(11) 96358-9727

 

1958 1990 1997 1998 1999 2000 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013 2014 2015 2016 2017 2018

 

UM BATE-PAPO COM INTEGRANTES DO GRUPO 'TÂNTALUS CANTANTES"
WAGNER R.
13/10/2008
A relação entre Música, Cura e Transcendência foi uma das principais motivações que levaram, em dezembro de 2007, cinco estudantes de Musicoterapia, da Faculdade de Artes do Paraná, a se unirem em uma nova experiência musical que deu origem a banda Tântalus Cantantes. Sua primeira apresentação para o público ocorreu no Festival Psicodália (São Martinho-SC) em fevereiro de 2008 e logo depois gravaram um CD-demo que resgata influências da música indiana, cigana, afro, rock progressivo e música popular brasileira. O Tântalus Cantantes é formado por: Adriano (sitar indiano, violão de 12 cordas e voz), Carla (flauta, percussão e voz), Fred (baixo acústico), Mateus (violino, percussão e voz) e Kamylla (rabeca, percussão, flauta e voz).

01 - Wagner (A Barata) – Tive a oportunidade de assistir a estréia do Tântalus Cantantes, além das palestras “o Vegetarianismo e seus benefícios” e “dos Upanishads a Física Quântica” que você (Adriano) ministrou no Festival Psicodália 2008. Achei muito interessante e gostaria que relatasse um pouco a sua experiência nesse evento.

Adriano (Tântalus Cantantes) – A estréia do Tântalus Cantantes foi uma experiência maravilhosa e inesquecível em nossas vidas, pois não tínhamos idéia de como seria a reação das pessoas. Também foi muito gratificante minha estréia como 'facilitAmor' (não facilitaDor) de conversas e reflexões que ao meu ver, não foram exatamente palestras, mas uma grande troca de experiências entre os participantes e eu, na qual apenas coloquei meus pontos de vista e provocações, criando uma atmosfera de diálogo entre todos numa troca mútua e dinâmica. Apesar dos temas serem aparentemente diferentes, tentei fazer uma ponte entre os assuntos discutidos – além das duas conversas citadas, ocorreram mais duas outras, intituladas: “Desintoxicação, Cura e Regeneração através da Medicina Natural e Alimentação” que ocorreu juntamente com a conversa sobre Vegetarianismo; e a última “Música da Índia” – , já que todos estes assuntos fazem parte das Ciências Milenares, que oferecem chaves para o Auto-conhecimento, e conseqüentemente uma Vida mais saudável, feliz e consciente, em Harmonia a níveis físico, mental, emocional, espiritual, social, etc. Aqui começamos a falar no conceito de 'Viver' integralmente esta existência, e não 'Sobreviver', o que a maioria da humanidade vivencia neste momento. Nossa mensagem esta centrada nisso, que podemos assumir uma nova postura e Vida, e criar uma nova realidade. Agradecemos a todos no Psicodália que participaram deste lindo momento conosco, de intensa aprendizagem e crescimento, e a organização que nos abriu estes portais. O retorno está sendo muito positivo.

02 - Wagner (A Barata)– Lembro de você comentar, Adriano, em uma de suas palestras, que a cultura ocidental vem negando conhecimentos orientais milenares. Fale mais sobre isso.

