(11) 96358-9727

 

1958 1990 1997 1998 1999 2000 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013 2014 2015 2016 2017 2018

 

REVISTA SAMPA USJT 11-2014

Mateus Narcizo
Revista Sampa

Revista Sampa USJT 11-2014

Entrevista Matheus Narcizo


1) Hoje, qual é a sua opinião sobre o rock paulistano? E o brasileiro? Existem bandas que mereçam destaque neste cenário?
Matheus, eu tenho uma visão ampla a respeito de Rock feito no Brasil, até por força da minha atividade, particularmente de 1997 para cá, a frente de sites, blogs e revistas de Rock. E também por ter viajado durante quatro anos pelo interior de São Paulo e todos os estados da região Sul com uma banda histórica, a Patrulha do Espaço. Além disso, morei durante um ano em Belém, PA e estive várias vezes em Manaus, ambas na região Norte. Diante disso, sinto-me a vontade para primeiramente afirmar que, apesar do fato de que o Rock feito em São Paulo obtenha um destaque e um peso muito grandes dentro do contexto do país, até por forças da grande mídia, que concentra no eixo São Paulo-Rio sua atenção, muitos outros lugares produziram e produzem ótimas bandas.
O Rock paulistano tem características distintas e é muito diferente daquele feito em qualquer outra cidade do país, em função das características da cidade, a maior metrópole da America Latina e uma das maiores cidades do mundo. Mas minha opinião sobre o que chamas de "Rock Paulistano" é que, embora ainda existam na cidade as maiores e mais "conceituadas" bandas, anda muito pouco criativo, apático e repetindo o mesmos chavões de 40 anos arás. Apenas mudou a forma, pois enquanto nos anos 1970 predominava o "Progressivo" e atualmente a tendência maior é para o Metal e o Hard Rock, infelizmente, com raras exceções, as bandas se repetem, e se copiam, não havendo uma reciclagem no quesito criatividade, por absoluto comodismo.
Por outro lado, libertos dessa pressão urbana, o restante das cidades tem produzido bandas muito boas, que de fato merecem destaque e precisariam ser mais bem conhecidas e divulgadas. Um exemplo claro é uma banda que descobri muito recentemente, que é do Espírito Santo, de nome Ávora di Carlla. A sonoridade é perfeita, dentro daquilo que poderíamos chamar de Rock Progressivo, aliado a letras impactantes e fortes e um contexto geral, que há muito tempo eu não ouvia. O complicado é que trabalhos como esse estão fadados ao ostracismo, por culpa não apenas da mídia, mas até mais pela falta de interesse das pessoas atualmente com trabalhos musicais mais elaborados e densos.
E termino sua pergunta com outra: existem bandas que merecem destaque, mas será que existe um cenário?

2) Você vivenciou o ápice do rock paulistano, nos anos 1980. Como era aquela época? Você diria que foram os dez melhores anos do rock?
Bem, eu não enxergo o ápice do "Rock Paulistano" nos anos 1980, embora comercialmente pudéssemos ter como correta a sua afirmação. Os anos 1980 foram, digamos a década em que o Rock, por força do chamado Pop Rock, BR Rock e principalmente do primeiro Rock in Rio, quando o Rock no Brasil se tornou comercial. Apareceram muitas bandas que fizeram um relativo - em alguns casos até grande - sucesso. Mas não considero, artística e musicalmente falando como o apogeu. A mim, isso ocorreu na década anterior, coincidindo de fato seu principio de declínio com o inicio do período comercial. Portanto, a exemplo período tratado no excelente livro de André Barcinski, que acabei de ler, considero esse apogeu no período entre 1973 e 1983. Foi nessa época em que aconteceram os maiores e mais importantes lançamentos do Rock no Brasil, sendo a maior parte deles de bandas e artistas originários ou radicados em São Paulo. Em 1973 foi lançado o primeiro disco dos Secos e Molhados, que embora muita gente não considere como uma legitima banda de Rock, levando-se em conta nosso contexto roqueiro heterogêneo, foi o maior fenômeno do Rock brasileiro.
Também nesse período foram lançados discos fundamentais como “Vivo” de Alceu Valença, que em minha opinião é o melhor disco de Rock feito no Brasil, o primeiro disco do Joelho de Porco, “Mutantes ao Vivo”, os primeiros disco de bandas como Made In Brazil, Patrulha do Espaço, Walter Franco etc. Também nesse período, aconteceram os festivais que buscavam repetir o fenômeno dos festivais americanos e ingleses nestas terras. Como vivíamos sob uma época de Regime Militar, proibição de importações e o consequente atraso tecnológico, o que de importante aconteceu no mundo na segunda metade dos anos sessenta, demorou quase uma década para explodir por aqui, coincidindo exatamente nesse período. Os anos 1980 foram importantes, mas de certa forma foram à pá de cal na no Rock Brasileiro, e se me permite ser mais enfático e polêmico, o principio do fim do Rock. E não apenas no Brasil.

