(16) 99248-0091

Apóie a continuidade deste trabalho, totalmente independente desde 1997. Saiba como participar clicando na imagem ao lado.

1958 1990 1997 1998 1999 2000 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013 2014 2015 2016 2017 2018

O Corvo - Tradução: Jeison Luis Izzo (2014 - Brasil)



Aconteceu numa triste meia-noite, durante a qual eu, fraco e cansado, ponderava. Os eventos iniciaram-se nesta hora emblemática, quando um dia morre e outro nasce. Eu estava imerso em volumes singulares e curiosos, por certo tomos esquecidos de conhecimentos ancestrais. Quase cochilando na penumbra, vacilei com a cabeça e, de repente, irrompeu do silêncio discreto solavanco. A partir deste, ouvi uma batida delicada. Era alguém batendo à porta do meu quarto. Murmurei a mim mesmo:
–É algum visitante que bate à porta do meu quarto. Há de ser isto e nada mais.
Ah, relembro distintamente: era dezembro e fazia frio. Gélido fim de ano. Cada brasa crepitante morria separada das demais, forjando sua própria impressão fantasma em cima do assoalho. Ansiosamente desejava por dias vindouros. O esquecimento do amanhã. Procurava, nos meus livros, cessar ou, pelo menos, amenizar a tristeza. Profundo pesar por meu amor perdido. Minha Lenora. Em vão, devo acrescentar. Minha Lenora perdida. Só os anjos, certamente, detinham o privilégio de chamá-la pelo nome. Fora, sem dúvida, uma rara e radiante donzela. Os anjos... Ali, naquele instante negro, no entanto, não dava mais para conversar com minha Lenora. Não a chamava mais, pois não me responderia. Sem nome, para sempre. Uma vez desvelado o silêncio do éter, fiquei inquieto. Lembranças e mais lembranças. Ruídos insistiam. Algo atrás das minhas cortinas. E o sedoso, triste e incerto farfalhar das purpúreas cortinas causou, em mim, impressões impactantes. Meu espírito encheu-se de terrores fantásticos com uma amplitude que eu nunca tinha sentido antes. Assim foi e, com as batidas do meu coração ainda firmes e pulsantes, eu repetia em pensamentos:
–É algum visitante pedindo abrigo à porta do meu quarto. Algum visitante inoportuno, fora de hora, pedindo abrigo à porta do meu quarto. É isto e nada mais.
Pouco tempo depois, alma recomposta, eu disse sem hesitar:
–Senhor ou senhora, aceite meu sincero pedido de perdão. Mas o fato é que eu estava dormindo quando, gentilmente, o senhor ou a senhora bateu. Foi uma leve batida na porta do meu quarto. Tão discreta que chego a duvidar se ouvi mesmo.
E então, sem delonga, abri a ampla porta e vi o breu. Lá fora, a escuridão era densa e nada mais havia. Nem senhor, nem senhora.
Espreitei as profundezas compactas das trevas. Por longo tempo fiquei estático, pensando e temendo. Mais que qualquer coisa, duvidando, sonhando sonhos que nenhum mortal jamais se atreveu a sonhar antes. Mas o silêncio era inquebrável, intransponível, denso e asfixiante. E a quietude sufocava a razão. Por fim, a única palavra pronunciada foi um sussurro repleto de dor e saudade. Sem perceber, saiu dos meus lábios:
–Lenora?
E das trevas, em resposta, um eco rumorou de volta a palavra:
–Lenora!
Apenas isto e nada mais.
Voltei ao meu aposento, minha alma em mim ardendo. Não demorou e ouvi, outra vez, uma batida. Só que um pouco mais intensa que antes. Afirmei a mim mesmo, tentando me convencer:
–Certamente... Certamente é algo na gelosia da minha janela.
Permiti a mim mesmo, então, o mistério explorar. Dei um momento ao meu coração e fui o mistério explorar. Como um louco, falei com meus pensamentos:
–Isto é o vento e nada mais.
Abri, naquele momento, o fecho da persiana. Foi quando, num frêmito, de lá saiu um Corvo imponente vindo dos dias santos de outrora. De tempos medievais, épocas arcanas. Não fez reverência e não se deteve um minuto sequer. Pairou no ar. Empoleirou-se nos meus umbrais, com semblante de senhor ou senhora. E lá ficou, empoleirado em cima do busto de Palas que há por sobre os meus umbrais. Empoleirado no ombro de Palas. Queria sabedoria ou combate? Sentou-se ali e nada mais.
Então, o pássaro de ébano, sedutor em sua sinistra envergadura, transmutou minha tristeza em sorriso. Talvez tenha sido o decoro grave e severo da ave escura que atenuou, um pouco, minha amargura. Eu disse:
–Ainda que a sua crista esteja cortada e aparada, você, com certeza, é uma ave destemida. É um medonho, triste e antigo Corvo vagando na vertente da noite. Diga-me o seu nome criatura escura. Como é chamado no Hades noturno? Qual sua alcunha nas planícies infernais?
E o Corvo disse:
–Nunca mais.
