Belchior, Alucine-se!
Diário de Bordo, Data Estelar: 01 de Dezembro de 2002
Diário de Bordo, Data Estelar: 06 de Dezembro de 2002
Diário de Bordo, Data Estelar: 07 de Dezembro de 2002
Diário de Bordo, Data Estelar: 09 de Novembro de 2002
Diário de Bordo, Data Estelar: 14 de Dezembro de 2002
Diário de Bordo, Data Estelar: 14 de Novembro de 2002
Diário de Bordo, Data Estelar: 15 de Novembro de 2002
Diário de Bordo, Data Estelar: 16 de Novembro de 2002
Diário de Bordo, Data Estelar: 20 de Julho de 2003
Diário de Bordo, Data Estelar: 21 de Novembro de 2002
Diário de Bordo, Data Estelar: 22 de Novembro de 2002
Diário de Bordo, Data Estelar: 23 de Maio de 2003
Diário de Bordo, Data Estelar: 23 de Novembro de 2002
Diário de Bordo, Data Estelar: 24 de Maio de 2003
Diário de Bordo, Data Estelar: 29 de Março de 2003
Diário de Bordo, Data Estelar: 29 de Novembro de 2002
Diário de Bordo, Data Estelar: 30 de Novembro de 2003
Diário de Bordo, Data Estelar: 31 de Março de 1979
Diário de Bordo, Data Estelar; 28 de Março de 2003
Garotas Com Camisetas do Slade
Janis, Uma Deusa
O Garoto
O Sonho Acabou de Ser Assassinado
Pancreatite, Cachaça e Solidão
Raul Seixas, 10 Anos
Raul Seixas, Um Mestre
Titãs, Uma Fábrica de Som
Tublues, ou o Sonho Não Acabou!
Um Iron Maiden Que Não é o Iron Maiden???? Em 1965
Um Kaleidoscópio Sonoro
Um Velho Disco de Vinil

+ A Barata Ao Vivo + Biografi'As Baratas + Discoteca d'A Barata + Ensaios Musicais + Coletâneas de Rock +

 

O Garoto
..............................................................................................................................................................................
Luiz Carlos "Barata" Cichetto
barata.cichetto@gmail.com
"... Mais algumas músicas e Dudu sobe ao palco, empunha sua guitarra e solta "Arrepiado" e "Depois das 11". Como é bom ver Dudu Chermont de volta ao palco! "Como é bom tocar", ele diz quando eu o abraço numa reverência...".

O trecho acima é do Diário de Bordo da Patrulha do Espaço, algo que eu sempre edito quando acompanho a banda em alguma apresentação.

A imagem: um "garoto" pequenino, magro, inchado por remédios, mas que exalou naquele momento uma felicidade por estar pisando em um palco e empunhado uma guitarra e um microfone. Parecia mesmo uma criança naquele momento o Dudu Chermont. Uma criança de recém completados 45 anos (a mesma idade que a minha...). Uma criança alegre, contente com a oportunidade de estar tocando, por estar cantando.

Naquele dia, a apresentação da Patrulha do Espaço na Led Slay era para ter inúmeros outros convidados... Mas apenas tínhamos conseguido a presença da Alexandra. Passamos a tarde na casa arrumando as coisas, a banda passando som e às 8 da noite retornei a minha casa, próxima dali e Júnior e os outros músicos rumaram para suas casa para se prepararem. Quando saia do banho, recebi uma ligação dele: "Barata anota ai: o Dudu vai tocar com a gente hoje!". "Porra, du caralho, mano!" Eu gritei. "Há uma porrada de anos que eu não vejo o Dudu ao vivo.". Desliguei o telefone, acabei de colocar a roupa e corri para o computador tentando comunicar o maior número de pessoas da presença do Dudu.

Meia noite e pouco a Patrulha no palco e num determinado momento, Júnior chama Dudu Chermont ao palco. Aquele "garoto" empunhando sua guitarra é transformado pelos Deuses do Rock num semideus. Claro que muitas pessoas ali presentes sequer sabiam quem era aquele "garoto", mas os deuses nunca erram e ele estava ali, "Me deu a mão, fiquei arrepiado...". Terminada sua participação foi isso que aconteceu. Ele repetiu duas ou três vezes: " Como é bom tocar, cara!".