3) Alguém consegue viver de fato só de rock no Brasil?
Decididamente não. O Rock no Brasil, mesmo tendo seu apogeu comercial na fase que citei acima, nunca propiciou aos músicos, possibilidade de sobrevivência plena. O publico comprador de discos e frequentador de shows desde os anos 1980 vem diminuindo sensivelmente. A cada dia deixa de existir um espaço de Rock no Brasil. Mesmo em São Paulo os espaços diminuíram terrivelmente. O que ocorre é que os músicos tem que, ou tocar em bandas que acompanham artistas populares, ou tocar cover em bares, em troco de migalhas. Mesmo assim, é certo que uma minoria consegue viver tocando Rock no Brasil. Não há nenhum artista de Rock no Brasil há muitos anos aparecendo por exemplo em algum programa de TV de uma grande emissora, os shows estão cada vez com menos publico. Então, dessa forma não há como sobreviver. É uma questão que envolve muitos culpados e poucos inocentes. O publico paga fortunas para assistir uma banda internacional, mas não paga míseros dinheiros para prestigiar uma banda local. As casas, bares e demais locais, visam apenas o lucro rápido advindo de bandas cover, pois afinal esses lugares são para divertimento. Gravadoras não investem e por fim bons músicos que não se valorizam e aceitam qualquer cota de bebida para tocar, enquanto outros, preguiçosos, não estudam, não buscam melhorar. O Rock não tem mais apelo perante os jovens porque sua temática e comportamento ou foi assimilada por outras tribos, ou ficou distante deles. E isso destrói toda a cadeia criativa, criando um circulo vicioso.

4) O rock deixou de ter seu espaço devido as tantas transformações de ritmos e gostos?
Acredito que sim. Musica, como qualquer forma de arte, reflete a era em que é criada. Todo um contexto social está embutido. O Rock nasceu num momento de efervescência cultural e social, onde as pessoas buscavam a liberdade do corpo, a mudança de costumes, a fuga da repressão social, e principalmente o horror da segunda guerra mundial. Depois se transformou em algo que era veiculo de introspecção e busca de conhecimento, na fase do Progressivo e posteriormente, com o rompimento disso em função de convulsões sociais, que deflagraram no Punk e sua tentativa de retorno à essas origens, fechou um ciclo completo.
Os anos 1980 começaram com a desilusão que foi retratada pelo Gótico, Pós Punk. A partir daí, com o desespero e falta de horizontes sociais e políticos, marcados decisivamente pela queda do Muro de Berlim e do fracasso do projeto da URSS, o Rock passou a ser um autentico "balaio de gatos", abocanhando e sendo abocanhado por ritmos e gostos totalmente disformes e estranhos, fazendo com que todo o seu objetivo e significado perdessem o sentido.
Um exemplo simples disso é a guitarra elétrica, instrumento icônico do Rock, que no inicio dos anos 1970 foi alvo de uma passeada contra ela, deflagrada por músicos da chamada "autêntica" musica brasileira, ter sido incorporada sem maiores problemas a qualquer conjunto de outros ritmos, até mesmo dentro do sertanejo e samba. Enfim, em função de todas essas transformações, o Rock perdeu sua identidade, seu propósito. E isso não é um fenômeno exclusivo do Brasil, embora nessas terras, por força da pluralidade cultural, seja sentida de forma muito mais clara. A questão é cultural, simplesmente.

