ROCK É ATITUDE!
Barata Cichetto
P
Quando comento que o Rock perdeu sua essência, seu sentido marginal e obscuro, que era em realidade o seu porque de ser e existir, sou extremamente criticado, especialmente por aqueles que têm menos de 25 anos... 

 A enxurrada de bandas que imitam, direta ou indiretamente as bandas estrangeiras, numa clara falta de capacidade de criação, preguiça ou busca de caminhos menos pedregosos, nos deixa crer que o Rock foi transformado em algo de prateleira... A partir do momento em que uma Rede Globo passa a bancar eventos de Rock, é que a coisa está, no mínimo, estranha. 

A rebeldia sem pose dos roqueiros antigos deu lugar ao sucesso de 15 minutos de bandas que nem sabem o significado do Rock. A pose sem rebeldia, a rebeldia da pose... enfim, pura purpurina! Muita estrela e pouca constelação, como disse Raul.Há 20 anos, um "show" de Rock era um acontecimento político-social, as pessoas respeitavam e se respeitavam... não haviam tribos, dividindo o que era para unir. Rótulos construídos pelas máfias de gravadoras, grande mídia, apenas interessada apenas em arrancar o dinheiro de babacas incautos em troca de um som que amanhã ninguém irá mais lembrar. 

 No final dos anos setenta aconteceu algo que pareceu que seria realmente o regate do Rock enquanto movimento anárquico e cultural. O surgimento do Punk parecia dar novo ar, um oxigênio que faltava ao Rock moribundo... mas , também engolido pelos sistema massacrante e massificante e acabou, ingenuamente, criando a atual divisão do Rock em inúmeras tribos em que ninguém se tolera e se entende. Rock não é não pode ser apenas diversão. Rock tem que ser atitude! 

Uma criança que nasceu em guetos fedorentos, agora se tornou adulto, velho e subserviente... Isto é ridículo. O Rock tem que voltar aos guetos que foram tomados pelo Rap e pelo Pagode, que souberam conquistar esse publico. Para o Rock tem que haver liberdade de expressão e expressão de liberdade. Afinal, Rock É (e sempre tem que ser) Atitude!
25/5/2002