(11) 96358-9727

 

1958 1990 1997 1998 1999 2000 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013 2014 2015 2016 2017 2018

 

 Arca do Barata Cinematec'A Barata Contos Crônicas  Entrevistas  Facebookianas  Fal'A Barata! Livrari'A Barata  Micrônic'As Baratas


As "Micrônic'As Baratas" são pequenos textos, raciocínios, besteiras e bobagens. Frases soltas, desconexas e desconectadas, fragmentos de ideias, flashes, pensamentos pouco rebuscados e profundos, recordações, sínteses, algumas bobagens... Anoto-os em meu caderno com a intenção de talvez futuramente usá-los em algo mais elaborado. Mas enquanto isso não acontece, se é que um dia irá acontecer...

Os  "Textículos" foram escritos em 2000, entre Fevereiro e Abril.  "Twittianas" foram fragmentos soltos escritos no Twitter, em Setembro de 2009.


140 caracteres de pensamentos efêmeros e neuróticos. Sou neurótico, sim.. Mas, mas, mais neurótico é quem me diz... Bêbado, bebi! E sonhei!

A pior coisa que criaram para atrapalhar o casamento foi a cama de casal. Dormir, quanto ir ao banheiro, tem que ser um ato solitário.

A saudade de mim têm horas que é tão intensa, que meu reflexo no espelho não existe.

Acorda, minha estrela, acorda meu brilho! Ama e deixa o resto! Eu abri mão de mim, fui colocado na parede contra mim mesmo e abaixei a faca!

Acreditar que um livro, qualquer que seja ele, é a expressão absoluta dos desejos e leis de Deus, é não acreditar que Deus é o que é pregado nesse próprio livro.

Acredito em tatuagem, acredito nas marcas... Acredito no dia e ainda acredito... Não sei do amanhã... Minha sensibilidade não é astrológica!

Agora não existem mais sonhos, agora não existem mais porquês, agora não existe mais. Ao menos eu não existo. meu coração foi queimado vivo!

Agora resta o quê? Um arredo de um sonho! Eu não quero mais sonhar contigo... Deixa minha sombra, Senhora Encantada! Meu encanto és ... É!!!

Águas passadas não movem moinhos e moinhos de vento são coisas quixotescas que estou acostumado... Acorda Dulcinéia! Sempre foi assim? Why??

Ah, minha querida, agora tenho medo de você, medo do que eu sinto por sua pessoa... Tenho medo de mim... Tenho medo. Sou covarde...

Amada querida de olhos tão intensos... Porque tenho que estar a morrer quando destes a mim a esperança da vida? Eu não sou melhor? Não?! É?!

Amanhã eu vou tirar sangue... Meu sangue não presta... Pra nada... Coração fraco... Alma cardíaca.. Ah, minha Senhora, onde estaremos ontem?

Amor e uma cabana... Idiota! Mundo sem pão, mundo de não, mundo cão. A compreensão e a tolerância colocariam este planeta no eixo do futuro.

Antes de nós tínhamos a dor e antes da dor não tínhamos nada. Nós seríamos nossa libertação. Porque buscastes a prisão da liberdade? Por quê?

Aquela era uma sociedade perfeita: ninguém tinha nenhuma posse. Nada o que roubar ou invejar. Aí alguém percebeu que tinha sonhos e os contos aos outros membros. Aconteceu então o primeiro crime daquela sociedade perfeita.

Até, meu vento! Até que um dia a tempestade que lhe trouxe até mim dê sua volta ao planeta e traga até mim a sua brisa suave e calma! Até!!!

Cada postagem, cada mensagem, cada linha... 140 caracteres de desespero e dor... Queria mesmo era estar contigo e estares comigo.. Por quê???

Caminhei 3000 quilômetros em busca de alguma satisfação, não encontrei e caminhei outros 3000 de volta. Então percebi que a satisfação não estava no lugar onde tinha ido, nem de onde saí e retornei, mas no caminho que eu tinha percorrido.

Câncer e Leão... O câncer tem cura... O leão não é tão assustador e eu nem sei sobre astrologia, cartas não são... E eu reencarnei de ontem.

Cento e cinquenta mensagens escritas àqueles que não estão interessados em porra nenhuma... Porque ainda falo? Pra quem não escuta. Nem ama!

Chora não minha mãe! Eu sou poeta e poetas são feitos de sofrimentos e de amores não correspondidos. Chora não minha mãe, que amanhã acaba!

Cortar a corda que segura meu fio... De existência. Corta ai. Meu anjo da guarda, sai fora! Estás de férias...? Então, estás demitido, Anjo!

Crucificado, Cristo por um instante desejou ser um homem comum com esposa, filhos, cachorros e ... um trabalho. Então achou melhor continuar ali e morrer para tentar salvar a humanidade.

Daqui do 8º. andar do prédio fico pensando sobre o que pensa uma pessoa, enquanto comete suicídio, pulando do 7º. andar de um prédio.

Demora? O ônibus até o fim da minha existência demora? Não demora não... Porque sem esperanças um homem morre, sem sonhos é devorado. Morri.


1958 1990 1997 1998 1999 2000 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013 2014 2015 2016 2017 2018

CONHEÇA NOSSOS PARCEIROS

 

(11) 96358-9727

A Barata - O Site

A Barata Ao Vivo

Amigos & Livros

A Arca do Barata

Arquivos Abertos

Artesanato

As Faces d'O Corvo
Augusto dos Anjos

Ataraxia

Barata Cichetto, Quem É?

Barata Rocker

Biografi'As Baratas

Camisetas

Cinematec'A Barata

Coletâneas de Rock

Colunas Antigas
Conte Comigo, Conte Pra Mim
Contos d'A Barata
Convergências
Crom

Crônic'As Baratas

Depoimentos

Des-Aforismos Poéticos Baratianos

Discoteca d'A Barata

Download Free

Ensaios Musicais

Entrevist'As Baratas

Eventos

Facebookianas
Fal'A Barata!
Fotos
Gatos & Alfaces
Kakerlak Doppelgänger
Livrari'A Barata
Livros
Madame X
Memória A Barata
Micrônic'As Baratas

Na Mídia

O Anjo Venusanal
Pinturas
Pi Ao Quadrado

Poesi'a Barata

Ponto de Fuga
Pornomatopéias
PQP - Puta Que Pariu
Projeto Sangue de Barata
Psychotic Eyes
Renato Pop
Resenhas

Retratos e Caricaturas

Revist'A Barata Digital

Revist'A Barata

Seren Goch: 2332

Sub-Versões

Tublues

Versus

Videos

Vitória

Webradio

Todos os textos, exceto quando indicados, são de autoria de Luiz Carlos Giraçol Cichetto, nome literário Barata Cichetto, e foram registrados na Fundação Biblioteca Nacional. Não é permitida a publicação em nenhum meio de comunicação sem a prévia autorização do autor, bem como o uso das marcas "A Barata" e "Liberdade de Expressão e Expressão de Liberdade". Lei de Direitos Autorais: 9610/98.

 On Line

Política de Privacidade

Free counter users online