(16) 99248-0091

Apóie a continuidade deste trabalho, totalmente independente desde 1997. Saiba como participar clicando na imagem ao lado.

1958 1990 1997 1998 1999 2000 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013 2014 2015 2016 2017 2018

AUTÓPSIA PSICOLÓGICA
FABIO "KILL" CARVALHO
1/6/2004
Seria um belo dia de sol, cerveja na mesa e jogo da seleção. Seria. Se não fosse também o dia de meu enterro.

Estou em meu velório. Olho em minha volta, algumas pessoas queridas choram por mim, meu pai, com quem não conversava mais, pede o perdão que me negou em vida; minha mãe, pobrezinha, quase veio comigo. Uma ex-namorada apareceu também, e disse no meu ouvido que ainda me ama, muitos disseram coisas ao meu ouvido... Mas não falam comigo, acham que não posso ouvir, falam para si mesmos, como se ao desabafarem, pudessem apagar as marcas do passado, perdoar-se pelos erros cometidos e pelas coisas que deveriam ter feito - ou dito - para mim quando em vida... Engraçado, só agora estou percebendo as pessoas como elas realmente são. A maioria dos que acreditava que me amavam nem se deu ao trabalho de vir se despedir. Alguns vieram. Um ou dois, apenas para angariar votos para sua eleição pessoal, a maioria, no entanto, olha para o caixão e não me vê, tampouco sente alguma coisa, além de frustração por eu ter estragado seu dia de folga, cerveja e seleção. Se eu estivesse vivo, muitos dos que não apareceram estariam em minha casa agora... Tomaríamos cerveja e, juntos, brindaríamos nossa amizade. Mas morto não paga a conta. Devem estar brindando a amizade de alguém mais vivo. Não os culpo, amigos são feitos para momentos alegres, de dinheiro no bolso e sucesso na vida. Para a tristeza, a pobreza e os velórios, é preciso amor, coisa tão rara hoje em dia que ninguém mais tem culpa por não amar ao próximo.

Fico olhando as flores amarelas que colocaram em volta de meu corpo, vejo-as murchando, e só então me dou conta de como foi rápida minha vida. Deixei de fazer tantas coisas, quantos projetos adiei; ficou tudo para o amanhã que não mais virá. Fixo na luz das velas, a cruz postada à minha frente e, finalmente, acabam de baixar em mim, olhos torturados pela dúvida, em um pranto desesperado e cheio de medos.

- Por que não falou comigo? Por que não pediu minha ajuda? - Começa a gritar minha amiga enquanto duas outras lhe seguram e pedem por calma. Eu digo que falei com elas, que pedi ajuda diversas vezes, lembro-lhes dos e-mails desesperados, das cartas dolorosas, dos telefonemas não atendidos e do ostracismo afligido a mim. Relembro o dia em que fui mais direto e disse estar com medo de morrer, que pensava em me suicidar embora não o quisesse e implorei por um perdão que não veio; do dia em que desapareci e ninguém se preocupou...

Mas, assim como não ouviram a nada disso em vida, mais uma vez ninguém me ouve. Penso então no que poderia ter ocorrido caso eu tivesse sido um pouco mais forte e não tivesse cumprido minha profecia. Provavelmente eu estaria vivo; as pessoas continuariam despreocupadas, aliás, despreocupadas não, na verdade, estariam mais preocupadas em se afastar de mim, perigo em potencial, que em me ajudar. Provavelmente, até me acusariam de louco e se afastariam cada vez mais. Eu não sei, talvez com o tempo até voltássemos a ser amigos, e fingiríamos que nada ocorreu; que sempre acreditaram em mim e que nunca me abandonaram. Minha dúvida é somente uma: elas não acreditaram que eu me mataria de verdade ou, apenas não ligaram para o risco de isso ocorrer realmente? Agora elas têm a oportunidade de refletir sobre isso, de se arrepender pelo abandono a que me submeteram, de não acreditar em mim, afinal, eu cumpri minha ameaça. Eu me matei.

Mas aí, eu me pergunto sem encontrar respostas: se eu não tivesse feito isso, se eu tivesse conseguido forças para não cometer o suicídio e seguir minha vida em frente, estas pessoas compreenderiam que não foi graças a elas?