5) Bandas que engataram sucessos anos atrás como: Paralamas, Titãs, entre outras, atualmente sofrem para se manterem vivas no cenário nacional, ou por terem uma "carreira" sólida produzem algo novo somente quando lhes convêm?
As bandas citadas tem históricos conturbados, oscilando entre o muito bom e muito ruim. Foram bandas que explodiram nos anos oitenta, quando o Rock no Brasil obteve apelo comercial. Particularmente Titãs, que de Punk (quando ainda atendiam pelo nome "Titãs do Iêiêiê”) chegaram a absurdo máximo de gravar Roberto Carlos... Depois de cisões, saídas, retornos, recomeços, a banda retorna, tentando retomar uma espécie de elo perdido. Pela minha ótica, não vejo nenhuma dessas com honestidade nessa tentativa de se manter. A mim parece mesmo oportunismo e busca de apenas ganhar uma grana extra. Paralamas para mim sempre foi uma banda muito chata e ruim. Pode ter até bons músicos, mas é uma banda chata e ruim no conjunto. Altamente superestimada. E de modo geral, penso que qualquer banda que um dia tenha decretado seu próprio fim, jamais deveria retornar. O cheiro é o mesmo de um casamento retomado depois de terminado. Essas tentativas são desastrosas, porque se chegou a uma decisão de terminar algo e isso de fato ocorreu, é porque não havia mais nada em comum. Em resumo: é conveniência financeira, mais nada!

6) Já que o rock tem, por pura essência, um jeito contestador de ser, vc acha que o fim da ditadura culminou com o fim da ''criatividade'' das bandas?
Pergunta muito interessante. Acredito que sim. No Rock o fator contestação fator é, digamos, genético. Faz parte de sua origem, nos movimentos sociais de uma época situada no pós-guerra. Sendo assim, durante a ditadura, esse fator era o combustível que alimentava bandas e artistas a criar. Enquanto a chamada MPB era algo elitista, ligada às classes dominantes com acesso amplo a cultura, o Samba ligado ao outro extremo, das classes mais pobres e sem cultura; e o Sertanejo representando um bucolismo que tentava sobreviver diante da migração da população para as áreas urbanas, surgiu o Rock, com sua quebra de tabus de todas as formas. Então essa natural vocação à contestação tinha um terreno fértil numa terra assolada por regras fechadas de conduta moral e social. Basta que contextualizemos o apogeu do Rock - lembrando o que coloquei acima, como apogeu criativo, não necessariamente o comercial - que aconteceu durante a época de maior aperto por parte dos militares. Há, é claro, o fator do desafio criativo, que acontecia pela necessidade de burlar a dura censura. Os artistas tinham que usar talento e criatividade para passar seu recado de forma inteligente, sem que os censores percebessem. A ditadura militar no Brasil começou a arrefecer no final dos anos setenta e terminou oficialmente em 1984 e é perceptível que esse período coincidiu também com o arrefecimento do Rock como movimento de contestação mais puro. A sociedade como um todo, com a sensação de que tinha vencido a ditadura, se voltou ao próprio ego e isso teve reflexo nas musicas e letras. O fim da Guerra Fria, que alimentou muito esse fator, também contribuiu. As pessoas perderam o foco ideológico e passaram a se voltar para dentro de si próprios.
Claro que existem exceções dentro desse panorama, mas elas são apenas isso. O movimento Punk, nascido de uma situação social especificamente inglesa, se espalhou pelo mundo, pegando componentes locais, mas, não por coincidência, surgiu na segunda metade dos 1970 e durou menos de 10 anos, ao menos com a característica como foi criado. Foi de fato o único movimento relacionado a Rock a chegar às periferias. E a resposta final a sua pergunta é: sem duvida que sim.

7) As bandas de hoje fariam sucesso nos anos 60, 70 e 80?
Depende de como entendemos o termo "fazer sucesso", que normalmente é entendido como fator comercial. Mas respondo com uma visão mais ampla, englobando outros sentidos, como realização artística e efetiva assimilação por parte do publico. E dentro de contexto mais amplo, não acredito que faria "sucesso". Principalmente nos 60 e 70, pois precisaria estar acontecendo algo de muito mais atemporal em termos de musica Rock, para que ela pudesse tranquilamente "viajar no tempo". Dentro de uma ilação pura, nada do futuro faria "sucesso" no passado, pois não há nenhum tipo de ligação emocional. E é esse o fator fundamental do sucesso. As pessoas só se sentem bem com algo com a qual tenham alguma ligação emocional. E não existe isso com algo que ainda não aconteceu, obviamente. Dentro dessa situação, imagino, por exemplo, a musica de uma banda de Metal sendo jogada sobre as cabeças das pessoas em, por exemplo, 1967 ou 1974. Creio que seria um desastre total.

