(16) 99248-0091

Apóie a continuidade deste trabalho, totalmente independente desde 1997. Saiba como participar clicando na imagem ao lado.

1958 1990 1997 1998 1999 2000 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013 2014 2015 2016 2017 2018

 Arca do Barata Cinematec'A Barata Contos Crônicas  Entrevistas  Facebookianas  Fal'A Barata! Livrari'A Barata  Micrônic'As Baratas Prefácios & Editoriais


DE ESPANTALHOS E PEDRAS TAMBÉM SE FAZ UM POEMA
Autor: Viegas Fernandes da Costa
Barata Cichetto
barata.cichetto@gmail.com

De Espantalhos e Pedras Também Se Faz Um Poema

Resumo: Poesia
Ano: 2008
Editora: Cultura em Movimento
Original: -
Tradutor: -
Páginas: 66
As emoções em “de espantalhos e pedras também se faz um poema”, novo livro do historiador, professor e escritor Viegas Fernandes da Costa, começam quando a gente apanha nas mãos o volume de 66 páginas. E a primeira delas é a emoção causada pelo olfato: o livro tem um cheiro diferente, pois foi impresso em antigas máquinas de tipografia, cujas tintas têm um odor característico; continua com o tato, com as depressões e relevos provocados pelo “esmagamento” das fibras do papel pelos tipos de chumbo. As letras são tridimensionais, não apenas impressões digitais sem identidade, frias, estampadas a laser. As emoções não param e prosseguem com a visual, causada pela imperfeição e falhas na impressão no processo quase que manual, sem aquela “perfeição tecnológica” dos modernos – e frios – sistemas ligados à computadores. Portanto, antes mesmo de começarmos a ler “de espantalhos e pedras também se faz um poema”, somos conquistados pelas emoções, antes de saborear os poemas, sentimos o gosto da humanidade, tendo claro que foram seres humanos, gente, que construíram aquele livro. Tudo muito quente.


Então começamos a folhear e logo na introdução, escrita pelo próprio poeta, outro nocaute emotivo, nos alertando que estamos em uma sociedade de poucos sentimentos e muita tecnologia. Tecnologia demais, emoção de menos. “Já cansei de ouvir os arautos do fim do livro em seu porte tradicional: com páginas de papel, capa, autor e cheiro de mofo. Há de se instaurar o império do código binário, dos bits e chips, dessa coisa amorfa que ainda chamaremos de livro, mas sem o fetiche que este sempre carregou, sem este apelo tátil de pele sobre papel – ou vice-versa.” Escreve Viegas, para em seguida relatar a emoção sentida por ele ao acompanhar o processo de nascimento do livro, à emoção de “estar na presença física do livro”, que toma forma pelas mãos hábeis do tipógrafo experiente, que ali é uma espécie de comparsa do poeta, reescrevendo letra a letra seu poema. Tipos de chumbo, invertidos, segurados delicadamente com a pinça e encaixados um ao lado do outro em uma placa de metal. Letra por letra, símbolo por símbolo, os poemas tomam forma, corpo e fazem com que o sentimento e a verdade criadas pela mente e o coração do poeta, se transformem em sentimentos e verdades palpáveis com olfato e cor. “Sim, este livro existe além do livro.” Prossegue o poeta, repórter do nascimento de sua própria criação, para depois assumir o papel de revolucionário que cabe a todos os poetas que o sejam por dom e ofício, a pretensão de ostentar tal título: “Este livro, impresso na linotipo, é uma afronta aos livros pós-industriais, pós-modernos, pós-livros. Que assim seja!” Amem!

No final da apresentação, Viegas sugere ao leitor um exercício de sentidos.... E assim fizemos e desta forma retornamos ao início do presente texto. Cumpramos, portanto sua sugestão e amemos “de espantalhos e pedras também se faz um poema”, façamos-lhe amor, “pois que ainda existe!”.

Quanto aos poemas em si, sendo eu também um pedreiro das palavras, poeta também de ofício, que irei comentar. Poemas não são para serem analisados, nem criticados, nem entendidos: poemas são para serem sentidos. E no caso de “de espantalhos e pedras também se faz um poema”, os poemas são para serem sentidos não apenas pela emoção causada pelas palavras que criam sensações, mas pelo tato, pelo olfato, pela visão. E a uma única frase possível: de tipos e chumbo também se faz um poema... ou vários... não é mesmo Viegas? Não é mesmo, Sr. Bernardo?
1/1/2006
Registro no E.D.A. da F.B.N. : 513.861 - Livro 974 - Folha 209



(16) 99248-0091

A Barata - O Site

A Barata Ao Vivo

Amigos & Livros

A Arca do Barata

Arquivos Abertos

Artesanato

As Faces d'O Corvo
Augusto dos Anjos

Ataraxia

Barata Cichetto, Quem É?

Barata Rocker

Biografi'As Baratas

Camisetas

Cinematec'A Barata

Coletâneas de Rock

Colunas Antigas
Conte Comigo, Conte Pra Mim
Contos d'A Barata
Convergências
Crom

Crônic'As Baratas

De Poeta a Poeta

Depoimentos

Des-Aforismos Poéticos Baratianos

Discoteca d'A Barata

Download Free

Ensaios Musicais

Entrevist'As Baratas

Eventos

Facebookianas
Fal'A Barata!
Fotos
Gatos & Alfaces
Kakerlak Doppelgänger
Livrari'A Barata
Livros
Madame X
Memória A Barata
Micrônic'As Baratas

Na Mídia

O Anjo Venusanal
Pinturas
Pi Ao Quadrado

Poesi'a Barata

Ponto de Fuga
Pornomatopéias
PQP - Puta Que Pariu
Prefácios & Editoriais
Projeto Sangue de Barata
Psychotic Eyes
Renato Pop
Resenhas

Retratos e Caricaturas

Revist'A Barata Digital

Revist'A Barata

Seren Goch: 2332

Sub-Versões

Tublues

Versus

Videos

Vitória

Webradio

Todos os textos, exceto quando indicados, são de autoria de Luiz Carlos Giraçol Cichetto, nome literário Barata Cichetto, e foram registrados na Fundação Biblioteca Nacional. Não é permitida a publicação em nenhum meio de comunicação sem a prévia autorização do autor, bem como o uso das marcas "A Barata" e "Liberdade de Expressão e Expressão de Liberdade". Lei de Direitos Autorais: 9610/98.
 On Line

Política de PrivacidadeFree counter users online