Adriano (Tântalus Cantantes) – A nossa muitas vezes 'pseudo-ciência' e nossos líderes, que atendem a milhões de interesses paralelos, parecem não ter tempo para cuidar do que é essencial, que é o Ser, a Vida. Gastam milhões criando experiências manipuladas que colherão um resultado pré-definido por instituições e interessados, recebendo ainda o aval 'cientifico' (inquestionável pois a 'deusa ciência' autoriza e lhes dá poderes mágicos') que libera aos detentores destas informações o livre arbítrio sobre elas. Diferente do modelo da Antigüidade, e notem, não apenas Oriental, onde tudo estava conectado e seu estudo era de forma a complementar um ao outro; Ciência, Religião, Filosofia, Artes, etc., tudo integrado.
O 'cientista' nesse contexto, vivenciava cada fato por si, buscando compreensões cada vez mais profundas, não limitando as pesquisas ao nível racional mas também utilizando métodos muito mais avançados que computadores potentes. Tinham acesso a verdadeira sabedoria, que transcendia as teorias, sem comprometimentos e interesses, já que não se intentava manipular e enganar, mas sim conhecer a natureza interna e externa. Conhecimento é muito diferente de Sabedoria.
A exemplo da medicina, ainda nos tempos gregos e também no oriente, tinha-se como pré-requisito para ingressar na academia, o conhecimento de artes, pois esta daria condições ao estudante compreender outros aspectos do Ser, sob outras perspectivas, através da sensibilização, do conhecimento de leis micro e macrocósmicas, etc. Estes deveriam ser exemplos, ou seja, ensinavam aquilo que eles próprios faziam, e não só o que aprenderam na faculdade. Compreendiam o importante papel do 'curador' e a necessidade deste ter uma busca pessoal e espiritual, pois o conteúdo que transmitia na relação com o outro (em desequilíbrio ou não), é uma troca energética, mesmo antes de iniciar qualquer intervenção a nível físico.
Este conhecimento vem sendo resgatado, mas costuma estar bem longe das faculdades e instituições (comercias a religiosas), hospitais, farmácias, e tantos lugares onde costumamos freqüentar e acreditar que lá estão as 'verdades', sempre externas a nós.
Voltando a pergunta, nossa ciência também tem métodos de pesquisa bastante limitados (embora às pessoas acreditem serem os únicos existentes), ainda mais quando desconsidera toda uma realidade além do mundo físico. E parece não existir motivação rumo a uma mudança positiva, já que assim se mantém a comodidade, orgulho, controle e poder.

03 - Wagner (A Barata) – A apresentação do Tântalus Cantantes no Psicodália me chamou a atenção (e de muita gente) pela sonoridade diferenciada. Ao ouvir o Cd pude perceber melhor a riqueza de timbres, a musicalidade e a referência a elementos da natureza, através de figuras de linguagem. Como funciona o processo de composição e arranjos dentro do grupo e quais são suas principais inspirações e influências?

MATEUS (Tântalus Cantantes) - Bom, o processo de composição acontece através da musicalidade que todos nós, seres humanos temos. Como estamos em contato mais direto com a forma de expressão (a chamada música) que materializa esse atributo inato, vemos maior facilidade em exteriorizar nossas intenções e idéias através da composição. De temas trazidos pelos integrantes fazemos os arranjos, um dá uma idéia aqui, outro harmoniza ali, uns colocam o ritmo onde melhor lhe convém e assim as canções são produzidas, em conjunto. Temos muita influência de grupos e estilos musicais que nos levam a relembrar o indivíduo de sua verdadeira tarefa e responsabilidade aqui no planeta, influências que vão desde música Indiana (ex.: Ananda Shankar, Ravi Shankar) até música de raiz e vertentes experimentais brasileiras (ex.:Sá, Rodrix e Guarabyra, Barca do Sol, etc), que também tem em seu conteúdo letras que remetem a natureza.

04 - Wagner (A Barata) – O Sitar Indiano é um instrumento musical muito antigo. Porém, apenas no final da década de sessenta tornou-se um pouco mais conhecido no mundo ocidental, através da performance de Ravi Shankar no Festival Woodstock e principalmente pela sua utilização por George Harrison na década de setenta. Ainda assim, é pequena sua difusão no ocidente e poucas pessoas se aventuram a tocá-lo por aqui. Adriano, fale um pouco sobre as características desse instrumento tão maravilhoso, quando surgiu seu interesse por ele e como se deu o seu processo de aprendizagem.