Fiquei deveras maravilhado ao perceber que tão desalinhada ave entendia, claramente, o meu discurso. Foi surpreendente, mesmo diante do pouco significado da resposta. Mas qualquer um concordaria que nenhum ser humano na face da terra fora abençoado com a visão de um pássaro solenemente posto num umbral e que, em resposta a uma pergunta, respondera a essa mesma pergunta. E foi exatamente isto que ocorreu. Inquiri àquele pássaro ou besta, pousado sobre o busto de Palas esculpido acima da porta. Perguntei seu nome e ele disse:
–Nunca mais.
Mas o Corvo, sobre o plácido busto, só falava duas palavras, como se sua alma fosse, ela mesma, essas palavras. Como se sua essência se resumisse a essa composição lexical. Reticente ao máximo, não falou mais nada. Não se pronunciou e nem uma pena moveu. Plumas negras e sepulcro. Pouco depois cochichei:
–Outros amigos partiram antes. Pela manhã ele vai me deixar. Vai com certeza, assim como minhas esperanças que já me abandonaram.
Então o pássaro disse:
–Nunca mais.
Minha alma estremeceu. Fiquei estarrecido, pois o silêncio foi tombado por tão afiada palavra. A resposta foi tão bem colocada que só me restou dizer:
–Sem dúvida. O que profere é a única coisa, pode chamar até de conhecimento, que conseguiu apreender com algum mestre do desastre e do infortúnio. Algum dono antigo castigado pelo destino. Sem pausa, sem piedade. Tudo aconteceu rápido ao seu mestre e o que restou foi apenas esta cantiga aprendida, carregada de lamentações. Restou a você, ave negra, tagarelar:
–Nunca, nunca mais.
Mas o Corvo, ainda que fúnebre, fez sorrir, novamente, meu triste pensamento. Em linha reta marchei até o assento almofadado em frente ao pássaro, defronte ao busto, frente à porta. Em seguida, após afundar meu corpo no veludo, percorri sonhos, fantasias e devaneios, sempre imaginando o que aquela agourenta ave de outrora, o que aquele triste, deselegante, magro, medonho e ominoso pássaro de outrora quis dizer ao crocitar:
–Nunca mais.
Sentei-me e me entreguei a conjecturas. Sem expressar nada, nem uma sílaba. Só uma meditação silenciosa. E a ave, diante do meu silêncio, abrasava minha alma com seus olhos de fogo. Sentado, com tudo isto e mais, conjecturava. Minha cabeça encostada na poltrona reclinável, cujo forro de veludo violeta da almofada a luz banhava. Ali, sentado, transbordou a melancolia. A saudade surgiu forte, pois o forro violeta, o forro de veludo, era, outrora, tocado por cabelos angelicais. Agora não mais. Ela ficava à luz, repousando. Outrora era ela, agora, ah, nunca mais.
Então, súbito, me pareceu que o ar ficou mais denso, perfumado por turíbulo invisível, manuseado por serafins cujas passadas tilintavam no chão como tufos. E eu chorei:
–Miserável! Deus permitiu sua presença e, por intermédio destes anjos, ele te enviou. Para eu esquecer, apagar minhas memórias, minhas tristezas e glórias. Tudo o que quero é beber em grandes goles, grandes goles de nepentes para esquecer minha Lenora perdida.
E o Corvo disse:
–Nunca mais.
Exclamei:
–Áugure! Coisa do mal! Profeta ainda, se ave ou diabo, não importa. Pelo Tentador fora enviado ou a tempestade atirara-te aqui em terra? Ave maldita da desolação, desalojada nesta terra deserta, nesta casa por imenso Horror assombrada. Diga-me, ave infernal, diga-me, verdadeiramente, há conforto nas colinas de Gileade, a leste do rio Jordão? E, por extensão, há bálsamo nesta terra? Imploro por uma resposta.
E disse o Corvo:
–Nunca mais.
E eu exclamei:
–Áugure! Coisa do mal! Profeta ainda, se ave ou diabo, não importa. Pelo céu que se dobra acima de nós, pelo Deus diante do qual nós dois somos iguais, diga a esta alma pesada de tanta tristeza, diga se, no Éden distante, no além-vida e nos campos celestiais, os anjos amparam a santa donzela de nome Lenora. Os anjos amparam a rara e radiante donzela chamada Lenora?
E disse o Corvo:
–Nunca mais.
E eu gritei, prepotente:
–Que estas palavras sejam o prenúncio da nossa despedida. Ave ou demônio retorne à tormenta da qual foi escarrado. Regresse à aridez infernal, às trevas da noite. Suma da minha frente e não deixe uma penugem negra que ateste as mentiras que tua alma crocitou. Que reste apenas, para mim, a mais nefasta solidão. Desencrave seu bico do meu coração, leve sua sombra para longe e saia dos meus umbrais!
E devolveu o Corvo:
–Nunca mais.
E o Corvo, estático, repousa. Ainda repousa ímpio nos ombros pálidos de Palas. Bem acima de mim, nos arredores, onde a porta se abre. Bem ali, no umbral. Seus olhos encerram a inquietude de um demônio que sonha com algo que se foi há tempos. A luz fugidia atinge os contornos da funesta ave, projetando sua sombra ao chão. Então, minha alma aperta-se ainda mais e chora.
Mas o Corvo espectral grita:
–Nunca mais!

