+ A Barata Ao Vivo + Biografi'As Baratas + Discoteca d'A Barata + Ensaios Musicais + Coletâneas de Rock +

PERCY'S BAND
Percy Weiss
1/7/2007 - Centro Cultural São Paulo - Sala Adoniram Barbosa
Luiz Carlos "Barata" Cichetto
barata.cichetto@gmail.com

Quando Percy Weiss nasceu, “Voz”, um dos deuses do Rock proclamou à humanidade: “Aqui tens, humanos, a minha descendência, meu dileto filho. Será este que lhes entrego, Percy Weiss, aquele que lhes encantará e trará emoções com sua Voz. Será ele, ‘A Voz do Rock’.”

O parágrafo acima é o primeiro de um release que redigi para Percy Weiss. E foi lembrando sobre a forma que acredito ter sido moldada a fantástica voz de Percy que entrei no Metrô com destino ao Centro Cultural São Paulo, em um domingo que, embora ensolarado a temperatura insistia em sem gelada.

O CCSP não é o melhor lugar do mundo para um Show de Rock, com seus horários esdrúxulos e proibições idem. Ademais, ficar o tempo inteiro sentado em "confortáveis poltronas" de madeira com parafusos espetando as costas não é a melhor posição para quem acredita como eu que Rock é Música para a Cabeça e o Corpo Inteiro.

Mas, cinco e meia da tarde cheguei à Estação Vergueiro e entrei no local. Fui direto à bilheteria onde se encontrava a figura simpática e sorridente de Lana Goulart, produtora da Percy's Band. Ingresso na mão e percorro as galerias do Centro, a procura de caras conhecidas. Abaixo, pelas paredes envidraçadas a banda ainda passa o som. Ah, teremos participações especiais, pois percebo Xando Zupo no palco.

Logo adiante, alguém toca meu braço. É Zé Brasil, lendária figura do Rock Brasileiro, que nos anos 70 era presença constante em todos os eventos de Rock e Cultura, com seu Apokalipsis e a dupla Maytréa e Silvelena. Engatamos um papo e após breve retirada, Zé retorna com Moisés Santana. Ficamos ali papeando sobre a história e os rumos do Rock Brasileiro e Zé falando sobre seu projeto "Movimento 70 de Novo", que tem por objetivo trazer de volta o sentido de Celebração aos eventos de Rock.

São seis da tarde e adentramos à Sala Adoniram Barbosa. Ao entramos encontro a figura do grande fotógrafo e "Movie Maker" Billy Albuquerque. Sentamos eu, Zé e Moisés na terceira fila, bem em frente ao palco. A banda (Vulcano, Guitarra; Ricardo Costa, Contrabaixo e Ronaldo Simões, Bateria) adentra ao palco e começa a pauleira. Após uma breve introdução da banda, Percy com uma lata de cerveja em cada mão e uma barriguinha bem proeminente (Desculpa, Percy, mas tá cruel essa sua barriga!) detona os primeiros versos de "Massacre", música que ele gravara com o Made In Brazil e que teve sérios problemas com a censura militar na época, só vindo à publico ano passado. "Festa do Rock", clássico dos clássicos, da Patrulha do Espaço é a segunda música e a Voz de Percy entoando "Será uma festa muito louca, de sonho eterno de Rock'n'roll" é realmente uma festa.

"Vou Te Virar de Ponta Cabeça", também do repertório do Made, e segue-se a ela uma das músicas mais porrada do repertório da Patrulha do Espaço: "Olho Animal" ("Desce o véu negro da noite/São dois olhos na escuridão/Quem será a vitima fatal?"). A Percy's Band detona e em seguida, uma música do novo repertório da banda "Eu Não Presto", que alías para nosso orgulho, faz parte da "Coletânea Virtual A Barata - Sexo, Baratas & Rock'n'Roll), cujo refrão é "Todos nós somos quase iguais / Todos nós somos quase normais". A próxima música, segundo Percy, é uma "homenagem" à política brasileira: "Bomba" ("Às vezes eu penso/Só uma bomba pode mesmo acabar/Com todo esse lixo...") Uma letra interessante e um peso pra metaleiro nenhum botar defeito. Querem mais?

Dentro desta jornada pela história do Rock Brasileiro na Voz de Percy Weiss, as duas músicas a seguir são da época em que ele gravou o disco "7" da banda Harppia. "Doutor" e "Calada da Noite". Após isso adentra ao palco o guitarrista Xando Zuppo, atualmente da banda Pedra e que gravou com Percy na Patrulha do Espaço um dos melhores discos de Hard Rock Brasileiros: "Primus Inter Pares". "Cidade Nua" é o som e Xando arrebenta.

No momento seguinte Percy diz que vai cantar uma balada Rock e tal. Espero que ele cante "Arrepiado", pa mim uma das baladas Rock mais bonitas que conheço. Ele conta a história da música, mas fala que escolheu outra, de sua antiga banda "Quarto Crescente" e a música é "Boa Garota". Fico meio decepcionado, mas no meio da música já esqueci, pois esta também é muito bonita. Tá perdoado!.