Adriano (Tântalus Cantantes) – O Sitar é um instrumento utilizado na região norte da Índia, e vem da evolução da milenar 'Veena', instrumento de corda do Sul da Índia. Há diferentes escolas filosóficas, cada uma tem diferenças em seus instrumentos (tamanho, quantidade de cordas, etc), afinação, postura física do músico, técnica, etc. O Sitar que utilizo, pertence a Gharana (escola) de Vilayat Khan, e possui 7 cordas superiores, e outras 11 inferiores (chamadas cordas simpáticas) que entram em ressonância com as superiores, ou seja, ao tocarmos as superiores estas vibram junto automaticamente.
Hoje em dia o acesso aos instrumentos esta facilitado, pois há pessoas trazendo da Índia instrumentos de qualidade e já há bons músicos que ministram aulas, material na internet, vídeos, etc. O Sitar aqui no ocidente já conhecemos e vemos pessoas utilizando. Mas há uma série de instrumentos, principalmente os da região sul da Índia, que nem imaginamos sua existência, embora com a internet tenha ficado fácil de conhecê-los, pesquisando no Youtube por Hindustan e Carnatic Music (música clássica do norte e do sul da Índia), Bhajan (música devocional) e Mantra.
Meu interesse pelo Sitar já é antigo e os primeiros contatos também foram através do video do Woodstock e George Harrison. Ao mesmo tempo que comecei a buscar informações sobre a música comecei a adquirir conhecimento da Filosofia e Magia da cultura Védica (Yoga, meditação, Vegetarianismos, etc). Anos mais tarde, na época ainda guitarrista da banda “Clorofila & Jardim Secreto” (da junção desta com a também extinta banda “Naftalanja”, nasceu a banda “Sopa”), conheci meu amigo Diego Haupmann, grande Sitarista do grupo Upanishads, e através dele pude aprender mais sobre esta tradição e tive a primeira oportunidade de 'experimentar' o Sitar. Foi emocionante e a confirmação de que era aquilo que buscaria dali pra frente. Depois de um tempo longe da vida musical, senti a necessidade de recomeçar, e para isso, vendi a guitarra e o violão de 12 cordas, e comprei o Sitar! Fiz algumas aulas para aprender os princípios mais básicos (afinação, postura física, etc) e atualmente sigo por conta própria.


(PARTE II)

05 - Wagner (A Barata) – Fale um pouco mais sobre a música Indiana e sua relação com outros aspectos (filosófico, religioso, terapêutico, etc).

Adriano (Tântalus Cantantes) – Diferente de nossa cultura, o Oriente não rompeu os laços que une todos os aspectos do Ser, nem julgou reduzindo, enaltecendo ou ignorando estes aspectos. Corpo, Mente e Espirito formam uma só unidade, integrada a natureza. Tudo é Sagrado, o Divino habita tudo e todos e é a própria Vida manifesta. Religião, Filosofia, Arte e Ciência estão conectadas.
A maioria da música produzida na Índia, esta inserida em suas tradições, práticas espirituais e de Cura, e por isso estes músicos prestam tamanho respeito e dedicação em seus estudos e praticas (musicais e espirituais), pois tem consciência do poder que sua música possui, o que aumenta também sua responsabilidade com a utilização. Sendo assim é comum encontrar o sitar e outros instrumentos sendo tocados em templos e dentro de hospitais na Índia.
Na tradição clássica, o aluno passa por um rígido treinamento musical e espiritual, junto a um mestre. Há também os Nada Yogues, que se dedicam a meditar profundamente nos aspectos divinos do Som (as vezes se refugiando, assumindo vida monástica). Estes são alguns exemplos da Vida musical na Índia, porém sempre imersas no Universo Sagrado, a música e os instrumentos são tidos como entidades vivas, que tem a função de servir como ponte entre as energias Divinas e o homem, auxiliando no processo de Transcendência e Cura.
Dentro desta visão há sempre a busca pelo autoconhecimento, um constante processo de sutilização e realinhamento do Ser com sua essência, para compreender e vivenciar todos estes processos, que para nossa cultura soam tão misteriosos e estranhos.

06 - Wagner (A Barata) – Quais são as principais diferenças estruturais da música clássica ocidental para a música clássica indiana?

