(16) 99248-0091

Apóie a continuidade deste trabalho, totalmente independente desde 1997. Saiba como participar clicando na imagem ao lado.

1958 1990 1997 1998 1999 2000 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013 2014 2015 2016 2017 2018

Poesia Linear  Poemas Por Título Por Livro Por Data Com Vídeo Com Áudio Livros Impressos Poemas Musicados


(Clique Sobre a Inicial do Título)

APOIE A CULTURA INDEPENDENTE!

COMPRE PRODUTOS INDEPENDENTES!

Todos os textos e poemas publicados em A Barata, exceto quando indicados, são de autoria de Luiz Carlos Giraçol Cichetto, nome literário Barata Cichetto, registrados no Escritório de Direitos Autorais. Proibida a cópia e uso sem autorização do legítimo proprietário, sob as penas da Lei.

A BALADA DE IZABEL CRISTINA

A Balada de Izabel Cristina

Barata Cichetto
Troco Poesia Por Dinamite
1 –
"Vicious, you hit me with a flower
You do it every hour
Oh, baby you're so vicious..." - Lou Reed – “Vicicous

Desde pequena seus dedos percorriam suas entranhas
Em busca de sentidos brutos e de sensações estranhas
E nem os tapas e reprimendas contiveram seus desejos
Pois ela queria mais que farpas, as harpas dos beijos.

Sonhando com cacetes, delirando com chupadas na vulva
Izabel que era flor se tornou a fruta, mas nunca doce uva
E muito o breve girassol girou ao redor do sol nascente
E o que era desejo de maçã virou a maldição da serpente.

E ela pulou muros, ergueu a saia e mostrou sua buceta
A todos aqueles que pediam e que a ela batiam punheta
E a magrela de ancas largas sabia a arte de seduzir machos
Que caiam a seus pés feito bananas doces de seus cachos.

Um dia um amigo lhe mostrou o poder de gozo jorrar
E sentida ela pensou que amigos não são para esporrar
E nunca mais ela jorrou, nunca mais explodiu em gozo
Pois gozar com amigos era injusto e um tanto perigoso.

2 -
“Dá-se assim desde menina
Na garagem na cantina
Atrás do tanque
No mato” - Chico Buarque – “Geny e o Zepelim”

De quatro ela fez oito e de dez fez a festa até chegar ao cem
Perdeu a conta de tantos e já não sabia o que era estar sem
E até na escola o professor disse: "Essa magrela é bem jeitosa"
E ela: "Ah, vem cá me comer que eu sou mesmo bem gostosa."

Alimentando o fetiche de ser apenas ingênua princesa
Comia a todos com uma fome inesgotável de tigresa
Assim Izabel passava os dias, entre a voraz e a devorada
Imaginando sempre ser a primeira vez que era deflorada.

Era fácil foder com Izabel, os baixos e feios vinham antes
Mas aos belos ela desprezava, na caridade de hierofantes
E a esses, pobres belos sem feiúra apenas restava sua visão
Enquanto batiam punheta assistindo às séries de televisão.

E de punhetas na escola a noites de foda em acampamentos
Conheceu Izabel também as noites de desejos e sofrimentos
E ela que não sabia o que era brincar de boneca na infância
Foi brincar de ser mãe por fruto de uma fugaz circunstância.


3 –
“Sexual Healing is good for me
Makes me feel so fine, it's such a rush
Helps to relieve the mind, and it's good for us
Sexual Healing, baby, is good for me” – Marvi Gaye - “Sexual Healing”

Mas maternidade não aplaca o desejo e mais ela queria foder
E fodia porque queria, até onde chegava seu desejo de poder
Fodia porque podia, e quanto mais gozava mais queria gozar
Até que outra barriga quase a fez pensar em de noiva se casar.

E enquanto pais, filhos e espíritos santos se ajoelhavam a ela
A sua sanha de vadia a transformou mais que vaca em cadela
Mas ela ria e dizia: "Importante é gozar não importa o preço."
Sabendo que tinha sempre um macho a pagar por seu apreço.

