ROCK É ATITUDE! HOJE ME PARECE UMA FRASE SEM SENTIDO...
Barata Cichetto
P
Hoje, 8 de Dezembro. Há coisa de pouco mais de uma hora, quando eu e meu filho Raul saíamos da Led Slay fomos covardemente agredidos por dois sujeitos.

Nenhum motivo existiu. Não houve nem nos mais longínquos tempos, nenhum tipo ou discussão com esses (e nenhum outro) seres que justifique tal covarde agressão. Mesmo porque nunca vimos nenhum desses dois covardes.

Por volta das nove e pouco da noite deixamos a casa de Rock que por sinal é próxima de nossa casa e paramos em uma padaria com o intuito de comprar pão e mortadela para o lanche. Quando eu estava no caixa para pagar a conta, pedi um maço de cigarros.

- "Me vê um Malrboro."
Apenas escutei uma frase e senti uma porrada na nuca que me derrubou ao chão:
- Que Malrboro porra nenhuma!

Tínhamos escutado algumas histórias a respeito de várias pessoas que ao sairem da Led Slay, estavam sendo agredidos gratuitamente apenas pelo fato de serem "roqueiros", pelos "pagadeiros" de uma favela aqui próxima, apenas pelo prazer da violência, da intolerância.  

Com o braço esfolado e um tanto tonto, sai de dentro da padaria e os dois covardes continuavam a desafiar com palavras sem sentido, do tipo "você são roqueiros... led slay... vocês curtem salão..." e várias frases sem nenhum sentido, desafios e impropérios sem sentido.

Meu filho quando me viu caído correu em direção aos dois covardes e ainda tentei acalmá-lo e dialogar com os dois, perguntando, tipo, "Que foi que eu te fiz, amigo... Eu não te conheço... Que é que tá pegando..." Mas o camarada apenas repetia as mesmas frases desconexas a uns três metros de mim e dizia: "Não chega perto!"

O outro partiu para cima de meu filho e covardemente o agrediu e o outro ficava repetindo: " Olha ai o outro viadinho está apanhando". Ai então ele disse: "É, a gente vai ai buscar o ferro"! 

Não tivemos outra alternativa a não ser ir embora, machucados, não apenas nos dentes moles e a boca cortada...

Cheguei em casa e fiquei com vontade de rasgar a bandeira do site que diz "Rock É Atitude!".

Não sou de suscitar desavenças nem ódio, mas estou, neste momento, dolorido demais para acreditar no Rock, na poesia, no seres humanos. Poderíamos efetivamente ter morrido nas mãos daqueles dois filhos da puta.

Estou cansado, cansado de acreditar nas pessoas, de achar que o sonho de Woodstock e e dos hippies poderiam ter plantado alguma semente. Estou cansado da mídia nojenta vender essa imagem dos pobres excluídos inocentes das penitenciárias, direitos trocados, papéis e valores invertidos.

Nos anos sessenta, setenta e parte dos oitenta, as pessoas eram presas e agredidas na padaria da esquina, embalados por canções patrióticas, por discordarem do regime militar oficial. Hoje, o somos caçados e agredidos pelo poder paralelo dos criminosos embalados pelo forró e pagode...

Estou francamente achando que Rock é Atitude é mesmo uma piada!.... Até quando pessoas que lutam por liberdade de expressão e expressão de liberdade nessa merda de país vão desaparecer debaixo das botas do regime militar ou do regime, muito pior, para-militar.

O crime sob todas as suas formas, e com todas as suas trilhas sonoras tomou de assalto este país! Acordem! Ou morram feito baratas, esmagados por esse sistema nojento que se apossou desta terra.
8/12/2002