Adriano (Tântalus Cantantes) – Sobre a estrutura da Música Clássica Indiana temos as peças conhecidas como Ragas, onde cada Raga corresponde a uma emoção, uma divindade, uma cor e deve ser executado num determinado horário do dia, estação, com finalidades terapêuticas especificas - pois trabalha com energias diferentes, de chakras diferentes - , etc. Na região Norte as peças normalmente são executadas por 3 músicos, onde seus instrumentos representam os aspectos masculino (ex.: Tabla), feminino (instrumento solista, ex.: Sitar, Sarod, Bansuri, etc) e a Tampura, que simboliza o Universo, que conecta as duas polaridades. Nesta região uma das estruturas utilizadas na execução do Raga é a que contém 3 movimentos, o Alap, Jhala e Jor. O Alap é um movimento introspectivo; não há percussão, e conseqüentemente não existe um ritmo rigidamente definido, sendo neste momento que o músico improvisa livremente 'dando Vida ao Raga', embora siga as diversas regras estabelecidas em cada Raga (há uma escala ascendente, outra descendente, uma nota principal a se destacar e outra secundaria, etc.). No segundo momento, quando entra a percussão, os músicos executam uma composição ou tema fixo (o que diferencia um Raga de outro Raga), desenvolvendo sutis variações deste tema (como ocorre no Jazz). No último momento, onde a música atinge seu ápice, também há um tema fixo e variações, mas num andamento bastante rápido. Neste momento os músicos expõem todo seu virtuosismo, trabalhados com muita disciplina por anos.
Diferente de nossa música que se desenvolveu na estrutura de tensão e relaxamento, no aspecto harmônico a música indiana segue um sistema absolutamente diferente. No Raga se explora as sutilezas das variações melódicas, os microtons, os aspectos melódicos e rítmicos. A interpretação do músico é privilegiada e respeitada, já que estes costumam ser profundos conhecedores da ciência musical e de todas as possibilidades de improvisação de acordo com seus sentimentos, inspirações e insights.

07 - Wagner (A Barata) – Nem toda música acalma os ânimos, ela pode muitas vezes agitá-los com uma estrutura rítmica nervosa e com a presença de dissonâncias. Esse agito todo não significa necessariamente algo negativo, pois quando eu escuto um rock’n’roll sinto meu corpo transpirar, meu coração acelerar e a mente parece romper com certas fronteiras (risos). E isso me dá uma sensação de prazer! Que tipo de música é utilizada na Musicoterapia, para quais problemas ela é indicada e como ocorre a interação do paciente com o terapeuta?

MATEUS e FRED (Tântalus Cantantes) - Somos todos graduandos em Musicoterapia aqui na Faculdade de Artes do Paraná e acreditamos que nossa pouca experiência ainda não nos dê tanta propriedade para falar da pratica Musicoterapêutica, como dá a um profissional que já esteja atuando há mais tempo. Mas perguntas com esta, que são do interesse de todos que ouvem falar dessa terapia, acreditamos poder esclarecer.
Falando da Musicoterapia ocidental: ela se caracteriza pela utilização não só da música, mas também dos seus elementos (som, ruídos e movimentos que eles causam, seja no espaço, seja no corpo físico) e por se tratar de um processo, em que cada mudança do paciente é uma vitória. As experiências musicais, que também é um outro fator utilizado na prática da profissão, é que vão nortear o andamento das sessões. E assim podemos transformá-las em algo profilático ou reabilitatório. Portanto, não existe uma música especifica para certo tipo de indivíduo ou sintoma. Apesar de haver sim uma melhor aceitação do nosso organismo e nossa mente para certos estilos de música, mas ainda assim é equivocado generalizar isso e mais errôneo ainda prescrever tais músicas como “receitas de bolo”.
A interação do paciente com o Musicoterapeuta se dá desde uma conversa, realizada numa entrevista inicial até uma leitura de expressão corporal e linguagens não verbais. Quando a música e seus elementos entram em ação as portas da comunicação são abertas e a interação se dá de maneira mais segura. Existem várias abordagens para se trabalhar com a Musicoterapia, cada qual com sua base teórica. Uma delas utiliza o repertório musical do paciente ou individuo em terapia como grande aliado. Esse repertório pode ser algo que o individuo já traga consigo ou pode ser criado em conjunto com o Musicoterapeuta, mas deve ser agradável, acolhedor e manter um vinculo de segurança entre ambos.