E por um pinto graúdo Izabel trocou sua liberdade de puta
Sem saber que um dia soldado nunca se pode fugir da luta
Mas por um caralho a lhe arrebentar as pregas foi ao canto
Imaginando que a vida era sorrisos e até tinha seu encanto.

Izabel tinha uma existência de merda, fedia feito cachorro
Mas o enorme caralho satisfazia a seus pedidos de socorro
E antes que eu prossiga na história dessa puta do universo
Devo lembrar que sou só poeta cantando o que é perverso.


4 –
“De tudo que é nego torto
Do mangue e do cais do porto
Ela já foi namorada” - Chico Buarque – “Geny e o Zepelim”

E agora sigo a contar a balada da mulher chamada Izabel
Mas não por raiva e por ser apenas soldado em seu quartel
E enquanto escrevo histórias de arrepiar cabelos da bunda
Sei que sou apenas seu puto e ela minha doce vagabunda.

O doente quase morto, feridas curadas, lambidas feito cadela
E Izabel vivia mais uma vez uma história que não era a dela
E de síndrome em síndrome, imortalidade de poderes doentes
Perdeu a moral, chupou o pau, fez o mal e perdeu seus dentes.

E ficou trancada dentro do próprio egoísmo tanto tempo agora
Que de sua vontade deixara de ser proprietária, dona e senhora
E das vontades das bichas, tolos de pau grande e dos moleques
Foi aprisionada a seus próprios demônios abanando os leques.

Fodia sem culpas e sem medos, nem mesmo as menores do mundo
Mas mentiras tem pernas curtas e acabam em menos de um segundo
E o castigo lhe veio a cavalo, num cavalo alado, um potro garanhão
Pois ela sabia que jamais sairia daquilo sem um risco ou arranhão.


5 –
“Aí, saí do vale do meu tormento,
E fui cair no lago do teu amor;
Ali, aliviei todo o meu sofrimento,
E ui, me vi gemendo de prazer que nem de dor.” – Gal Costa – “Sexo e Luz”

Não pensem que Izabel não tentou ser santa, pura, viver de siririca
Mas sucede que amor de pica é o que fica e seu amor era por pica
E jamais, nem quando uma mulher a quis deixou seu amor de lado
Pois a ela amor puro é aquele do caralho duro do homem pelado.

Mas desprezado o asno se foi batendo asas de borboleta de plástico
E do bar roxo até a casa amarela ela vomitou litros de suco gástrico
Para a alegria de moleques em jogos jogados longe do computador
Jogos de caça a onça de olhos pintados em uma guerra sem pudor.

Mas nem sempre, como nas histórias que acabam com final feliz
Um anjo sedutor que lhe chega de longe, gordo, eunuco e infeliz
Prometendo roupas, véu, grinalda e uma boa carreira de catequista
E como ladrão que rouba ladrão, perdão de cem anos ela conquista.

Grades não lhe caem bem, e diante das câmeras as primeiras entregas
E dai pelos matos com gatos de sapatos que lhes arrombam as pregas
Qualquer dia é noite, qualquer jogo é pôquer e blefe sempre a jogada
Mas ela não sabia que a traição é um jogo perigoso de carta marcada.


6 –
“E eu te farei as vontades
Direi meias verdades
Sempre à meia luz
E te farei, vaidoso, supor
Que és o maior e que me possuis” – Chico Buarque – “Folhetim”

A rainha da morada do sol desfilava seus cabelos vermelhos tingidos
E eram verdadeiros seus suspiros, pequeno o pau, orgasmos fingidos
Roupas caras, sandálias lotando o armário, uma princesa requintada
Mas a todos os machos da cidade ela era apenas marmita requentada.

E enquanto o ancião tem a mandíbula arrancada ao golpe cirúrgico
Ao asno que relincha ela se entrega num ritual macabro e litúrgico
Mas não tem limite seu desejo, sem limites a sua vingança prazerosa
E entre o prazer da vingança e vingança de prazer, fode a indecorosa.

