(11) 96358-9727

 

1958 1990 1997 1998 1999 2000 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013 2014 2015 2016 2017 2018

 

Artesanato Camisetas Conte Comigo, Conte Pra Mim Convergências PQP - Puta Que Pariu  Pinturas Sub-Versões Vídeos Webradio


Reproduzir
Play List do Youtube

À SOMBRA DE OBJETOS INEXISTENTES

Barata Cichetto

"Apenas lunáticos enxergam o lado escuro da Lua, mas quem percebe a sombra de objetos inexistentes?". Este é o principio deste poema em prosa escrito por Barata Cichetto, que fala do desespero e solidão causados pela modernidade. O título é uma "resposta" à aludida pelos membros da banda Pink Floyd ao explicar o disco "The Dark Side Of The Moon". O texto é repleto de citações "floydianas" e particularmente é dedicado a um dos maiores gênios da música contemporânea, mentor e criador do Pink Floyd, Roger "Syd" Barrett.

"Antes do começo e depois do fim... A sombra... De objetos inexistentes.". o vídeo foi montando usando trechos de filmes pornôs da década de 1920 e 30 e de outros filmes antigos, como "Viagem a Lua", além de inserções minhas narrando o poema. Foram usados efeitos de luz e cortinas de fumaça, além de trucagens, com o intuito de criar uma atmosfera de sombra e sexualidade, como pedia o texto. Foram utilizados três programas de edição de vídeo: o Windows Movie Maker, o Vegas e o Media Subtitler para a inserção das legendas (o texto). A narração foi feita como programa de código livre Audacity, e como trilha sonora, trechos de músicas da banda Pink Floyd.

A Sombra de Objetos Inexistentes (Antes do Começo e Depois do Fim)
Barata Cichetto

Apenas lunáticos enxergam o lado escuro da Lua, mas quem percebe a sombra de objetos inexistentes?
Antenas parabólicas refletem nas paredes das casas a sombra da modernidade.


Sombras de corpos nus refletidos nas paredes de um quarto de motel vagabundo, reflexos de objetos de desejo inexistentes.
O desejo morto, esfacelado a golpes de uma marreta cuja sombra reflete no lençol imundo em forma de sangue rubro.
Desejos mortos são sombras apenas.
Qual a forma da sombra da minha alma?


Reflito, aflito, sobre a superfície do seu corpo, deitada ao meu lado depois de chupar meu pinto.
Estarei morto antes do amanhecer? Serei sombra antes de anoitecer?


E agora seguras minha cueca entre seus dentes e eu observo a sombra da fumaça do seu cigarro e penso que o desejo é igual fumaça, apenas sombras...
Estamos aqui deitados juntos, numa cama de motel barato e meu corpo reflete a sua sombra. Espelhos no teto, um céu de corpos nus e eu nem consigo beijar o céu enquanto chupas com desejo aquilo que chamas de seu.
Pink Floyd rolando em um velho disco negro de vinil enquanto Syd Barrett ignora o corpo nu de Karinne e eu desejo ao seu.
Um alto-falante solta estalidos da agulha deslizando sobre a superfície do disco enquanto eu solto grunhidos ao deslizar meu pinto sobre a superfície dos seus lábios.


Um domingo de sol desses, eu levo minha sombra para visitar um parque qualquer, carregando em meu embornal um par de sanduíches de carne de elefante efervescente.
A música é a sombra sonora do espírito.


Estamos nós dois agora esperando um ônibus que não chega, atrasado feito a vida.
Dói a falta de esperança, de não saber quando chega esse último ônibus que nos carrega em direção ao aconchego da noite.
Não tentes prender minha sombra, não tentes entender minha poesia. Não tentes entender minha sombra.
A noite gera sombras, estamos todos perdidos dentro de sombras de objetos inexistentes.


Cobertos pelas sombras da morte, nus perante o Universo sem sombras. Não existe sombra no espaço sideral, mas há sombras em minha mente.
Reflete a luz dos postes da rua no meu corpo que escurece sua pele branca à sombra de um objeto inexistente.