08 - Wagner (A Barata) – Comente um pouco sobre a sua experiência como vegetariano e os benefícios que uma alimentação natural pode trazer para o organismo humano.

Adriano (Tântalus Cantantes) – Sou vegetariano há 7 anos e não tenho dúvidas sobre alguns benefícios que tal mudança me proporcionou, e isso não se limita ao nível físico, embora sejam inegáveis os ganhos de saúde e energia. Mas esta é uma experiência única e intransferível, mas se nos permitíssemos, ao menos, alguns minutos de silêncio diário e mais atenção a nós mesmos, seriamos guiados pelo nosso próprio corpo para os 'combustíveis' mais adequados.
Infelizmente a alimentação se tornou uma válvula de escape emocional e de tantas outras coisas sendo que a nutrição é a última finalidade propriamente dita (e algo muito simples). A maioria de nossos hábitos não passam de padrões culturais herdados, que com amor podemos transcender.
Para quem acha que não pode viver sem um pedaço de hambúrguer, bife, ou algo assim, saiba que até mesmo a ciência já afirmou (e ocultou em seguida!) que a constituição do homem esta mais próxima a de um frugívoro do que de um vegetariano (imagine o que falar sobre onivorismo!), e todos os estudos em outras áreas concluem esta afirmação.
Não nego o prazer da alimentação (e como tudo o que é manifestado na natureza, considero Divino), mas é necessário refletirmos sobre o assunto (e tantas coisas inventadas por nós recentemente imaginando ter sido sempre assim!). Você coloca pedra ao invés de combustível no seu carro? E da certo? Num outro extremo, temos pessoas que já não necessitam da alimentação convencional e compreender tal processo pode ser uma das chaves para refletirmos e mudarmos alguns hábitos simples compreendendo o que é alimentação, o que realmente necessitamos, de onde vem, como possibilitar que este processo crie vida e não morte, embora não necessariamente precisemos optar por este caminho!!!
Nosso planeta produz alimentos em quantidade muito superior às necessidades nutricionais de todos os seres humanos. Mas no jogo de dinheiro e poder, nos fazem crer que a realidade é outra. Pesquisas, estatísticas, e todo material que fornece base a tantas afirmações absurdas e degeneradas, são patrocinadas por multinacionais, e provavelmente não será na 'Globo' que você verá uma informação verdadeira a respeito de saúde e doença, alimentação e fome mundial, etc.
Se você acredita nos slogans de proteína, vitaminas, etc., abra os olhos, pois há uma indústria que manipula todas estas informações (indústria da morte: médica, farmacêutica, alimentícia, em associação com diversas outras), e temem que você comece a 'despertar' para estas realidades tornando-se dono de si, respeitando todos os seres e nossa mãe natureza, numa vida harmoniosa e consciente, que é uma ameaça a todo este poder que nos mantém zumbis e fantoches.
É claro que só o vegetarianismo não salvaria o mundo (risos), mas o vegetarianismo pode trazer como conseqüências diversas outras mudanças em nossas vidas e em nosso planeta, que sem dúvidas trarão mais alegria, felicidade e harmonia.
Existe muita Informação sobre vegetarianismo e receitas na internet, (livros, vídeos, etc.), ou podem me contatar por e-mail. Será uma alegria imensa compartilharmos e trocarmos mais informações sobre o assunto. Já muito além do Vegetarianismo, um autor em especial que indico é o Professor Mario Sanchez: www.mariosanchez.com.br).
Atualmente começo a desenvolver um projeto acerca de vivências e palestras (para todas as idades e ambientes) com objetivo de fornecer ferramentas para uma Vida em harmonia e alinhamento através da Música, Alimentação e Medicina Natural (Ali'nha'MentaSom, risos).

