DEVASSA
Devassa Barata Cichetto
Troco Poesia Por Dinamite

Devassa! Grito eu puxando a teus cabelos
E se não são meus teus gemidos e apelos
A mim pertencem teus desejos e odores
Não menos que beijos, luxos e pudores.

Devassa! Grito eu enfiando na tua bunda
E se te chamo de prostituta e vagabunda
É por temer a minha ira contra a tua carcaça
Rindo por dentro do que chamas de desgraça.

Devassa! Grito quando lhe enfio meus dedos
E se são apenas meus os teus sujos segredos
Declaro que perdestes comigo muitos pontos
Que tua história não é digna de meus contos.

Devassa! Grito sem tirar a língua da tua buceta
E se grito na devassidão que se acha o planeta
É por querer que da tua boca saiam as palavras
Que se transformarão em belas poéticas lavras.
21/6/2017