(16) 99248-0091

 

Apóie a continuidade deste trabalho, totalmente independente desde 1997. Saiba como participar clicando na imagem ao lado.

1958 1990 1997 1998 1999 2000 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013 2014 2015 2016 2017 2018

O FRACASSO DA CONTRACULTURA
LUIZ CARLOS MACIEL
1/1/2006
Aviso aos navegantes: com o lançamento, nos Estados Unidos, do filme Gimme Shelter, de albert e David Maysles, sobre a célebre excursão dos Rolling Stones em 1969, a mais recente curtição de todo o mundo (e, certamente, já programada para chegar ao Brasil nos próximos meses) é o fim definitivo da chamada Era de Aquarius. O movimento não passou de uma desvairada fantasia coletiva e a Contracultura fracassou - proclamam os articulistas de todos os jornais. Os episódios sangrentos de Altamont, registrados no filme, são ao mesmo tempo - dizem eles - a prova e o símbolo mais forte desse final melancólico. Até os mitos engendram o seu contrário dialético - e o Altamont foi a antítese de Woodstock. A síntese, concluem os analistas, é o silêncio.

Não se deve menosprezar a importância do novo dado. Altamont aconteceu apenas quatro meses depois de Woodstock, no dia 6 de dezembro de 1969. Para comemorar uma bem sucedida excursão pelos Estados Unidos que lhes rendeu mais de um milhão de dólares, os Rolling Stones resolveram oferecer um concerto de graça aos fãs da Califórnia, onde é alta a percentagem de hippies e afins. Escolheram Altamont, que fica a quarenta milhas de San Francisco, contrataram alguns grupos famosos para os números de abertura (Santana, Grateful Dead, Jefferson Airplane, etc.) e deram aos Hell's Angels, a assustadora gangue de motociclistas, um caminhão cheio de cerveja como pagamento por seus serviços como "guarda de segurança". Compareceram cerca de trezentas mil pessoas - e o desastre foi total. O congestionamento de tráfego transformou a área num verdadeiro inferno. Além do ácido e da maconha, e ao contrário do que aconteceu em Woodstock, as bebidas alcoólicas e as bolinhas de anfetamina tiveram um amplo consumo. A violência estourava a cada momento, em discussões e brigas sangrentas. Chamados de "fascistas" pelo público, os angels espancavam quem pintasse na frente. Quatro pessoas morreram: um afogado e dois atropelados pelos automóveis irritados. O restante, um estudante negro chamado Meredith Hunter, foi esfaqueado por um Angel no momento que apontava um revólver na direção do palco, enquanto Mick Jagger cantava os versos escabrosos de "Sympathy for the Devil".

Nos dias que se seguiram, Altamont foi muito noticiado pelos jornais. Mas não muito teorizado. A euforia criada por Woodstock era forte demais e 1970 foi, de acordo, um ano carregado de otimismo. Mas a água continuava a rolar sob a ponte e o próprio Woodstock teria de ser esquecido. Aquele sonho colorido não poderia durar para sempre e, na falta de novas felizes confirmações, Altamont foi ressucitada com seus sombrios significados, como um despertar cruel para a dura realidade. Os dois filmes tornaram-se imagens poderosas, símbolos vivos da grande contradição estabelecida pela Contracultura - e 1971 pinta como um ano de depressão, o ano de Gimme Shelter e do sangue derramado em Altamont. O atradso cronológico não tem muita importância diante da força maniqueísta da imagem. Woodstock foi o Bem; Altamont é o Mal, seu correlato essencial, seu companheiro inseparável. O atraso no lançamento de Gimme Shelter e na formulação das teorias sobre "o fim da Era de Aquarius" obedeceram, ao que parece, a um timing mais profundo, ainda a ser estudado. De certo modo, era preciso que outras desilusões se acumulassem no panorama da Contracultura internacional para que a imagem maligna de Altamont ganhasse, finalmente, o primeiro plano sepultando as esperanças de Woodstock. Respondendo aos pessimistas Richie Havens me disse aqui no Brasil que os festivais não são a Era de Aquarius, não passando mesmo de uma parte sem importância dela. É o signo de um desalento mais amplo.