FACEBOOK ADDS

15/6/2010 - Alexandre Wildshark - Virada Cultural (São Paulo 15 e 16 de Maio de 2010, Mogi Guaçu 22 e 23 de Maio de 2010)
2/12/2009 - Alexandre Wildshark - Resenha do Show do VENOM em São Caetano.
3/11/2009 - Paulo Leminski - Rock and Roll
1/11/2009 - Barata Cichetto - WoodsTarkus
16/10/2009 - Duda - Momentos Extremos de Meu Encontro com Raul Seixas, o Eterno Amigo.
16/10/2009 - Duda - O Repórter Perguntou: “E o Que Você Prega?” E Raul Munido de Ironia Respondeu: “Pregos, e Muito Mal Pregados".
16/10/2009 - Duda - Meu Encontro Com Raul Seixas, Meu Livro Vivo
1/10/2009 - Kim Kehl - Liberdade Criativa
28/9/2009 - Raul Cichetto - Infecção Cadavérica
23/9/2009 - Mário Pacheco - Rock Malhado S.A.
10/9/2009 - Greta Garbo - E Se!
7/9/2009 - Luiz Carlos "Barata" Cichetto - Liberdade... Abre As...
14/11/2008 - Greta Garbo - Boca
11/11/2008 - Dum De Lucca - Jazz Rock, a Fusão Entre o Céu e o Paraíso.
5/11/2008 - Dódi Hernandes (D.H.) - Vôo da Chave Antenada
1/11/2008 - John Hemingway - Tradução: Lúcio Júnior - Em Solidariedade a Ronaldo e Hemingway
1/11/2008 - Rodrigo Oliveira - Espantalhos, Pedras e Poemas
22/10/2008 - Dum De Lucca - "CSNY, Déja Vu”, do Genial Neil Young, no Festival de Cinema de São Paulo
21/10/2008 - Alexandre Wildshark - 14 de Maio de 2008, o Dia Que a Guitarra Brasileira se Calou! Um Tributo ao Mestre Wander Taffo
20/10/2008 - Wagner R. - A Fome
18/10/2008 - Antônio Celso Barbieri - Entrevista Rejeitada de Celso Barbieri
15/10/2008 - Belvedere Bruno - Enclausurada
13/10/2008 - Wagner R. - Um Bate-Papo Com Integrantes do Grupo 'Tântalus Cantantes"
30/7/2008 - Felipe Cerquize - Jogos da Vida
6/5/2008 - Mário Pacheco - Cu
5/5/2008 - Antônio Celso Barbieri - Rock Fantasma
25/4/2008 - Fernando Barreto - Rock And Roll Hates Me
20/4/2008 - Dum De Lucca - Tríade da Música Perfeita: Democracia, Diversidade e Informação
14/4/2008 - Wagner R. - Música, Por Favor... Quero Cantar...
25/11/2007 - Lúcio Emílio do Espírito Santo Júnior - A Nova Onda (Parte 2)
25/11/2007 - Lúcio Emílio do Espírito Santo Júnior - A Nova Onda (Parte 1)
11/11/2007 - Belvedere Bruno - Ponto Final
5/10/2007 - Adriano Coelho - Os 35 Anos da Led Slay
25/9/2007 - Adriano Coelho - Os 73 Anos da Maior Musa do Cinema
13/9/2007 - Antônio Celso Barbieri - Homosinteses
5/9/2007 - Lúcio Emílio do Espírito Santo Júnior - Syd Barrett: O Elefante Efervescente Não Está na Praça da Apoteose
5/4/2007 - Chico Boy - Parabéns Barata !!!
2/4/2007 - Lazara Luzia - Repulsa
27/3/2007 - Lazara Luzia - G
12/3/2007 - André Mainardi - Edu Viola
28/2/2007 - André Mainardi - High Tide Reportagem publicada na Revista Só! Número Hum, Setembro de 2006)
13/2/2007 - Astribaldo - Astribólicas
24/11/2006 - Fabiano Gozzo - Troca-Troca
13/10/2006 - Sr. Arcano - Manifesto Soturno
1/1/2006 - Silas Corrêa Leite - Teen, Família e Sociedade
1/1/2006 - Fabio G. Carvalho - Que Droga de Religião?
1/1/2006 - Thiago Porto - Tipos de Drogas e Sua Aparência 
1/1/2006 - Thiago Porto - Histórico das Drogas
1/1/2006 - Luiz Carlos Maciel - O Fracasso da Contracultura
1/1/2006 - Luiz Cezar Pimentel - Sobre Drogas e Vício
> LEIA OUTROS TEXTOS >


(16) 99248-0091

A Barata - O Site

A Barata Ao Vivo

Amigos & Livros

A Arca do Barata

Arquivos Abertos

Artesanato

As Faces d'O Corvo
Augusto dos Anjos

Ataraxia

Barata Cichetto, Quem É?

Barata Rocker

Biografi'As Baratas

Camisetas

Cinematec'A Barata

Coletâneas de Rock

Colunas Antigas
Conte Comigo, Conte Pra Mim
Contos d'A Barata
Convergências
Crom

Crônic'As Baratas

De Poeta a Poeta

Depoimentos

Des-Aforismos Poéticos Baratianos

Discoteca d'A Barata

Download Free

Ensaios Musicais

Entrevist'As Baratas

Eventos

Facebookianas
Fal'A Barata!
Fotos
Gatos & Alfaces
Kakerlak Doppelgänger
Livrari'A Barata
Livros
Madame X
Memória A Barata
Micrônic'As Baratas

Na Mídia

O Anjo Venusanal
Pinturas
Pi Ao Quadrado

Poesi'a Barata

Ponto de Fuga
Pornomatopéias
PQP - Puta Que Pariu
Prefácios & Editoriais
Projeto Sangue de Barata
Psychotic Eyes
Renato Pop
Resenhas

Retratos e Caricaturas

Revist'A Barata Digital

Revist'A Barata

Seren Goch: 2332

Sub-Versões

Tublues

Versus

Videos

Vitória

Webradio

Todos os textos, exceto quando indicados, são de autoria de Luiz Carlos Giraçol Cichetto, nome literário Barata Cichetto, e foram registrados na Fundação Biblioteca Nacional. Não é permitida a publicação em nenhum meio de comunicação sem a prévia autorização do autor, bem como o uso das marcas "A Barata" e "Liberdade de Expressão e Expressão de Liberdade". Lei de Direitos Autorais: 9610/98.
 On Line

Política de PrivacidadeFree counter users online