BARATA? QUE BICHO É ESSE?
Barata? Que Bicho é Esse? Barata Cichetto
Toda a Poesia Que Eu Pude Carregar

-

Quem é esse Barata, que pede desculpas, e não pede perdão,
E quem é esse tal de poeta, que peida fedido e fala palavrão?

- Sou eu, Barata, um poeta por ofício, e profeta por profissão,
E minhas palavras são tão sujas que parecem escritas a carvão.

Quem é esse Barata, que fala de putas, e cala em cemitérios,
Esse poeta que escreve poesia suja, sobre lutas e adultérios?

- Barata, muito prazer, a seu dispor, tolos cheios de mistérios,
E se meu verso lhe causa tanto mal, procure outros deletérios.

Quem é esse Barata, que mostra o pau e depois mata a cobra,
E que mostra o mau, e ainda tem montes de poesia de sobra?

- Barata presente, e se a minha serpente por ti não desdobra,
Sente sobre seu rabo e olhe o mal que a consciência te cobra.

Mas quem é esse Barata, de quem tanto ninguém gosta,
E quem é esse imbecil, que só fala em sexo e em bosta?

- Eu, Barata, um animal perante a uma verdade suposta,
Ou anormal, diante da sujeira da tua podridão exposta.

Quem é, esse Barata, idoso, que até de inseto é chamado,
E quem é esse odioso a quem poucos de fato tem amado?

- Barata, raivoso a quem chama, e às que querem, difamado,
Mas bem guloso às que gostam de um homem bem formado.

Enfim, quem é esse Barata, que nem se pode chamar de ser,
Quem é essa cria, que alguma mãe perversa permitiu nascer?

- Sou Barata, que um dia acordou, e não mais queria crescer,
E se era o que queriam, com inseto monstruoso quis parecer.
1/10/2018