Como, afinal de contas, tudo chegou a acontecr? Um pocket book, Altamont: Death of Innocence in the Woodstock Nation, editado por Jonathan Eisen, procura responder a essa pergunta com um punhado de artigos e depoimentos de pessoas que estiveram lá e viram tudo. A ênfase das acusações é dupla: sobre os próprios Rolling Stones, especialmente Mick Jagger, e sobre os caminhos percorridos pela Contracultura em seus escassos anos de vida. A Jagger, acusam de persistir numa ego trip irresponsável. A sua condição de estrela do rock cercada por uma aura de charme diabólio leva-o a reforçar essa imagem através de letras que são verdadeiras exortações à violência ("Sympathy for the Devil", "Street Fighting Man"), outras ainda e a encenações satânicas como o cortejo de Hell's Angels com que se apresentou em Altamont. Segundo os mais místicos, Jagger tem uma transa da pesada com entidades inferiores, um pacto com Lúcifer que deve ser pago com sangue. À Contracultura, acusam de ter sucumbido aos pecados mais graves que ela acusou no sistema: neurose, sadismo, violência e um egoísmo desesperado. Ao ser absorvida pelo consumo, servindo de assunto para jornais e televisões e enriquecendo promotores de festivais e as fábricas de discos - entre muitos exemplos - a Contracultura teria sido irremediavelmente inoculada com os venenos mais letais do sistema que ela negou. Segundo Eisen, a comunidade hippie ainda não existe porque, até aqui, não conseguiu criar novas instituições capazes de enfrentar o aparato repressivo que a cerca, asfixia e, finalmente, neurotiza. Contentou-se em ilusões róseas, mas de vida curta e a grande ilusão de Woodstock só poderia resultar na realidade decepcionante de Altamont. Para esses, a Contracultura já vendeu a sua alma ao diago: viu-se glorificada nos meios de comunicação de massa e, agora, deve entregá-la ao seu legítimo dono.

Aqui no Brasil, nós tivemos a oportunidade de ver como essa transa é feita, estamos tendo ainda. Em apenasum ano, as revistas começaram a badalar o underground, qualquer imbecil que aparece na televisão bota os dedinhos em "V", os hippies viram uma moda superficial - e a repressão se encarrega do resto. Com essa assimilação pelo sistema, estão plantadas as sementes da neurose e da violência. Não tenhamos dúvidas que, dentro de alguns meses, as nuvens escuras de Altamont estarão sobre nós, da mesma maneira que - ainda há pouco - brilhou o sol limpo de Woodstock. A rebordosa já pinta no horizonte, nas formas já conhecidas de bad trips, ego trips, pirações generalizadas, angústia e covardia, fuga e irresponsabilidade, e outras que ainda teremos, certamente, de descobrir e aprender a tratar com elas. Se Mick Jagger tem uma transa com o Diabo, foi de certo modo porque nós também a quisemos e, junto com ele, teremos de pagar ao "Príncipe do Mundo' opreço de nossa própria alma. E se quisermos, ao contrário, enganar o Diabo e conservar a esperança, temos que encarar a triste verdade de nossas próprias ego trips, para um saque além dos nossos deslumbramentos infantis. Woodstock já era; compete a nós, agora, enterrar também Altamont.