8) Falando sobre indústria musical, a queda do CD para o compartilhamento on-line fez com o que o rock ganhasse mais força ou sofresse com essa modernidade?
Antes da existência dos discos as pessoas compravam partituras. Depois com o advento das fitas cassete, começou a era de "compartilhamento", ao contrário do que muita gente pensa, que isso seja um fenômeno exclusivo da Era da Internet. Durante os anos 1970, 1980 e até parte dos 90, as pessoas copiavam em fita seus discos prediletos, gravavam programas de rádio e depois compartilhavam com amigos, sendo que algumas faziam disso uma forma de comércio. Claro que isso não tinha a mesma força, o mesmo impacto que teve, a partir do fim do milênio, a distribuição fácil e desenfreada de musica em formato digital, mas temos que entender isso como uma "evolução" do sistema, graças ao aumento de tecnologia e, principalmente contextualizar as eras. Se nas décadas citadas, as pessoas eram menos aceleradas, menos imediatistas e mais pacientes, a ponto de esperar anos para comprar um disco, carregar debaixo do braço, admirar capas e encartes, sentar, colocar um LP no toca discos, se levantar, virar o disco, enfim todo um ritual que incluía escutar um tema de Rock Progressivo de 23 minutos, atualmente, por força de circunstâncias inúmeras em que estamos incluídos, tudo isso seria impossível para a maioria das pessoas. Há atualmente a necessidade do rápido, do simples, e isso se reflete claramente tanto na arte em si, quanto no mercado de consumo. Quem alimenta quem e quem come quem é uma pergunta difícil de responder. Creio que o Rock, como qualquer outra forma de musica ganhou e perdeu com isso. Como fator social ganhou, pelo fato de que um trabalho que antes estaria restrito a um pequeno grupo, pode hoje atingir pessoas no mundo inteiro rapidamente, enquanto pela questão artística creio que perdeu muito, pois essa mesmo fator que gera a facilidade técnica e financeira de se produzir e distribuir musica, faz com que apareça uma proporção imensa de coisas sem o menor conteúdo qualitativo. Nessa questão de perdas e ganhos há muitos outros fatores a serem considerados, mas chegar a um numero positivo ou negativo, ao menos neste momento, considero uma matemática quase impossível. Apenas o tempo nos dará essa resposta.

9) Você acha que o rock pode ser considerado um ritmo revolucionário? Quais países, em sua opinião, influenciaram o rock brasileiro?
Ao menos a sua genética aponta isso. Mas qualquer fator genético bombardeado por quilos de informações externas, de forte apelo, tende a se modificar. Isso é o que acontece com as pessoas. E acontecendo com as pessoas, acontece com a musica que elas produzem e com seus atos de qualquer natureza. Precisaríamos estabelecer uma definição especifica do que entendemos por "revolucionário", para sabermos até que ponto, o Rock pode ser considerado fator de mudança efetivo. De que tipo de revolução estamos falando? E principalmente, qual é o objetivo dessa revolução? E outra: o termo sofreu e sofre com as intempéries políticas, com furacões comerciais e chuvas de verão sociais, então, dentro desse quadro climático, precisaríamos entender melhor em que contexto devemos enquadrar. Mas eu diria que, como nas pessoas, na essência ele é, sim, revolucionário.
Quanto aos países que influenciaram o Rock feito no Brasil, com certeza foram EUA e Inglaterra. O Rock chegou ao Brasil por força das primeiras gravações americanas do gênero. Estudioso remontam a versão de "Rock Around The Clock", gravada por uma cantora de samba canção, Nora Ney, como a primeira feita no Brasil, ainda em 1954. Imediatamente após, ocorreram gravações de cantores populares que gravaram versões de temas que faziam parte de filmes americanos. Então, a primeira influencia foi, como de resto em todo mundo, dos Estados Unidos. Mas se o Rock das Terras de Obama foi a primeira influencia, não considero como a maior e muito menos mais importante, pois foi através da influencia de bandas e artistas da Terra da Rainha, que o Rock se estabeleceu no Brasil.
Movimentos como a Jovem Guarda e Tropicália, que embora com características próprias, foi clara e indubitavelmente influenciada por artistas como The Beatles, Rolling Stones, Yes, Pink Floyd, etc. Todos ingleses. Uma parte enorme das musicas desses movimentos, que ocorreram nos anos 1960 e 70, foram versões e inspirações do Rock Inglês, não do norte-americano. Devemos também contextualizar o inicio e ápice do Rock no Brasil, dentro do período do regime militar que assolava não apenas o Brasil, mas quase todos os países da America do Sul, isolando essa parte do continente ao produto que chegava desses países, então seria impossível que sofrêssemos qualquer influencia cultural produzida em países como a URSS por exemplo. E há também a questão comercial, já que a única forma de se ouvir musica era por intermédio de rádios e discos, que sempre foram controlados por empresas desses países.