09 - Wagner (A Barata) – Aproveite este espaço para deixar o seu registro final, além dos contatos do Tântalus Cantantes.

Adriano (Tântalus Cantantes) – Independente dos gêneros e instrumentos musicais que nos atraiam, façamos música! Nos processos de aprendizagem e execução, somos nós mesmos que criamos uma série de barreiras, devido à pré-conceitos que aprendemos ou criamos (ex.: não sou musico profissional; nunca vou tocar bem como o 'fulano'; música de verdade é 'música de tal gênero' e é 'tocada de tal forma', e essa só se aprende na academia, conservatório ou outro lugar; tenho dificuldades em aprender isso, não tenho paciência; e assim por diante...). A música é algo inato no ser humano. Fazemos música e temos contato com ela a todo o momento, sem mesmo perceber. Manifestar-se musicalmente não é privilégio de alguns, e sim uma necessidade, ao alcance de todos (seja com instrumentos convencionais, com instrumentos improvisados, ou com o principal e mais natural de todos os instrumentos para o ser humano, nosso próprio corpo e voz).

Tântalus Cantantes – contatos: Telefone: (41) 32478632 e (41)92245562 (Adriano) ... na internet: mail – pazciencia_om@yahoo.com.br e tantaluscantantes@gmail.com ; Estamos também no Orkut e Youtube.





FACEBOOK ADDS


15/6/2010 - Alexandre Wildshark - Virada Cultural (São Paulo 15 e 16 de Maio de 2010, Mogi Guaçu 22 e 23 de Maio de 2010)
2/12/2009 - Alexandre Wildshark - Resenha do Show do VENOM em São Caetano.
3/11/2009 - Paulo Leminski - Rock and Roll
1/11/2009 - Barata Cichetto - WoodsTarkus
16/10/2009 - Duda - Momentos Extremos de Meu Encontro com Raul Seixas, o Eterno Amigo.
16/10/2009 - Duda - O Repórter Perguntou: “E o Que Você Prega?” E Raul Munido de Ironia Respondeu: “Pregos, e Muito Mal Pregados".
16/10/2009 - Duda - Meu Encontro Com Raul Seixas, Meu Livro Vivo
1/10/2009 - Kim Kehl - Liberdade Criativa
28/9/2009 - Raul Cichetto - Infecção Cadavérica
23/9/2009 - Mário Pacheco - Rock Malhado S.A.
10/9/2009 - Greta Garbo - E Se!
7/9/2009 - Luiz Carlos "Barata" Cichetto - Liberdade... Abre As...
14/11/2008 - Greta Garbo - Boca
11/11/2008 - Dum De Lucca - Jazz Rock, a Fusão Entre o Céu e o Paraíso.
5/11/2008 - Dódi Hernandes (D.H.) - Vôo da Chave Antenada
1/11/2008 - John Hemingway - Tradução: Lúcio Júnior - Em Solidariedade a Ronaldo e Hemingway
1/11/2008 - Rodrigo Oliveira - Espantalhos, Pedras e Poemas
22/10/2008 - Dum De Lucca - "CSNY, Déja Vu”, do Genial Neil Young, no Festival de Cinema de São Paulo
21/10/2008 - Alexandre Wildshark - 14 de Maio de 2008, o Dia Que a Guitarra Brasileira se Calou! Um Tributo ao Mestre Wander Taffo
20/10/2008 - Wagner R. - A Fome
18/10/2008 - Antônio Celso Barbieri - Entrevista Rejeitada de Celso Barbieri
15/10/2008 - Belvedere Bruno - Enclausurada
13/10/2008 - Wagner R. - Um Bate-Papo Com Integrantes do Grupo 'Tântalus Cantantes"
30/7/2008 - Felipe Cerquize - Jogos da Vida
6/5/2008 - Mário Pacheco - Cu
5/5/2008 - Antônio Celso Barbieri - Rock Fantasma
25/4/2008 - Fernando Barreto - Rock And Roll Hates Me
20/4/2008 - Dum De Lucca - Tríade da Música Perfeita: Democracia, Diversidade e Informação
14/4/2008 - Wagner R. - Música, Por Favor... Quero Cantar...
25/11/2007 - Lúcio Emílio do Espírito Santo Júnior - A Nova Onda (Parte 2)
25/11/2007 - Lúcio Emílio do Espírito Santo Júnior - A Nova Onda (Parte 1)
11/11/2007 - Belvedere Bruno - Ponto Final
5/10/2007 - Adriano Coelho - Os 35 Anos da Led Slay
25/9/2007 - Adriano Coelho - Os 73 Anos da Maior Musa do Cinema
13/9/2007 - Antônio Celso Barbieri - Homosinteses
5/9/2007 - Lúcio Emílio do Espírito Santo Júnior - Syd Barrett: O Elefante Efervescente Não Está na Praça da Apoteose
5/4/2007 - Chico Boy - Parabéns Barata !!!
2/4/2007 - Lazara Luzia - Repulsa
27/3/2007 - Lazara Luzia - G
12/3/2007 - André Mainardi - Edu Viola
28/2/2007 - André Mainardi - High Tide Reportagem publicada na Revista Só! Número Hum, Setembro de 2006)
13/2/2007 - Astribaldo - Astribólicas
24/11/2006 - Fabiano Gozzo - Troca-Troca
13/10/2006 - Sr. Arcano - Manifesto Soturno
1/1/2006 - Silas Corrêa Leite - Teen, Família e Sociedade
1/1/2006 - Fabio G. Carvalho - Que Droga de Religião?
1/1/2006 - Thiago Porto - Tipos de Drogas e Sua Aparência 
1/1/2006 - Thiago Porto - Histórico das Drogas
1/1/2006 - Luiz Carlos Maciel - O Fracasso da Contracultura
1/1/2006 - Luiz Cezar Pimentel - Sobre Drogas e Vício
> LEIA OUTROS TEXTOS >

