(16) 99248-0091

Apóie a continuidade deste trabalho, totalmente independente desde 1997. Saiba como participar clicando na imagem ao lado.

1958 1990 1997 1998 1999 2000 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013 2014 2015 2016 2017 2018

O Corvo - Tradução: Margarida Vale de Gato (2003 - Brasil)



Era o meio da noite sombria, fraco e lasso eu reflectia
Sobre os tomos singulares dos saberes ancestrais;
E com sono, cabeceando, eis que ouvi algo raspando,
Seco som, ténue, tocando, tocando à porta de fora,
Visita decerto seria, batendo à porta lá fora,
Isso só e nada mais.

Distintamente eu me lembro, era o mais negro Dezembro;
E no chão a cinza ardente urdia formas espectrais.
Oh, quem me dera a aurora, quisera em vão nessa hora,
Ler meus livros contra a dor... dor por perdida Lenora;
Jovem rara e radiosa, que os anjos chamam Lenora,
E aqui ninguém chama mais.

E o roçagar, triste e frouxo, dos sedosos panos roxos,
Fez-me, feérico, fabricar, torpes horrores fantasmais,
Pelo que então, sossegando o peito célere vibrando,
Repeti: «É uma visita, que ao meu quarto assoma agora
E à porta bate e se agita, nesta tão tardia hora;
Isto é e nada mais.»

Minha alma então se animou e já não mais hesitou;
«Senhor, ou Senhora», disse eu, «perdão peço antes demais;
Mas eu estava dormitando, e vosso bater foi tão brando,
Tão ténue fostes tocando, tocando à porta a desoras,
Que mal vos pude escutar» – e a porta abri sem demora:
Só o breu e nada mais.

Espreitando aquele breu, temente me mantive eu,
Suspeitando e tendo sonhos jamais tidos por mortais,
Mas o silêncio era duro, não havia nele augúrio,
E apenas seu nome puro ousei sussurrar: «Lenora»,
E o eco logo volveu meu murmúrio de «Lenora».
Isto apenas, nada mais.

De novo tornei para dentro, toda a minha alma ardendo,
E de novo ouvi batendo, como que batendo mais,
«Por certo», pensei, «algo vela, e toca em minha janela,
Veja eu pois o que me apela, o mistério que se ignora,
Sossega ó meu coração, e este mistério explora...
É o vento e nada mais!»

Abri com força a vidraça, e eis que alvoroçado esvoaça
Adentro um corvo soberbo, de tempos imemoriais.
Não se mostra reverente nem hesita reticente,
Mas, com seu porte imponente sobre a porta se me arvora,
Trepando à estátua de Palas que a minha ombreira decora,
E ali pousando sem mais.

Quando a ave de ébano vi, de meu devaneio sorri,
Devido ao decoro grave dos seus ares senhoriais.
«Tens na crista uma tonsura, mas não te falta bravura,
Velho e horrendo corvo escuro, do negrume que apavora,
Diz-me que nome te dão nos cais onde Plutão mora!»
Disse o Corvo: «Nunca mais.»

Espantou-me que a ave tosca discursasse desenvolta,
Posto que suas palavras fossem pouco racionais,
Sendo, creio, consensual que nunca nenhum mortal
Viu pousada em seu umbral besta falante ou canora,
Num busto de pedra esculpido que a sua porta decora,
Com tal nome «Nunca mais».

Mas sobre a estátua serena disse o Corvo isto apenas
Como se a alma vertesse nas palavras triviais.
E mais nada aventurou, não mais dali esvoaçou,
Até que em mim algo ousou: «Amigos tive eu outrora,
Também este irá como eles, como as Esperanças, pela aurora.»
Disse a ave: «Nunca mais.»

Assustado pela sentença que assim cortou tal silêncio,
Disse: «Repete ele por certo ensinamentos banais
Que ouviu a mestre funesto a quem o Destino infesto
Perseguiu lesto e agreste, e o seu canto, alto embora,
Fez alquebrar no de um homem cuja sorte não melhora,
Entoando "Nunca mais".»

Mas ainda o Corvo feio me iludia o devaneio,
E do busto, porta e ave, me aproximei então mais,
E arrastando o assento, cismei eu, elanguescente,
Por que esta ave agourenta, tão escura ave de outrora,
Por que é que, tosca e grotesca, a ave torva de outrora,
Crocitava «Nunca mais».