Nota: agradeço pela entrevista e parabenizo ao Matheus pelo teor das perguntas, pela forma extremamente provocativa e inteligente na formulação delas. É o tipo de questionário que nos desafia a uma resposta à altura. Espero que minhas respostas estejam, portanto se equivalendo ao nível das questões colocadas e que possam, de alguma forma, contribuir com os leitores da revista na formação de pensamento. Muito obrigado!
25/9/2014

-

-

16/11/2017 - André Marques - Debate no Programa 90 Por Hora
28/8/2017 - - - Frases em O Pensador
28/8/2017 - Isaac Soares de Souza - A Palavra é Um Acinte
28/8/2017 - - - Conectando Idéias
28/8/2017 - Marcelo Moreira - Combate Rock - UOL
28/8/2017 - Marcelo Moreira - Combate Rock - Marcelo Moreira
8/8/2016 - Crisberg Luan - Febre do Livro
21/7/2016 - Alexandre Quadros - Entrevista ao Blog Toca do Shark
13/6/2016 - Revista Biografia - Sociedade dos Poetas e Amigos - Luiz Carlos Barata Cichetto [Poeta,Escritor,Webdesigner, Artesão e Editor Artesanal Brasileiro]
14/12/2015 - Cassionei Niches Petry - Raio X de Um Poeta
19/11/2015 - Revista Biografia - Sociedade dos Poetas e Amigos - Poemas Inéditos [Luiz Carlos "Barata" Cichetto]
19/11/2015 - Matheus Narcizo - Escritor cria editora de livros para publicar suas obras e abrir espaço a artistas independentes
28/9/2015 - Mateus Narcizo - Entrevista a Mateus Narcizo
16/9/2015 - Fabio Makarrão - Entrevista Programa Sleevers, Participação Paulão Thomaz
22/8/2015 - Hélio Barbosa - Entrevista de Barata com Hélio Barbosa, do Canal Interface
19/7/2015 - Programa Partitura - Psychotic Eyes e Barata Cichetto no Programa Nº. 56
13/2/2015 - Fabio Da Silva Barbosa - Reboco Caído
1/1/2015 - Joana D'Arc - Entrementes
25/9/2014 - Mateus Narcizo - Revista Sampa USJT 11-2014
24/9/2014 - Célia Coev - Barata Cichetto - Entrevista a Célia Coev - Programa Talk Show - FlixTV
19/4/2014 - Mateus Souza - Depoimento a Mateus Souza
20/2/2014 - Artut Mamede - Gatos & Alfaces - O Mundo Underground Em Revista
13/2/2014 - Adriana Ferreira dos Santos - Memória e Rock and Roll na Paulicéia Desvairada: a Apropriação do Rock Pela Juventude Paulista na Década de 1970
1/1/2014 - Gilberto Santana - Materia On AIR - Entrevista Gilberto Santana com Barata Cichetto
30/11/2013 - Barata Cichetto - Poemas no Bar do Escritor
10/11/2013 - Emanuel R. Marques - Em Busca da Criatividade
13/8/2013 - Dum De Lucca - Jukebox
24/5/2013 - Paulo Ragassi - Entrevista ao Programa Tah Ligado
29/1/2013 - Célia Coev - Barata Cichetto - Entrevista no Talk Show - Celia Coev
17/1/2013 - Diego El Khouri - Molho Livre e Fetozine
17/11/2012 - Rob Gordon - Carta Aberta 2
1/10/2012 - Marcelo Moreira - Combate Rock - Estadão
13/9/2012 - Jackson - Programa Momento Rocktime 57
5/9/2012 - Rob Gordon - Carta Aberta
22/7/2012 - Combate Rock - Combate Rock
17/7/2012 - Jackson - Programa Rocktime 49
5/7/2012 - Pinnas - Portal Megaphone
6/4/2012 - Ian o Da Rocha - Ninguém Presta
13/12/2011 - Jackson - Barata Cichetto no Programa Rocktime
2/12/2011 - Jackson - Video Institucional Para o Programa Rocktime
9/9/2010 - Alceu Maynard - Participação no Quadro "Cinco Sons", do Programa Radar Cultura, da Rádio Cultura Brasil
9/9/2010 - Alceu Maynard e Roberta Martinelli - Barata no Radar Cultura, com a Banda Pedra
1/2/2010 - Alex Alves - Segunda Entrevista ao Blog "Dengue, É O Fim da Picada"
1/10/2009 - Alex Alves - Entrevista ao Blog "Dengue, É O Fim da Picada"
18/8/2008 - Ricardo Noblat - Blog do Noblat
1/6/2007 - Pedro Vicente - Entrevista ao Site ClubRock
1/5/2007 - Janailson Nogueira - Texto de Matéria de Capa do Jornal "O Pajeu"
24/7/2005 - Antonio Dimas Simão de Oliveira e Maria Irles de Oliveira Mayorga - Citação de Texto de Barata Cichetto no XLIII Congresso da Sober
12/12/2003 - Fábio G. Carvalho - Entrevista Por Fábio G. Carvalho com Luiz "Barata" Cichetto, em Outubro de 2003
6/2/2003 - Claudia Bia - Entrevista Claudia Bia
1/1/2003 - Fábio G.Carvelho - Matéria no Site Choose Your Side
21/3/2002 - Jornal do Brasil - Jornal do Brasil
1/1/2002 - Rock Brigade - Revista "Rock Brigade"
1/1/2002 - Cezar Heavy - Entrevista ao Fanzine Rock e Cultura
20/9/2000 - Fernanda Danellon - Entrevista Programa Vitrine
1/1/1997 - Barata Cichetto - Barata no Whiplash

