Brasil Papaya - Esperanza
Carro Bomba - Carcaça
Carro Bomba - Nervoso
Carro Bomba - Segundo Atentado
CASCH - High Level Low Profile
Imperial - A Grande Batalha e Seis Anos Queimando na Terra de Ninguém
Kim Kehl & Os Kurandeiros - Mambo Jambo
Kim Kehl & Os Kurandeiros - Kim Kehl & Os Kurandeiros
King Bird - Jaywalker
Lírio de Vidro - Lírio de Vidro
Norba Zamboni - Walking and Sliding
Norman Bates - Norman Bates
Patrulha do Espaço - .ComPacto
Pedra - Pedra
Pedra (3) - Pedra
Seu Zé - Festival do Desconcerto
Spectro - Spectro
Sunflower - A New Beginning...
Sunroad - Arena of Aliens e Flying N´Floating
Tomada - Volts
Uivo Beat - Nas Ruas do Homem Entre Guias de Spleen

  Nervoso

Nervoso
Carro Bomba
Barata Cichetto
barata.cichetto@gmail.com
Ano: 2008
Gravadora: Independente
Músicos:
Rogério Fernandes - Voz
Marcello Schevano - Guitarra e Côros
Fabrizio Micheloni - Baixo
Fernando Minchilo - Bateria

Coros Adicionais:
Nando Fernandes, Xande Saraiva, Mariana Schevano
Faixas:
1 - Punhos de Aço
2 - Sangue de Barata
3 - Bomba Blues
4 - Fui
5 - Válvula
6 - O Passageiro da Agonia
7 - O Foda-se
8 - O Foda-se II
9 - Intravenosa
Síte: http://www.carrobomba.com.br
Contato/Pedidos: fabriziomicheloni@yahoo.com.br
O terceiro CD da banda “Carro Bomba” tem por título um adjetivo que define claramente seu conteúdo: “Nervoso”. Mas também poderia ter outros como: “Visceral”, “Cáustico” ou “Animal”. É uma porrada atrás da outra, de uma banda que tem apenas três anos e três CDs gravados. Desde o primeiro “Carro Bomba”, passando por “Segundo Atentado”, a banda, inicialmente um “Power Trio” e agora um quarteto com a entrada do ex-Golpe de Estado Rogério Fernandes, deixa claro ao que chegou, definindo inclusive em suas próprias letras: “Rock é pra descer o braço/pra fazer direito/Rock é pra bater no peito.”. É parte da declaração contida na primeira faixa deste CD Nervoso, “Punhos de Aço”.

É uma porrada atrás da outra, um ataque atrás do outro. É honesto e bem construído, e eu gosto de coisas honestas e bem construídas; coerente dentro de sua proposta de ser uma banda de Rock Pesado, e eu gosto de coerência e de bandas de Rock Pesado. Quanto mais pesado, um tanto melhor, quanto mais coerente, honesto e bem construído, outro tanto melhor ainda. E a “Carro Bomba” é tudo isso.

Uma coisa que tem que ser destacado na banda é o cuidado com as letras, conteúdo pesado e consistente, bem a calhar com a moldura sonora. As letras do “Carro Bomba” tem algo a falar e bem. Bem distante da mesmice das letras cheias de arrotos machistas e arrogâncias sexistas bem comuns em bandas brasileiras. Como se o cidadão não fizesse mais nada na porcaria da existência a não ser transar, encher a cara e andar de carro ou moto...

“Nuvem negra me deixa em paz/ o corpo sente a calma/não cabe na ampulheta/ o deserto de minha alma...” em “Fui”; “Na tela o desenho/ rascunha o desespero”, em “Válvula”; “A mão do carrasco / a faca nas costas / o beijo na face / a sombra da morte”, em “O Passageiro da Agonia”... São algumas das pedradas...

Sempre bati na tecla de que bandas de Rock precisam de boas letras e sempre escutei desculpas tolas e esfarrapadas, que apenas deixam claro a falta de capacidade dos “compositores” que construírem algo com conteúdo. Portanto o “Carro Bomba” surpreende e ganha pontos com a questão das letras. Agora quando analisamos o sentimento bruto que o som nos remete, quando sentimos o baixo ensandecido e propositalmente demente (escutem a introdução de “Bomba Blues”) que sai das mãos de Fabrizio Michelloni; da guitarra extremamente técnica mas furiosa de Marcello Schevano; das baquetas precisas e incendiárias de Fernando Minchillo e da garganta “plant-iana” e “dio-nísica” do mestre Rogério Fernandes, temos a certeza que estamos diante de uma banda que é pura emoção caótica, fúria exacerbada, demência sistêmica e uma porção de outros termos que definem, ou ao menos tentam definir o som do “Carro Bomba”. O melhor mesmo é retornar ao texto do início desta resenha e fechar a definição deste petardo bélico: “NERVOSO”.

Apenas dois comentários para encerrar a resenha sobre, ao menos em minha opinião, o melhor CD de Rock feito nos últimos tempos: as ilustrações de André Kitagawa sobre as letras do CD estão perfeitas e caem como uma luva. André com certeza bebeu das águas do rio Mutarelli e por isso, mas não apenas por isso, é um trabalho artístico magnífico.

E finalmente, a faixa 2 de “Nervoso” é chamada “ Sangue de Barata”, mas não tem nada a haver com aquela que tem letra minha e música de Cezar Heavy, gravada pela Tublues.

Enfim, o que estás esperando que ainda não desligou o computador e saiu correndo atrás do terceiro CD do “Carro Bomba”???
Nota: 9,5
Cotação:
Registro no E.D.A. da F.B.N. : 513.861 - Livro 974 - Folha 209

(11) 96358-9727

A Barata - O Site-+
Fest'As Baratas
A Barata na Mídia
Barata Cichetto, Quem É?
Depoimentos
Fotos
Poemas Por Título
Por Livro
Por Data
Com Áudio
Musicados
Com Vídeo
Livros Impressos
Artesanato
Camisetas
Convergências
PQP - Puta Que Pariu
Pinturas
Sub-Versões
Videos
Webradio
A Barata Ao Vivo
Biografi'As Baratas
Discoteca d'A Barata
Ensaios Musicais
1a. Coletâne'A Barata
2a. Coletâne'A Barata
Festival Música Independente
Coletânea Gatos & Alfaces
Gatos & Alfaces
Pi Ao Quadrado
Revist'A Barata
Versus
Arca do Barata
Contos d'A Barata
Crônic'As Baratas
Entrevist'As Baratas
Fal'A Barata!
Resenhas de Filmes
Resenhas de Livros
Micrônic'As Baratas
Ataraxia
Crom
Kakerlak Doppelgänger
Madame X
O Anjo Venusanal
Ponto de Fuga
Pornomatopéias
Projeto Sangue de Barata
Psychotic Eyes
Renato Pop
Seren Goch: 2332
Tublues
Vitória

Todos os textos, exceto quando indicados, são de autoria de Luiz Carlos "Barata" Cichetto e registrados na Fundação Biblioteca Nacional. Não é permitida a publicação em nenhum meio de comunicação sem a prévia autorização do autor. Bem como o uso das marcas "A Barata" e "Liberdade de Expressão e Expressão de Liberdade".

 On Line:  185