(11) 96358-9727

 

1958 1990 1997 1998 1999 2000 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013 2014 2015 2016 2017 2018

Poemas Por Título   Por Livro Por Data Com Vídeo Com Áudio Narração Barata Cichetto Narração Cris Boka de Morango Livros Impressos Poemas Musicados


Clique Sobre a Inicial do Título da Poesia

APOIE A CULTURA INDEPENDENTE!

COMPRE PRODUTOS INDEPENDENTES!

Todos os textos e poemas publicados em A Barata, exceto quando indicados, são de autoria de Luiz Carlos Giraçol Cichetto, nome literário Barata Cichetto, registrados no Escritório de Direitos Autorais. Proibida a cópia e uso sem autorização do legítimo proprietário, sob as penas da Lei.

DESERTO

Deserto

Barata Cichetto
O Poeta Xingou Minha Mãe de Puta e Eu Lhe Dei Uma Porrada
(A partir de uma conversa com Joanna Franko, no domingo 5 de Julho)


Feito um deserto, crio poesia dura e seca. Da pedra à areia, da areia ao pó. E do pó ao nada. E do nada crio tudo. Poesia do nada. Poesia de tudo. Ao meu redor enxergo apenas poeira e escuridão. Das minhas noites geladas aos meus dias escaldantes. Nunca fui mar, mentem sobre mim, sempre desértico e inóspito. E meus ventos sopram em direção aos seus cabelos e na areia me faço amar. Deserto. Sou decerto. Poesia não rima com hipocrisia, menti sobre isso, também. Não estou morto, mas absorto do que sou: um deserto, árido e insolente, perturbador e insólito. Ser vivo. Ser. Apenas ser. Estar ou ter é uma condição humana. Desertos não conhecem essa condição. Sou deserto, portanto. Infértil, mas nunca servil. Sou senhor de mim e de minhas mazelas, senhor das moscas e tempestades de areia. Mudo, surdo e insepulto. Um limite, um grito na garganta... Cheia de areia. Grito? Ou não grito. Sou Cristo e sou Judas, Buda, Maomé e o caralho. Sou deserto, esqueceram? O primeiro a chorar, o penúltimo a esquecer e o ultimo a morrer. Deserto. É certo que sou. Atacama ou Saara, meu nome nem sei. É apenas Deserto. Por certo. Incerto apenas meu futuro, tão certo quanto sou deserto. É tão distante o mar que chego a enjoar. Só de pensar. O mar e suas sereias de mentira, seus bêbados de uísque e seus poetas preguiçosos e ricos. Odeio poetas e odeio preguiçosos. A mim não odeio, pois não sou poeta nem preguiçoso. Sou rico. Rico de mim, rico em vastidão, rico em luxuria, rico em imensidão. Que mantenham o mar longe de mim, com suas águas imundas de urina e esperma. Sou areia, sou seco, sou duro, sou tempesteaste. Deserto! É certo!
6/7/2015

-

Registro no E.D.A. da F.B.N. : -

1 - "Leve Um Homem Ao Matadouro..." 11/2/2002

1958 25/6/2004

2 - "...O Que Berrar na Hora da Faca é o Homem..." 11/2/2002

3 - "...Mesmo Que Seja o Boi!" 11/2/2002

A Aranha (Trecho) 1/9/1980

A Artesã e O Poeta 11/9/2008

A Balada de Izabel Cristina 28/12/2013

A Barca da Esperança 19/9/2006

À Beira da Morte 11/11/2006

A Bunda da Minha Amada 1/3/1998

A Carta e a Chuva 28/6/2008

A Carteira e o Poeta 4/1/2006

A César o Que é de César e a Augusto o Que é dos Anjos 17/11/2009

A Ciência da Poesia 5/12/2009

A Doença Que Eu Tanto Amo 5/12/2005

A Dor Suprema 19/9/2006

A Felicidade da Dor 17/12/2009

A Herança dos Sonhos 26/9/2008

A Humanidade é a Merda da Terra 8/11/2006

A Importância da Merda e a Merda da Importância (Porque Nenhuma Merda no Mundo é Mais Suja Que Seu Nome) 12/10/2002