FACEBOOK ADDS

15/6/2010 - Alexandre Wildshark - Virada Cultural (São Paulo 15 e 16 de Maio de 2010, Mogi Guaçu 22 e 23 de Maio de 2010)
2/12/2009 - Alexandre Wildshark - Resenha do Show do VENOM em São Caetano.
3/11/2009 - Paulo Leminski - Rock and Roll
1/11/2009 - Barata Cichetto - WoodsTarkus
16/10/2009 - Duda - Momentos Extremos de Meu Encontro com Raul Seixas, o Eterno Amigo.
16/10/2009 - Duda - O Repórter Perguntou: “E o Que Você Prega?” E Raul Munido de Ironia Respondeu: “Pregos, e Muito Mal Pregados".
16/10/2009 - Duda - Meu Encontro Com Raul Seixas, Meu Livro Vivo
1/10/2009 - Kim Kehl - Liberdade Criativa
28/9/2009 - Raul Cichetto - Infecção Cadavérica
23/9/2009 - Mário Pacheco - Rock Malhado S.A.
10/9/2009 - Greta Garbo - E Se!
7/9/2009 - Luiz Carlos "Barata" Cichetto - Liberdade... Abre As...
14/11/2008 - Greta Garbo - Boca
11/11/2008 - Dum De Lucca - Jazz Rock, a Fusão Entre o Céu e o Paraíso.
5/11/2008 - Dódi Hernandes (D.H.) - Vôo da Chave Antenada
1/11/2008 - John Hemingway - Tradução: Lúcio Júnior - Em Solidariedade a Ronaldo e Hemingway
1/11/2008 - Rodrigo Oliveira - Espantalhos, Pedras e Poemas
22/10/2008 - Dum De Lucca - "CSNY, Déja Vu”, do Genial Neil Young, no Festival de Cinema de São Paulo
21/10/2008 - Alexandre Wildshark - 14 de Maio de 2008, o Dia Que a Guitarra Brasileira se Calou! Um Tributo ao Mestre Wander Taffo
20/10/2008 - Wagner R. - A Fome
18/10/2008 - Antônio Celso Barbieri - Entrevista Rejeitada de Celso Barbieri
15/10/2008 - Belvedere Bruno - Enclausurada
13/10/2008 - Wagner R. - Um Bate-Papo Com Integrantes do Grupo 'Tântalus Cantantes"
30/7/2008 - Felipe Cerquize - Jogos da Vida
6/5/2008 - Mário Pacheco - Cu
5/5/2008 - Antônio Celso Barbieri - Rock Fantasma
25/4/2008 - Fernando Barreto - Rock And Roll Hates Me
20/4/2008 - Dum De Lucca - Tríade da Música Perfeita: Democracia, Diversidade e Informação
14/4/2008 - Wagner R. - Música, Por Favor... Quero Cantar...
25/11/2007 - Lúcio Emílio do Espírito Santo Júnior - A Nova Onda (Parte 2)
25/11/2007 - Lúcio Emílio do Espírito Santo Júnior - A Nova Onda (Parte 1)
11/11/2007 - Belvedere Bruno - Ponto Final
5/10/2007 - Adriano Coelho - Os 35 Anos da Led Slay
25/9/2007 - Adriano Coelho - Os 73 Anos da Maior Musa do Cinema
13/9/2007 - Antônio Celso Barbieri - Homosinteses
5/9/2007 - Lúcio Emílio do Espírito Santo Júnior - Syd Barrett: O Elefante Efervescente Não Está na Praça da Apoteose
5/4/2007 - Chico Boy - Parabéns Barata !!!
2/4/2007 - Lazara Luzia - Repulsa
27/3/2007 - Lazara Luzia - G
12/3/2007 - André Mainardi - Edu Viola
28/2/2007 - André Mainardi - High Tide Reportagem publicada na Revista Só! Número Hum, Setembro de 2006)
13/2/2007 - Astribaldo - Astribólicas
24/11/2006 - Fabiano Gozzo - Troca-Troca
13/10/2006 - Sr. Arcano - Manifesto Soturno
1/1/2006 - Silas Corrêa Leite - Teen, Família e Sociedade
1/1/2006 - Fabio G. Carvalho - Que Droga de Religião?
1/1/2006 - Thiago Porto - Tipos de Drogas e Sua Aparência 
1/1/2006 - Thiago Porto - Histórico das Drogas
1/1/2006 - Luiz Carlos Maciel - O Fracasso da Contracultura
1/1/2006 - Luiz Cezar Pimentel - Sobre Drogas e Vício
> LEIA OUTROS TEXTOS >


(16) 99248-0091

A Barata - O Site

A Barata Ao Vivo

Amigos & Livros

A Arca do Barata

Arquivos Abertos

Artesanato

As Faces d'O Corvo
Augusto dos Anjos

Ataraxia

Barata Cichetto, Quem É?

Barata Rocker

Biografi'As Baratas

Camisetas

Cinematec'A Barata

Coletâneas de Rock

Colunas Antigas
Conte Comigo, Conte Pra Mim
Contos d'A Barata
Convergências
Crom

Crônic'As Baratas

De Poeta a Poeta

Depoimentos

Des-Aforismos Poéticos Baratianos

Discoteca d'A Barata

Download Free

Ensaios Musicais

Entrevist'As Baratas

Eventos

Facebookianas
Fal'A Barata!
Fotos
Gatos & Alfaces
Kakerlak Doppelgänger
Livrari'A Barata
Livros
Madame X
Memória A Barata
Micrônic'As Baratas

Na Mídia

O Anjo Venusanal
Pinturas
Pi Ao Quadrado

Poesi'a Barata

Ponto de Fuga
Pornomatopéias
PQP - Puta Que Pariu
Prefácios & Editoriais
Projeto Sangue de Barata
Psychotic Eyes
Renato Pop
Resenhas

Retratos e Caricaturas

Revist'A Barata Digital

Revist'A Barata

Seren Goch: 2332

Sub-Versões

Tublues

Versus

Videos

Vitória

Webradio

Todos os textos, exceto quando indicados, são de autoria de Luiz Carlos Giraçol Cichetto, nome literário Barata Cichetto, e foram registrados na Fundação Biblioteca Nacional. Não é permitida a publicação em nenhum meio de comunicação sem a prévia autorização do autor, bem como o uso das marcas "A Barata" e "Liberdade de Expressão e Expressão de Liberdade". Lei de Direitos Autorais: 9610/98.
 On Line

Política de PrivacidadeFree counter users online