Com todos fodeu, de sadios a loucos, dos cegos e doentes a moribundos
E a tantos vadios que ficou conhecida como “A Dama dos Vagabundos”
E nos leitos de hospital, esgueirou na escuridão e fodeu o quase morto
Que à beira da morte ainda imaginou que era ela um anjo quase torto

A brancos ela deu, com pretos fodeu, índios, roxos, qualquer cor servia
Ela não tinha preferência por cor quando o sangue da buceta lhe fervia
Tão sem freios era sua fúria, que na terra de “Bebel Que a Cidade Comeu”
Ela ficou conhecida orgulhosa como “Izabel Que a Cidade Também Fodeu”.



7 -
“Preste atenção querida
De cada amor tu herdarás só o cinismo
Quando notares estás a beira do abismo
Abismo que cavastes com teus pés” – Cartola – “O Mundo é Um Moinho”

Se o prazer é sólido, desejos podem ser moídos num liquidificador
O que é sólido liquefaz, gasoso evapora, e mentira liquidifica a dor
E então volta a princesa banida debaixo das asas do doente moral
Imaginando imortal o tesão, que sem desejo é apenas algo imoral.

E o poeta interfere agora, nesta narração dessa história tanto comum
Tentando falar que poderia ser aquele que nunca foi, sendo nenhum
E se acaso estivesse este esses tantos que desfrutaram daquela buceta
Não teria tido existência com tanta poesia, tanta dor e tanta punheta.

E não pensem não ter buscado, afinal putas sempre foram seu legado
Não fosse isso, bem que o poeta poderia ter dado o cu a um delegado
Portanto, não imagine que ao contar a história tal como lhe foi dita
Ele mente, pois que mulheres são todas putas é naquilo que acredita.

Deixe-me contar agora da sua indecência e dos despudores sem fim
Dela que foi dama dos detentos e lazarentos, de Rainbow a Zeppelin
Não havia vingança e nem sede de justiça, apenas desejo e ponto final
Pois não é preciso desculpas para dar a buceta e gostar de foder, afinal.


8 -
Se o mundo é mau
E a noite vem
Acorda Isabel
Vem pra viver
Ah, Isabel
Vem Isabel meu bem... – Carlos Lira – “Isabel”

E das praias do litoral sul, dos bairros próximos e até de outros países
Chegaram machos para foder com ela, que era a rainha das meretrizes
Que em seu pensamento era puritana, mas no espelho uma mundana
Então quebrou o espelho, colocou botas de cano alto e se fez humana.

E o verbo se fez carne, da carne poesia e o poeta se fez real feito poesia
Feito verbo se fez gente, feito gente se fez prazer e nem tudo hipocrisia
E de ultimo de um séquito à rainha do prazer se fez de homem o poeta
Que feito assim a fez mulher que o transformou de tolo em um profeta.

E assim chegou ao final da balada de Izabel, mas não ao fim da história
E se não há moral nesta, como não existe em nenhuma sem uma glória
Deixo todos a pensar sobre como são as noites, as madrugadas e os dias
Pois a maior puta do universo faz do meu verso apenas doces covardias.

Por fim, aqueles que lerem a epopéia de Izabel, terão um pensamento
Se é ela a grande puta o poeta é um corno, isso é de fácil entendimento
Mas se deixo de herança a história sobre a intimidade da esposa amada
Não por infâmia ou tolice, e é por devoção é que ela deve ser chamada.

28/12/2013

-

Registro no E.D.A. da F.B.N. : -
1 - "Leve Um Homem Ao Matadouro..." 11/2/2002

1958 25/6/2004

2 - "...O Que Berrar na Hora da Faca é o Homem..." 11/2/2002

3 - "...Mesmo Que Seja o Boi!" 11/2/2002

A Aranha (Trecho) 1/9/1980

A Artesã e O Poeta 11/9/2008

A Balada de Izabel Cristina 28/12/2013

A Barca da Esperança 19/9/2006

À Beira da Morte 11/11/2006

A Bunda da Minha Amada 1/3/1998

A Carta e a Chuva 28/6/2008

A Carteira e o Poeta 4/1/2006

A César o Que é de César e a Augusto o Que é dos Anjos 17/11/2009

A Ciência da Poesia 5/12/2009

A Doença Que Eu Tanto Amo 5/12/2005

A Dor Suprema 19/9/2006

A Felicidade da Dor 17/12/2009

A Herança dos Sonhos 26/9/2008

A Humanidade é a Merda da Terra 8/11/2006

A Importância da Merda e a Merda da Importância (Porque Nenhuma Merda no Mundo é Mais Suja Que Seu Nome) 12/10/2002