A Ira dos Anjos 26/8/2009

A Ira e a Lira dos Demônios e dos Deuses Sem Gozo 25/8/2009

A Lenda da Fada da Foda 6/2/2015

A Lista 17/7/2016

A Mais Bela das Histórias de Amor Sobre a Terra. 7/7/2008

A Maldição da Barata Branca 24/10/2008

A Maldição do Tempo 20/1/2015

A Mendiga 8/2/2007

A Morte da Morte 1/8/2001

A Morte da Saudade 20/9/2009

A Música da Letra 15/10/2006

A Noite da Última Sorte 3/12/2002

A Noite dos Desesperados 20/9/2004

A Paciência dos Anjos e As Flores da Macedônia 21/9/2009

A Poesia Que Eu Preciso 31/1/2010

A Poesia, a Razão e a Loucura 9/7/2017

A Prisão da Liberdade 15/11/2009

A Professora e A Barata 1/11/2008

A Santidade da Vida 11/2/2007

A Serpente e A Raposa 11/12/2005

A Solidão e A Esperança 3/9/2006

A Solução da Corda 9/10/2009

À Sulamita 30/7/2000

A Toalha e a Mesa 21/4/2008

A Verdadeira História da Betty Boop 28/4/2005

Aborto 11/11/2009

Acaso Eu Morra Amanhã 9/1/2006

Achados e Perdidos 27/5/2008

Ácida Cida 1/10/2000

Acordar Tarde 25/1/2008

 


1958 1990 1997 1998 1999 2000 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013 2014 2015 2016 2017 2018

CONHEÇA NOSSOS PARCEIROS

 

(11) 96358-9727

A Barata - O Site

A Barata Ao Vivo

A Barata na Mídia

Arca do Barata

Arquivos Abertos

Artesanato

As Faces d'O Corvo
Augusto dos Anjos

Ataraxia

Barata Cichetto, Quem É?

Barata Rocker

Biografi'As Baratas

Camisetas

Cinematec'A Barata

Coletâneas de Rock

Colunas Antigas
Conte Comigo, Conte Pra Mim
Contos d'A Barata
Convergências
Crom

Crônic'As Baratas

Depoimentos

Des-Aforismos Poéticos Baratianos

Discoteca d'A Barata

Download Free

Ensaios Musicais

Entrevist'As Baratas

Eventos

Facebookianas

Fal'A Barata!

Fotos

Gatos & Alfaces

Kakerlak Doppelgänger
Livrari'A Barata
Livros
Madame X
Memória A Barata
Micrônic'As Baratas
O Anjo Venusanal
Pinturas
Pi Ao Quadrado

Poesia Por Título

Poesia Por Livro

Poesia Por Data

Poesia Com Áudio

Poemas Musicados

Poesia Com Vídeo

Ponto de Fuga

Pornomatopéias
PQP - Puta Que Pariu
Projeto Sangue de Barata
Psychotic Eyes
Renato Pop
Resenhas

Retratos e Caricaturas

Revist'A Barata Digital

Revist'A Barata

Seren Goch: 2332

Sub-Versões

Tublues

Versus

Videos

Vitória

Webradio

Todos os textos, exceto quando indicados, são de autoria de Luiz Carlos Giraçol Cichetto, nome literário Barata Cichetto, e foram registrados na Fundação Biblioteca Nacional. Não é permitida a publicação em nenhum meio de comunicação sem a prévia autorização do autor, bem como o uso das marcas "A Barata" e "Liberdade de Expressão e Expressão de Liberdade". Lei de Direitos Autorais: 9610/98.

 On Line

Política de Privacidade

Free counter users online