1958 1990 1997 1998 1999 2000 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013 2014 2015 2016 2017 2018

CONHEÇA NOSSOS PARCEIROS

 

(11) 96358-9727

A Barata - O Site

A Barata Ao Vivo

Amigos & Livros

A Arca do Barata

Arquivos Abertos

Artesanato

As Faces d'O Corvo
Augusto dos Anjos

Ataraxia

Barata Cichetto, Quem É?

Barata Rocker

Biografi'As Baratas

Camisetas

Cinematec'A Barata

Coletâneas de Rock

Colunas Antigas
Conte Comigo, Conte Pra Mim
Contos d'A Barata
Convergências
Crom

Crônic'As Baratas

Depoimentos

Des-Aforismos Poéticos Baratianos

Discoteca d'A Barata

Download Free

Ensaios Musicais

Entrevist'As Baratas

Eventos

Facebookianas
Fal'A Barata!
Fotos
Gatos & Alfaces
Kakerlak Doppelgänger
Livrari'A Barata
Livros
Madame X
Memória A Barata
Micrônic'As Baratas

Na Mídia

O Anjo Venusanal
Pinturas
Pi Ao Quadrado

Poesi'a Barata

Ponto de Fuga
Pornomatopéias
PQP - Puta Que Pariu
Projeto Sangue de Barata
Psychotic Eyes
Renato Pop
Resenhas

Retratos e Caricaturas

Revist'A Barata Digital

Revist'A Barata

Seren Goch: 2332

Sub-Versões

Tublues

Versus

Videos

Vitória

Webradio

Todos os textos, exceto quando indicados, são de autoria de Luiz Carlos Giraçol Cichetto, nome literário Barata Cichetto, e foram registrados na Fundação Biblioteca Nacional. Não é permitida a publicação em nenhum meio de comunicação sem a prévia autorização do autor, bem como o uso das marcas "A Barata" e "Liberdade de Expressão e Expressão de Liberdade". Lei de Direitos Autorais: 9610/98.

 On Line

Política de Privacidade

Free counter users online