A Ira dos Anjos 26/8/2009

A Ira e a Lira dos Demônios e dos Deuses Sem Gozo 25/8/2009

A Lenda da Fada da Foda 6/2/2015

A Lista 17/7/2016

A Mais Bela das Histórias de Amor Sobre a Terra. 7/7/2008

A Maldição da Barata Branca 24/10/2008

A Maldição do Tempo 20/1/2015

A Mendiga 8/2/2007

A Morte da Morte 1/8/2001

A Morte da Saudade 20/9/2009

A Música da Letra 15/10/2006

A Noite da Última Sorte 3/12/2002

A Noite dos Desesperados 20/9/2004

A Paciência dos Anjos e As Flores da Macedônia 21/9/2009

A Poesia Que Eu Preciso 31/1/2010

A Poesia, a Razão e a Loucura 9/7/2017

A Prisão da Liberdade 15/11/2009

A Professora e A Barata 1/11/2008

A Santidade da Vida 11/2/2007

A Serpente e A Raposa 11/12/2005

A Solidão e A Esperança 3/9/2006

A Solução da Corda 9/10/2009

À Sombra de Objetos Inexistentes (Antes do Começo e Depois do Fim) 21/3/2012

À Sulamita 30/7/2000

A Toalha e a Mesa 21/4/2008

A Verdadeira História da Betty Boop 28/4/2005

Aborto 11/11/2009

Acaso Eu Morra Amanhã 9/1/2006

Achados e Perdidos 27/5/2008

Ácida Cida 1/10/2000

 


(16) 99248-0091

A Barata - O Site

A Barata Ao Vivo

Amigos & Livros

A Arca do Barata

Arquivos Abertos

Artesanato

Artigos
As Faces d'O Corvo
Augusto dos Anjos

Ataraxia

Barata Cichetto, Quem É?

Barata Rocker

Biografi'As Baratas

Camisetas

Cinematec'A Barata

Coletâneas de Rock

Colunas Antigas
Conte Comigo, Conte Pra Mim
Contos d'A Barata
Convergências
Crom

Crônic'As Baratas

De Poeta a Poeta

Depoimentos

Des-Aforismos Poéticos Baratianos

Discoteca d'A Barata

Download Free

Ensaios Musicais

Entrevist'As Baratas

Eventos

Facebookianas
Fal'A Barata!
Fotos
Gatos & Alfaces
Kakerlak Doppelgänger
Livrari'A Barata
Livros
Madame X
Memória A Barata
Micrônic'As Baratas

Na Mídia

O Anjo Venusanal
Pinturas
Pi Ao Quadrado

Poesi'a Barata

Ponto de Fuga
Pornomatopéias
PQP - Puta Que Pariu
Prefácios & Editoriais
Projeto Sangue de Barata
Psychotic Eyes
Renato Pop
Resenhas

Retratos e Caricaturas

Revist'A Barata Digital

Revist'A Barata

Seren Goch: 2332

Sub-Versões

Tublues

Versus

Videos

Vitória

Webradio

Todos os textos, exceto quando indicados, são de autoria de Luiz Carlos Giraçol Cichetto, nome literário Barata Cichetto, e foram registrados na Fundação Biblioteca Nacional. Não é permitida a publicação em nenhum meio de comunicação sem a prévia autorização do autor, bem como o uso das marcas "A Barata" e "Liberdade de Expressão e Expressão de Liberdade". Lei de Direitos Autorais: 9610/98.
 On Line

Política de PrivacidadeFree counter users online