(16) 99248-0091

Apóie a continuidade deste trabalho, totalmente independente desde 1997. Saiba como participar clicando na imagem ao lado.

1958 1990 1997 1998 1999 2000 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013 2014 2015 2016 2017 2018

O Corvo - Tradução: André Boniatti (2006 - Brasil)



Certa vez, enquanto exíguo, sobre muito livro antigo
De ciência alheia e ida, à meia-noite triste, ao cais
De meu olho que se fecha, leve bate alguém que vela,
Feito alguém que ao quarto espera, espera à porta e bate em paz.
“É visita”, eu murmurei, “que ao meu quarto bate em paz,
É só isso e nada mais.”

Ah, tão claro é que me lembro, foi no gélido Dezembro:
Cada brasa a se extinguir assombrosa sombra faz.
E eu buscando vir o alvor; pois no livro este leitor
Não deixava nunca a dor por Lenore que agora jaz, -
Por Lenore, que agora a chamam só os angélicos corais -,
Aqui dita nunca mais.

E aos farfalhos de cortina roxa, incerta, entristecida,
Me assustava, me cobria de terrores nunca atrás
Revelados, pois, com isso, pra aquietar-me, repeti-o:
“É visita, é só um amigo que ao meu quarto bate em paz,
É visita, vindo tarde, que ao meu quarto bate em paz -
É só isso e nada mais.”

Em minh’alma, nesse instante, cresceu força nã’hesitante
E, “senhor”, disse eu, “senhora, a quem bate já vou lá,
Pois que quase a vista encerra, sua batida, leve que era,
Indistinta que viera ao meu quarto, vinda em paz,
Mal e mal eu vim a ouvir” – escancaro a porta e a paz
Vi e o escuro e nada mais.

Hirto, tempo estive haurindo fundo o escuro, refletindo,
Temeroso, em sonhos indo de nenhuns mortais, jamais!;
O silêncio sem estorvo... a quietude sem um rosto...
Mas ouvia amiúdes sopros, e “Lenore!” diziam tais.
Eram ecos me voltando, e “Lenore!” diziam tais.
Era isso e nada mais.

A voltar me pus pro quarto, me queimava a alma, e alto
Outro som agora ouvia, então mais forte que os demais.
“Certamente”, eu disse alerta, “deve ser algo à janela,
Vamos ver que bate nela, esse mistério ler voraz, -
Coração meu, Ó, se acalme, pra o mistério ler voraz –,
É só o vento e nada mais.”

A persiana abri de soco, quando bruto adentra um Corvo
Imponente e esvoaçante, dos passados magistrais.
Sem nenhuma cortesia num qualquer instante, acima
Do portal do quarto se ia, em seus modos bem tais quais
De uma Lady ou Lord pôs-se num de Palas busto, e em paz
Pôs-se ali e nada mais.

A ave de ébano distrai-me, então, e à mente um riso traz-me
Sua austera e grave pose em expressões assaz formais,
“Mesmo em crista rota é arrosto”, disse audaz, “sim, é um torvo,
Não covarde e antigo Corvo a vir das trevas infernais:
De Plutão, qual é o seu nome, em suas Trevas Infernais?”
Disse o Corvo, “Nunca Mais”.

Tão surpreso, ele dizer-me, o atrapalhado esclarecer-me,
Mesmo pouco em seu sentido, suas Letras tão banais;
Nenhum homem vivo ainda teve a graça dessa vista,
A de um pássaro, esse acima do portal do quarto em paz -
Essa besta ou ave posta sobre o busto, afeita em paz -
De tal nome, Nunca Mais.

Mas, só, o Corvo além não disse, sobre o brando busto ouvi-lhe
Essas únicas palavras, como houvesse tudo em tais.
Nem mais mesmo balbuciou, pena alguma ele agitou,
‘Té que os lábios me tocou, “Tanto amigo em vens-e-vais:
Também ele vai no alvor, como a espr’ança, em mi incapaz.”
Disse a ave, “Nunca Mais”.

Me estarrece sua resposta que tão pronta veio posta,
“Com certeza”, eu disse certo, “nenhum termo sabe mais,
Teve um breve pobre mestre que a Desgraça, que endoidece,
Perseguiu à sorte e agreste ‘té sobrar refrão sagaz,
‘Té que o Réquiem da Esperança soasse só um refrão sagaz,
Sempre ‘Nunca - Nunca Mais’”.

O voador inda distrai-me e mais riso à mente traz-me,
D’imediato uma cadeira giro à porta e aos dois demais
A deixar-me então caído ao veludo, já exaurido,
A me dar razão, sentido, àquela ave d’ancestrais,
Que o agourento, grave, horrendo, bronco e seco d’ancestrais
Crocitou com “Nunca Mais”?