 


(16) 99248-0091

A Barata - O Site

A Barata Ao Vivo

Amigos & Livros

A Arca do Barata

Arquivos Abertos

Artesanato

Artigos
As Faces d'O Corvo
Augusto dos Anjos

Ataraxia

Barata Cichetto, Quem É?

Barata Rocker

Biografi'As Baratas

Camisetas

Cinematec'A Barata

Coletâneas de Rock

Colunas Antigas
Conte Comigo, Conte Pra Mim
Contos d'A Barata
Convergências
Crom

Crônic'As Baratas

De Poeta a Poeta

Depoimentos

Des-Aforismos Poéticos Baratianos

Discoteca d'A Barata

Download Free

Ensaios Musicais

Entrevist'As Baratas

Eventos

Facebookianas
Fal'A Barata!
Fotos
Gatos & Alfaces
Kakerlak Doppelgänger
Livrari'A Barata
Livros
Madame X
Memória A Barata
Micrônic'As Baratas

Na Mídia

O Anjo Venusanal
Pinturas
Pi Ao Quadrado

Poesi'a Barata

Ponto de Fuga
Pornomatopéias
PQP - Puta Que Pariu
Prefácios & Editoriais
Projeto Sangue de Barata
Psychotic Eyes
Renato Pop
Resenhas

Retratos e Caricaturas

Revist'A Barata Digital

Revist'A Barata

Seren Goch: 2332

Sub-Versões

Tublues

Versus

Videos

Vitória

Webradio

Todos os textos, exceto quando indicados, são de autoria de Luiz Carlos Giraçol Cichetto, nome literário Barata Cichetto, e foram registrados na Fundação Biblioteca Nacional. Não é permitida a publicação em nenhum meio de comunicação sem a prévia autorização do autor, bem como o uso das marcas "A Barata" e "Liberdade de Expressão e Expressão de Liberdade". Lei de Direitos Autorais: 9610/98.
 On Line

Política de PrivacidadeFree counter users online