Todos os textos, exceto quando indicados, são de autoria de Luiz Carlos "Barata" Cichetto e registrados na Fundação Biblioteca Nacional. Não é permitida a publicação em nenhum meio de comunicação sem a prévia autorização do autor. Bem como o uso das marcas "A Barata" e "Liberdade de Expressão e Expressão de Liberdade".

 

As "Micrônic'As Baratas" são micro crônicas escritas sob a forma de "Textículos" e "Twittianas", são pequenos textos, raciocínios, besteiras e bobagens escritas. Frases soltas, desconexas e desconectadas.

Sobre os "Textículos": São pequenos textos, fragmentos de idéias, flashes, pensamentos pouco rebuscados e profundos, recordações, sínteses, algumas bobagens... Anoto-os em meu caderno com a intenção de talvez futuramente usá-los em algo mais elaborado. Mas enquanto isso não acontece, se é que um dia irá acontecer...Os  "Textículos foram escritos em 2000, entre Fevereiro e Abril.

Twittianas foram fragmentos soltos escritos no Twitter, em Setembro de 2009

.: Difícil mesmo é é desligar o computador e correr para os braços das pessoas que nos amam sem uma conexão discada.
---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
.: Doces saudades de anjos e sonhos e estrelas e eu nem sei quanto tempo desde o começo até o fim. O fim e o começo, de que jeito queres a mim?
---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
.: E então, meu vento da madrugada, sopra e tragas de novo uma joaninha em meio a um temporal... Vento, meu vento, sopra em meu quintal. Sopra!
---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
.: E então... ventamos... Sou vento sem brisa, coração sem sangue, alma... Ao vento e sem rumo. Procuro o vento que traga de volta quem se foi.
---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
.: E eu nem sabia a direção do vento que soprava em 2007... Achei que era em direção ao Sol e às estrelas... Entre tuas coxas... Alma! Afinal!
---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
.: E eu que sou louco e fico mostrando o que passa por minha alma, labirintos de dor e paixão, dores que não cessam e jamais cessarão. Mãe, bye!
---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
.: E o vento carregou sua alma para longe de mim e minha alma para longe da sua e agora éramos duas almas perdidas ao vento, o deserto, areias.
---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
.: E o vento gelado carregou-nos de volta a more, de volta aos Campos de concentração. De volta ao martírio e a uma dor que não queríamos. Dor!
---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
.: E o vento levou minha joaninha da sorte longe de mim e agora ela é apenas uma escultura numa parede laranja gelada, Campos de terror. Calma!
---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
.: E o vento nos levou distante de nossas almas e nossas almas distantes de nós e nós distantes... O vento não perdoa e a paixão, acaba igual
---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
.: E o vento parecia o hálito do demônio e minha boca tinha gosto de merda e minha merda... Ah, que vento que sopra sem cessar em minha alma !!!
---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
.: E o vento que lhe trouxe lhe carregou, ventos de dor. E os ventos que me carregaram... Me cegaram. E os ventos que passam, passaram em mim.
---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
.: E os ventos de Santorini nunca nos sopraram os cabelos, nem Prado nem Penha. Pedras que criam limbo não rolam. E Rock and Roll in The Wind!
---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
.: E que morte é essa em minha vida? E que vida é essa em minha morte? Ventos não trazem a morte, apenas temporais. O que o vento traz, amada?
---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
.: E que vento é esse que traz a morte até mim? Que vento é esse que insiste em soprarem minha nuca? E que vento é esse, minha Senhora da Vida?
---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
.: Ela guardou meus segredos dentro de seu sutiã. Depois, quando o amante a desnudou, esqueceu onde os deixou.
---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
.: Ela não tem força e eu não tenho dinheiro. Ela não tem o que preciso e eu não preciso daquilo que ela tem. O que ela tem, mãe minha? O quê?
---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
.: Ela tem minha alma e eu quero! Não quero minha alma de volta, mas quero o que lhe dei! Dei paixão e agora não tenho nenhuma. Vida de merda!!
---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
.: Ele está presente em todos os lugares; com traficantes e com os padres, igrejas e bordéis, nos hospitais e nos bares, pobres e ricos o buscam. Onipotente ele é o maior dos senhores: o Dinheiro.
---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
.: És a minha doença e eu não conheço a cura a uma doença tão intensa.. Seria mortal? Não lembre de mim a não ser quando precisar, não escreva.
---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
.: Estes pensamentos ficam à posteridade, meu tormento é meu mestre e minha boca fala o que pensa meu coração. Acorda, Razão! Não, acorda Tesão!
---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
.: Estou louco?! Ah, sim... Acreditar ainda num sonho esmagado por ..." Olá, eu sou Barata, criador do site A#Barata...! É só mandar um e-mail.
---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
.: Estou procurando uma corda, uma arma e não sei onde encontrar.... Comprar não posso... Bela, tem um ai? Uma corda em forma de coração? Hein?
---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
.: Eu encho páginas de pensamentos.Quem estaria interessado? Uma mulher de óculos escuros atrás de olhos penetrantes. Onde penetram seus olhos?
---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
.: Eu era um bêbado e falei. Falei que não a queria, mas bebi esqueci de mim e lembrei de você. Não precisa me lembrar disso, mãe! Amo! Posso.
---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
-----------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

-----------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
Arca do Barata
Contos d'A Barata
Crônic'As Baratas
Entrevist'As Baratas
Fal'A Barata!
Resenhas de Filmes
Resenhas de Livros
Micrônic'As Baratas
Camisetas
Livros
Revist'A Barata
Revistas Impressas
Artesanato
O Anjo Venusanal
Ponto de Fuga
Convergências
Ópera Rock Vitória
PQP - Puta Que Pariu
Webradio
Sub-Versões
Videos
A Barata Ao Vivo
Biografi'As Baratas
Discoteca d'A Barata
Ensaios Musicais
1a. Coletâne'A Barata
2a. Coletâne'A Barata
Festival Música Independente
A Barata - O Site
Fest'As Baratas
A Barata na Midia
Barata Cichetto, Quem É?
Depoimentos
Amigos & Parceiros
Fotos
Arquíloco (1981)
Sangue de Barata
Impessoal e Transferível
1958
A Verdadeira História da Betty Boop
Emoções Baratas
O Olhar Gótico da Morte Dentro da Cibernética Taverna
O Câncer, O Leão e O Escorpião
O Cu de Vênus
O Êxtase
Poemas Perdidos

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

 

 On Line:  305