Logo, minha querida, estaremos todos mortos e mortos não geram sombras.
Da luz nasce a sombra e da dor a poesia. Portanto, em uma matemática ilógica, não existe luz sem poesia.
Minha poesia é a sombra da minha alma, refletida sobre os muros descascados e sujos da sua mente.
Apenas sombras escuras de objetos inexistentes.


Antes do começo e depois do fim existe a poesia. Há a sombra, existe o desejo. Obscuro e escuro objeto de desejo.
Sobram as sombras, restam os restos. E as sombras das antenas parabólicas não refletem meu sentimento, nem captam minha emoção.


Muros cercam os olhos, impedem a visão e eu nem sei quando podemos apanhar um ônibus que nos carregue em direção ao lado escuro da Lua.
Syd Barrett é um São Jorge moderno domando com sua lança psicodélica, um elefante efervescente de olhos de cristal.
Enquanto nos olhamos, esperamos um ônibus cuja sombra nas paredes das casas refletem a angustia da espera e o desespero de não poder chegar a lugar nenhum. Porque as sombras chegam primeiro sem nunca chegar.
Syd Barrett não mora mais aqui, Alice é presidente do País das Maravilhas e a Revolução acabou.
Somos todos mortos, somos todos poesia. A poesia quanto a morte não gera sombras e, portanto somos, enfim, apenas sombras de objetos inexistentes.


Antes do começo e depois do fim... A sombra...
De objetos inexistentes.


Nota: A frase, titulo deste “Antes do Começo e Depois do fim” é de Januário, 80, meu pai, e foi dita num desdenho ou num ato de sapiência matuta, quando discutíamos o nome para o CD do “Projeto Sangue de Barata”.

29/08/2011

https://www.youtube.com/watch?v=RjjFc8Xt7uo&index=4&list=PL898A3C01335031A5&t=6s



1958 1990 1997 1998 1999 2000 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013 2014 2015 2016 2017 2018

CONHEÇA NOSSOS PARCEIROS

 

(11) 96358-9727

A Barata - O Site

A Barata Ao Vivo

Amigos & Livros

A Arca do Barata

Arquivos Abertos

Artesanato

As Faces d'O Corvo
Augusto dos Anjos

Ataraxia

Barata Cichetto, Quem É?

Barata Rocker

Biografi'As Baratas

Camisetas

Cinematec'A Barata

Coletâneas de Rock

Colunas Antigas
Conte Comigo, Conte Pra Mim
Contos d'A Barata
Convergências
Crom

Crônic'As Baratas

Depoimentos

Des-Aforismos Poéticos Baratianos

Discoteca d'A Barata

Download Free

Ensaios Musicais

Entrevist'As Baratas

Eventos

Facebookianas
Fal'A Barata!
Fotos
Gatos & Alfaces
Kakerlak Doppelgänger
Livrari'A Barata
Livros
Madame X
Memória A Barata
Micrônic'As Baratas

Na Mídia

O Anjo Venusanal
Pinturas
Pi Ao Quadrado

Poesi'a Barata

Ponto de Fuga
Pornomatopéias
PQP - Puta Que Pariu
Projeto Sangue de Barata
Psychotic Eyes
Renato Pop
Resenhas

Retratos e Caricaturas

Revist'A Barata Digital

Revist'A Barata

Seren Goch: 2332

Sub-Versões

Tublues

Versus

Videos

Vitória

Webradio

Todos os textos, exceto quando indicados, são de autoria de Luiz Carlos Giraçol Cichetto, nome literário Barata Cichetto, e foram registrados na Fundação Biblioteca Nacional. Não é permitida a publicação em nenhum meio de comunicação sem a prévia autorização do autor, bem como o uso das marcas "A Barata" e "Liberdade de Expressão e Expressão de Liberdade". Lei de Direitos Autorais: 9610/98.

 On Line

Política de Privacidade

Free counter users online