E sentado dediquei-me à resposta e não falei-lhe,
À ave de olhos inflamados me queimando o peito em ais;
Isso e mais conjeturava, e a cabeça confortava
No veludo da almofada - sob lampião de pios luzais -,
Mas na cor violácea dele seus cabelos sob luzais
Não, não vejo, ah, nunca mais!

Serafim, o qual não vejo, co’incensório fez mais denso
O ar, no chão atapetado de seu passo ouvi sinais.
“Miserável”, fui bradando, “deu-lhe Deus, enviando os anjos,
O nepente ao memorando de Lenore que em terra jaz,
Sinta e tome e esqueça agora essa Lenore que em terra jaz!”
Disse o Corvo, “Nunca Mais”.

“Ó profeta, ó ser do mal! - profeta inda que infernal! -
Se enviado do Demônio ou em ventos tormentais,
Só, no entanto ensoberbado, em chão deserto enfeitiçado,
Neste lar mal-assombrado - diga, imploro aos seus pedais:
Não há bálsamo em Galaad? - diga, imploro aos seus pedais!”
Disse o Corvo, “Nunca Mais”.

“Ó profeta, ó ser do mal! - profeta inda que infernal! -
Pelo Deus, qual adoramos, p’las verdades celestiais,
Diga a esta alma que fenece se a donzela, ao longe, ao Éden,
Santa os braços vão ter entre, entre angélicos corais:
Se Lenore vão ter seus braços entre angélicos corais.”
Disse o Corvo, “Nunca Mais”.

Grito, “esta última palavra, ave ou besta, nos separa”,
Levantei-me, “vá à tormenta e às suas Trevas Infernais!
Negra pena, como pista, alguma deixe, essa mentira!...
Deixe estar-me como eu ia! vá do posto em que está em paz!
De meu peito tire o bico, que o seu vulto vá-se em paz!”
Disse o Corvo, “Nunca Mais”.

Nunca a voar o Corvo acima senta ainda, senta ainda
Nesse pálido de Palas busto sobre a porta em paz;
E em seus olhos semelhando um demônio ali sonhando,
E no chão se sombreando ao lampião a fluir luzais;
E minh’alma dessa sombra ao chão flutuando sob luzais
Há de erguer-se - nunca mais!

Adaptação de The Raven de Edgar Allan Poe para o português brasileiro, observando o ritmo e o conteúdo originais). in Sonetos de fumaça e temporais (e outros poemas indóceis). Originalmente no blog Recanto das Letras 26/03/2006

 


(16) 99248-0091

A Barata - O Site

A Barata Ao Vivo

Amigos & Livros

A Arca do Barata

Arquivos Abertos

Artesanato

Artigos
As Faces d'O Corvo
Augusto dos Anjos

Ataraxia

Barata Cichetto, Quem É?

Barata Rocker

Biografi'As Baratas

Camisetas

Cinematec'A Barata

Coletâneas de Rock

Colunas Antigas
Conte Comigo, Conte Pra Mim
Contos d'A Barata
Convergências
Crom

Crônic'As Baratas

De Poeta a Poeta

Depoimentos

Des-Aforismos Poéticos Baratianos

Discoteca d'A Barata

Download Free

Ensaios Musicais

Entrevist'As Baratas

Eventos

Facebookianas
Fal'A Barata!
Fotos
Gatos & Alfaces
Kakerlak Doppelgänger
Livrari'A Barata
Livros
Madame X
Memória A Barata
Micrônic'As Baratas

Na Mídia

O Anjo Venusanal
Pinturas
Pi Ao Quadrado

Poesi'a Barata

Ponto de Fuga
Pornomatopéias
PQP - Puta Que Pariu
Prefácios & Editoriais
Projeto Sangue de Barata
Psychotic Eyes
Renato Pop
Resenhas

Retratos e Caricaturas

Revist'A Barata Digital

Revist'A Barata

Seren Goch: 2332

Sub-Versões

Tublues

Versus

Videos

Vitória

Webradio

Todos os textos, exceto quando indicados, são de autoria de Luiz Carlos Giraçol Cichetto, nome literário Barata Cichetto, e foram registrados na Fundação Biblioteca Nacional. Não é permitida a publicação em nenhum meio de comunicação sem a prévia autorização do autor, bem como o uso das marcas "A Barata" e "Liberdade de Expressão e Expressão de Liberdade". Lei de Direitos Autorais: 9610/98.
 On Line

Política de PrivacidadeFree counter users online