1958 1990 1997 1998 1999 2000 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013 2014 2015 2016 2017 2018

CONHEÇA NOSSOS PARCEIROS

 

(11) 96358-9727

A Barata - O Site

A Barata Ao Vivo

Amigos & Livros

A Arca do Barata

Arquivos Abertos

Artesanato

As Faces d'O Corvo
Augusto dos Anjos

Ataraxia

Barata Cichetto, Quem É?

Barata Rocker

Biografi'As Baratas

Camisetas

Cinematec'A Barata

Coletâneas de Rock

Colunas Antigas
Conte Comigo, Conte Pra Mim
Contos d'A Barata
Convergências
Crom

Crônic'As Baratas

Depoimentos

Des-Aforismos Poéticos Baratianos

Discoteca d'A Barata

Download Free

Ensaios Musicais

Entrevist'As Baratas

Eventos

Facebookianas
Fal'A Barata!
Fotos
Gatos & Alfaces
Kakerlak Doppelgänger
Livrari'A Barata
Livros
Madame X
Memória A Barata
Micrônic'As Baratas

Na Mídia

O Anjo Venusanal
Pinturas
Pi Ao Quadrado

Poesi'a Barata

Ponto de Fuga
Pornomatopéias
PQP - Puta Que Pariu
Projeto Sangue de Barata
Psychotic Eyes
Renato Pop
Resenhas

Retratos e Caricaturas

Revist'A Barata Digital

Revist'A Barata

Seren Goch: 2332

Sub-Versões

Tublues

Versus

Videos

Vitória

Webradio

Todos os textos, exceto quando indicados, são de autoria de Luiz Carlos Giraçol Cichetto, nome literário Barata Cichetto, e foram registrados na Fundação Biblioteca Nacional. Não é permitida a publicação em nenhum meio de comunicação sem a prévia autorização do autor, bem como o uso das marcas "A Barata" e "Liberdade de Expressão e Expressão de Liberdade". Lei de Direitos Autorais: 9610/98.

 On Line

Política de Privacidade

Free counter users online