entravam
E bem de leve pisavam
No meu quarto atapetado.
Gritei "Desgraça! O teu Deus
Com esses anjos mandou
Um santo remédio pra dor
Alívio do sofrimento
O bendito esquecimento
Pra não lembrar de Leonor!
Bebe logo esse remédio
E não penses nela mais
Esquece tua Leonor!"
Disse o Corvo, "Nunca Mais!"

15
"Profeta, bicho ruim!
Mas profeta mesmo assim
Sejas pássaro ou diabo
Se o Tentador te mandou,
Ou se alguma tempestade
Nestas plagas te jogou
Ave noturna, soturna
Mensageiro do Terror
Aqui nessa terra deserta
Nessa terra enfeitiçada
Nesse lar mal-assombrado
Mal-assombrado de Horror
Te imploro, diz a verdade!
Um bálsamo ali existe?
Fala comigo, ave triste!
Responde, se és capaz!"
Disse o Corvo, "Nunca Mais!"

16
"Profeta, bicho ruim!
Mas profeta mesmo assim
Se és pássaro ou diabo,
Pelo Céu que contemplamos
E pelo Deus que adoramos
Responde a esta pobre alma
Carregada de pesar!
Existe um lugar no mundo
Mesmo no abismo profundo
Mesmo distante demais
Onde minh’alma cansada
Doente de tanta dor
Um dia volte a enlaçar
A jovem santificada
A donzela bem-amada
Que os anjos chamam Leonor?"
Disse o Corvo, "Nunca Mais".

17
"Seja este o nosso adeus,
Pássaro, ou inimigo!"
Gritei eu me levantando,
"Volta pra tempestade
Pras negras margens da Noite
Sem deixar nenhum sinal
Nenhuma pena, nem sombra
Dessa mentira, esse mal
Que a tua alma falou!
Deixa a minha solidão!
Deixa o busto de Minerva!
Solta meu coração!
Sai fora da minha porta
Vai embora daqui, ave torta
Vai sem olhar pra trás!
Disse o Corvo, "Nunca Mais!"

18
E ali está o Corvo, parado
Sempre quieto, só pousado
No busto de Palas Atena
Acima da minha porta.
Pelos olhos mais parece
Um demônio ali sonhando.
A lâmpada alumiando
A sua sombra me traz,
E a minha alma da sombra
Que se arrasta pelo chão
Não se erguerá — nunca mais!

CADERNOS DE LITERATURA EM TRADUÇÃO nº 5, ed. Humanitas, 2003.

 


(16) 99248-0091

A Barata - O Site

A Barata Ao Vivo

Amigos & Livros

A Arca do Barata

Arquivos Abertos

Artesanato

Artigos
As Faces d'O Corvo
Augusto dos Anjos

Ataraxia

Barata Cichetto, Quem É?

Barata Rocker

Biografi'As Baratas

Camisetas

Cinematec'A Barata

Coletâneas de Rock

Colunas Antigas
Conte Comigo, Conte Pra Mim
Contos d'A Barata
Convergências
Crom

Crônic'As Baratas

De Poeta a Poeta

Depoimentos

Des-Aforismos Poéticos Baratianos

Discoteca d'A Barata

Download Free

Ensaios Musicais

Entrevist'As Baratas

Eventos

Facebookianas
Fal'A Barata!
Fotos
Gatos & Alfaces
Kakerlak Doppelgänger
Livrari'A Barata
Livros
Madame X
Memória A Barata
Micrônic'As Baratas

Na Mídia

O Anjo Venusanal
Pinturas
Pi Ao Quadrado

Poesi'a Barata

Ponto de Fuga
Pornomatopéias
PQP - Puta Que Pariu
Prefácios & Editoriais
Projeto Sangue de Barata
Psychotic Eyes
Renato Pop
Resenhas

Retratos e Caricaturas

Revist'A Barata Digital

Revist'A Barata

Seren Goch: 2332

Sub-Versões

Tublues

Versus

Videos

Vitória

Webradio

Todos os textos, exceto quando indicados, são de autoria de Luiz Carlos Giraçol Cichetto, nome literário Barata Cichetto, e foram registrados na Fundação Biblioteca Nacional. Não é permitida a publicação em nenhum meio de comunicação sem a prévia autorização do autor, bem como o uso das marcas "A Barata" e "Liberdade de Expressão e Expressão de Liberdade". Lei de Direitos Autorais: 9610/98.
 On Line

Política de PrivacidadeFree counter users online