O show acabou e fomos embora, mas aquela imagem, não saiu da minha cabeça. Sabia que Dudu tinha passados maus momentos, com a saúde debilitada e vê-lo ali de novo, exultante e vivo era fantástico. Cerca de quatro meses depois, encontrei Dudu novamente no centro Cultural, quando ele tocou junto com outra surpresa, o Percy Weiss... O amigo Cebola registrou o encontro em uma foto no camarim. Foi a última vez que o encontrei e agora, ao acordar em 12 de setembro de 2003, com um telefonema do Júnior contando que Dudu fora encontrado morto na tarde anterior, caído no banheiro, sozinho...

Tristes histórias tem o Rock'n' Roll... A Globo não noticiou e nenhum jornal deu matéria. O Rock no Brasil não tem história porque ninguém se preocupa em escrevê-la, o Rock no Brasil não tem apelo (ao menos o Rock verdadeiro, não essas bandinhas de pseudopop...). Figuras como o Dudu Chermont, Sérgio Santana, também integrante da Patrulha que morreu há um bom tempo, e outras, ninguém noticiou, ninguém falou. Ninguém falou porque não rende IBOPE? Ninguém falou porque ninguém sabia? Ninguém sabia porque ninguém comunicou? O certo é que bandas e músicos que arrebentaram a porta e enfiaram guitarras e baixos e baterias goela abaixo do Monstro Sist, hoje estão no ostracismo e quando conseguem um show, amargam baixo público, quando lançam um disco - sempre de forma independente, amargam pouquíssimas cópias vendidas. E quando morrem amargam, simplesmente o total desconhecimento e anonimato.

Preferi não contar a história de Dudu Chermont, pois a história daquele "garoto", pode mesmo ser a história de quase todos os roqueiros de verdade neste país, a história de Dudu pode ser a sua ou a minha, que embora nunca tenha sido músico, sempre tive o Rock como modo de vida. Alguém onde andam os músicos do Casa das Máquinas, do Terço? Onde anda Arnaldo Baptista? Onde andará a turma do Sindicato? Do Joelho de Porco? Cadê o pessoal do Ave de Veludo? Por que terras caminham os músicos do Ave Sangria, do Bixo da Seda, do Neblina? Em que mares navegam os caras do Mar Revolto? E o Veludo? E A Bolha? E...? E...? E tanto e tantos, que desapareceram depois de plantar sementes que, por uma estranha ironia frutificou frutos um tanto adocicados ou podre...

Mas, Dudu, "garoto": "Como é bom tocar!" Aquela imagem irá ficar, não em uma fotografia, não em um filme, mas em minha memória trasladada neste texto. Abraço, irmão!
Registro no E.D.A. da F.B.N. : 513.861 - Livro 974 - Folha 209

(11) 96358-9727

A Barata - O Site-+
Fest'As Baratas
A Barata na Mídia
Barata Cichetto, Quem É?
Depoimentos
Fotos
Poemas Por Título
Por Livro
Por Data
Com Áudio
Musicados
Com Vídeo
Livros Impressos
Artesanato
Camisetas
Convergências
PQP - Puta Que Pariu
Pinturas
Sub-Versões
Videos
Webradio
A Barata Ao Vivo
Biografi'As Baratas
Discoteca d'A Barata
Ensaios Musicais
Coletâneas de Rock
Gatos & Alfaces
Pi Ao Quadrado
Revist'A Barata
Revist'A Barata Digital
Versus
Arca do Barata
Contos d'A Barata
Crônic'As Baratas
Entrevist'As Baratas
Fal'A Barata!
Micrônic'As Baratas
Resenhas de Filmes
Resenhas de Livros
Ataraxia
Crom
Kakerlak Doppelgänger
Madame X
O Anjo Venusanal
Ponto de Fuga
Pornomatopéias
Projeto Sangue de Barata
Psychotic Eyes
Renato Pop
Seren Goch: 2332
Tublues
Vitória
Camisetas
Livros
Pinturas

Todos os textos, exceto quando indicados, são de autoria de Luiz Carlos "Barata" Cichetto e registrados na Fundação Biblioteca Nacional. Não é permitida a publicação em nenhum meio de comunicação sem a prévia autorização do autor. Bem como o uso das marcas "A Barata" e "Liberdade de Expressão e Expressão de Liberdade".

 On Line:  191