"Já muito tempo que estou nessa estrada/E não pense amigo, que eu não aprendi nada", podemos dizer que é um hino, e de uma certa forma conta história do próprio Percy. São mais de 30 anos de "Rolê da Estrada"... E ele cantava isso em 1978!!! No fantástico disco que gravou com a Patrulha, o chamado "Disco Preto", com o falecido Dudu Chermont e o baixista Cokinho. Na versão atual, com o peso da guitarra de Vulcano e a cozinha de Ricardo e Ronaldo, a música tem uma roupagem quase "metálica". Na próxima música, "Depois das 11", a Voz de Percy soa como uma lixa sobre aço... E a bateria, com direito a um longo solo de Ronaldo Simões, como trovões ensandecidos...

O Show está terminando e "Jack O Estripador", outra do repertório do Made tem também sua "Percy's Band Version". Se em 1978 a Voz de Percy aos 20 e poucos anos era puro fogo, hoje aos 50 e poucos, foi lapidada e é puro diamante.

Percy conclama a platéia a levantar das cadeiras, o que faço com muito gosto, pois além de um parafuso ferrando minhas costas, acho que um Show de Rock é para se curtir em pé, sacudindo o corpo inteiro. Ele chama ao palco alguém que está sentado bem à minha frente: Waltão, ex Ratos de Porão e uma porrada de outras bandas Punk. E juntos entoam um dos hinos do Rock: "Minha Vida é Rock'n'Roll", também do Made. Percy avisa que a apresentação está no fim e que tem bis. Mas que apenas se a galera pedir vai rolar. "Eu só respiro Rock'n'Roll..."

A banda sai do palco e, lógico, pede o incitado bis. Retornam e Percy fala que vão tocar um "cover" e discursa sobre exatamente o que eu e Zé Brasil conversávamos no Saguão do Centro Cultural: o fato de as bandas se preocuparem em fazer o jogo de donos de bares e só tocarem esse tipo de música, quando poderiam estar compondo, gravando etc. Certo, Percy! E então dá-lhe ZZTop...

Os músicos, de uma forma que atualmente deixou de ser comum em Shows de Rock, retornam ao palco e abraçados, cumprimentam e agradecem a platéia. No camarim, além de Zé Brasil, Moisés Santana, a figura sempre presente do folclórico Roberto, o "Rei das Raridades". Engato um papo com Xando sobre a resenha negativa que escrevi sobre o disco de sua banda, Pedra. Explicações de ambas as partes e um pedido e uma promessa: escutar novamente o disco deles, com outros ouvidos. Mas isso é uma outra história.

São quase 9 da noite e saio do Centro Cultural São Paulo e embarco no Metrô, com uma incrível sensação de que presenciei mais uma demonstração de que quando, “Voz”, um dos deuses do Rock proclamou à humanidade: “Aqui tens, humanos, a minha descendência... " Ele não sabia ainda que Percy Weiss a levaria com tanta garra e paixão.
   
Fotografia: Ludmila Fernandes
Registro no E.D.A. da F.B.N. : 513.861 - Livro 974 - Folha 209
Festão do Baraldão
Rei Lagarto, Carro Bomba e King Bird
Patrulha do Espaço - Tour Saideira 2007/2008 - Dia 2
Patrulha do Espaço - Tour Saideira 2007/2008 - Dia 1
Percy's Band
Poeira Zine Fest III
2º. Fest'A Barata - Rock é Atitude! (2)
Patrulha do Espaço
1ª. Fest'A Barata - Rock é Atitude!

(11) 96358-9727


Camisetas
Livros
Pinturas


A Barata - O Site
A Barata na Mídia
Barata Cichetto, Quem É?
Depoimentos
Fest'As Baratas
Fotos

Por Título
Por Livro
Por Data
Com Áudio
Musicados
Com Vídeo
Livros Impressos

A Barata Ao Vivo
Biografi'As Baratas
Discoteca d'A Barata
Ensaios Musicais
Coletâneas de Rock


Artesanato
Camisetas
Conte Comigo, Conte Pra Mim
Convergências
PQP - Puta Que Pariu
Pinturas
Sub-Versões
Videos
Webradio

Gatos & Alfaces
Pi Ao Quadrado
Revist'A Barata
Revist'A Barata Digital
Versus


Arca do Barata
Contos d'A Barata
Crônic'As Baratas
Entrevist'As Baratas
Fal'A Barata!
Micrônic'As Baratas
Resenhas de Filmes
Resenhas de Livros

Ataraxia
Crom
Kakerlak Doppelgänger
Madame X
O Anjo Venusanal
Ponto de Fuga
Pornomatopéias
Projeto Sangue de Barata
Psychotic Eyes
Renato Pop
Seren Goch: 2332
Tublues
Vitória

Todos os textos, exceto quando indicados, são de autoria de Luiz Carlos "Barata" Cichetto e registrados na Fundação Biblioteca Nacional. Não é permitida a publicação em nenhum meio de comunicação sem a prévia autorização do autor. Bem como o uso das marcas "A Barata" e "Liberdade de Expressão e Expressão de Liberdade".

 On Line:  23