Isto me ia perguntando, mas nem uma fala trocando
Com a ave que inflamava meu peito de olhos fatais.
Isto e mais fui cogitando, e a cabeça reclinando
No veludo do divã, sem que nele a luz, que agora
Cindia o pano lilaz, pudesse aflorar Lenora
Que a não veria jamais.

E o ar era então mais denso, espargido de etéreo incenso,
Como se um anjo passasse com seus passos musicais
No soalho atapetado: «Deus te traz, ó Desgraçado,
A paz e o olvido ansiado das memórias de Lenora;
Traga, pois, traga o nepente, esquece a perdida Lenora!»
Disse o Corvo: «Nunca mais.»

«Profeta», eu disse, «Ó mal que temo! Profeta és, ave ou demo!
Por Tentação enviado, varrido por vendavais,
Desvalido mas ousado, neste ermo enfeitiçado,
Neste lar mal assombrado, diz-me, minha alma implora,
Se em Galaad há consolo, di-lo à alma que te implora!»
Disse o Corvo: «Nunca mais».

«Profeta», eu disse, «Ó mal que temo! Profeta és, ave ou demo!
Pelo Deus a quem se adora, pelo céu que cobre os mortais,
Diz-me à alma, que quebranta, se nesse Éden tão distante
Estreitará a jovem santa que os anjos chamam Lenora,
Jovem rara e radiosa, que os anjos chamam Lenora.»
Disse o Corvo: «Nunca mais».

«Que então pois nos apartemos», bradei eu, «Ó ave ou demo!
Volta ao negrume das trevas, tormento dos vendavais!
Não deixes pluma em sinal do perjúrio da tua alma,
Deixa-me minha erma calma, o busto que o umbral decora,
Deixa de bicar-me o peito e vai-te daqui embora!»
Disse o Corvo: «Nunca mais.»

E o Corvo, sem ter voado, permanece ainda sentado
Na branca estátua de Palas que há sobre os meus portais,
E tem o olhar transtornado de demónio estremunhado;
E a luz que sobre ele arde urde no chão uma forma,
E a minha alma, dessa sombra que soçobra ainda agora,
Não recobra... nunca mais!

POESIA COMPLETA DE EDGAR ALLAN POE, ed. Tinta da China, Portugal, 2009. fonte: Quartzo, Feldspato & Mica (2003)

 


(16) 99248-0091

A Barata - O Site

A Barata Ao Vivo

Amigos & Livros

A Arca do Barata

Arquivos Abertos

Artesanato

Artigos
As Faces d'O Corvo
Augusto dos Anjos

Ataraxia

Barata Cichetto, Quem É?

Barata Rocker

Biografi'As Baratas

Camisetas

Cinematec'A Barata

Coletâneas de Rock

Colunas Antigas
Conte Comigo, Conte Pra Mim
Contos d'A Barata
Convergências
Crom

Crônic'As Baratas

De Poeta a Poeta

Depoimentos

Des-Aforismos Poéticos Baratianos

Discoteca d'A Barata

Download Free

Ensaios Musicais

Entrevist'As Baratas

Eventos

Facebookianas
Fal'A Barata!
Fotos
Gatos & Alfaces
Kakerlak Doppelgänger
Livrari'A Barata
Livros
Madame X
Memória A Barata
Micrônic'As Baratas

Na Mídia

O Anjo Venusanal
Pinturas
Pi Ao Quadrado

Poesi'a Barata

Ponto de Fuga
Pornomatopéias
PQP - Puta Que Pariu
Prefácios & Editoriais
Projeto Sangue de Barata
Psychotic Eyes
Renato Pop
Resenhas

Retratos e Caricaturas

Revist'A Barata Digital

Revist'A Barata

Seren Goch: 2332

Sub-Versões

Tublues

Versus

Videos

Vitória

Webradio

Todos os textos, exceto quando indicados, são de autoria de Luiz Carlos Giraçol Cichetto, nome literário Barata Cichetto, e foram registrados na Fundação Biblioteca Nacional. Não é permitida a publicação em nenhum meio de comunicação sem a prévia autorização do autor, bem como o uso das marcas "A Barata" e "Liberdade de Expressão e Expressão de Liberdade". Lei de Direitos Autorais: 9610/98.
 On Line

Política de PrivacidadeFree counter users online